REINICIANDO

Tudo em preto e branco, branco e preto
Ou em tons acinzentados, desmantelados
A vida parece em modo de espera
E meio sem saber, humanos subjugados
Lá fora agora está quase tudo proibido
Ficar cá dentro muitas vezes parece castigo
Onde estão as cores, as flores, os amores
Tantos se perguntam, andam perdidos…
Beijo, abraço, um toque, uma visita? – pode não
Você não sabe que põe os outros em risco, cidadão?
Humanidade que tantas vezes pairou na superfície
Sente-se obrigada a aprofundar, mergulhar em si mesma
Desacostumada com a solidão, sente-se desafortunada
Tão habituada a usar máscaras de proteção de sentimentos
Se vê coagida a usar máscaras de barreira contra contaminação
Um sorriso amarelo que disfarçava dores, dizia “tudo bem”
Agora nada valem se não chegar aos olhos que é o que veem
Tantas dúvidas, medos, ansiedades e inseguranças
Enquanto uns questionam o que virá disso tudo
Há quem festeje, quer que o mundo seja formatado
E outros querendo apenas que ele reinicie
Dando nova oportunidade de fazer diferente
Reaprender a amar, confiar, ser mais gente
Que valha a pena…reiniciando….
Alda M S Santos