GOSTO

Gosto de quem, apesar da aridez, sabe florescer
De quem sabe, apesar da própria dor, acolher
De quem usa a sabedoria para enternecer
E nunca, nunca desiste de lutar por esse viver

Gosto de quem espalha delicadezas
Em forma de palavras, sorrisos, belezas
Na vida insiste, no amor acredita, usa sutilezas
Ainda que veja no entorno tanta aspereza

Gosto de quem não desiste do amor
Independente se já nele se perdeu
Mas não se deixou levar pelo rancor

Gosto de quem escolhe ser a própria poesia
Num mundo onde ganha espaço a agonia
Numa batalha por um pouco mais de harmonia

Alda M S Santos