QUE EU POSSA SER
Há tanta coisa por aqui a ser vista
Mas nem todas elas são bonitas
Queria ter um olhar bem seletivo
E aprofundar, ajudar, ser mais coração
Em busca daquilo que requer atenção
Queria notar a dor atrás de um sorriso
A fome de amor naquele desejo de sumir
Ou na vontade de morrer, de fugir
Queria poder ser a mão que se estende
O sopro de vida que afasta a poeira acumulada
Numa tez já muito vivida e cansada
Pelas batalhas há muito travadas
Queria ser o ponto de luz na escuridão
A esperança a despertar no olhar nova emoção
O abraço que agasalha e aquece o frio na alma
A companhia daquele que cansou da solidão
Ou que necessita apenas se sentir amado
Por aqueles que ama, ser notado, valorizado
Queria ser apenas um instrumento de amor
Nos momentos em que nada parecer fazer sentido
Quando tudo que se vê for a indiferença
Poder levar a fé, a energia, o desejo de viver
Através do pão que o corpo alimenta
Ou da amizade que tira do coração a tormenta
Queria ser a vida onde a morte se apresenta
Que eu possa ser…
Alda M S Santos