Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

abraços

Tem gente que abraça…

TEM GENTE QUE ABRAÇA…
Tem gente que abraça com os olhos – antecipando o prazer
Tem gente que abraça fechando os olhos – para sentir melhor
Tem gente que abraça de longe – quando não pode de perto
Tem gente que abraça sorrindo- sabe o que quer
Tem gente que abraça chorando- lavando a alma
Tem gente que abraça num sonho- ah como é bom
Tem gente que abraça com as palavras – complementando
Tem gente que abraça num poema – substituindo
Tem gente que abraça numa canção – revivendo
Tem gente que abraça numa oração- muito amor e proteção
Tem gente que só sabe abraçar com os braços- aprendizes
Tem gente que abraça sem abraçar – desconfiados
Tem gente que recusa abraços – incrédulos
E tem gente que de tanto abraçar
Aprendeu a abraçar com a alma – anjos
Deixando gosto de quero mais!
Alda M S Santos

Precisamos de abraços

PRECISAMOS DE ABRAÇOS

Nunca fez tanta falta esse belo laço
Momentos em que erramos o passo
Falseamos, choramos, medramos
Perdidos, saímos do compasso
Sobram desejos, faltam braços
Falta alguém que nos devolva nossos pedaços
Tudo que queremos é nos deixar ficar
Nos envolver, sair dos embaraços
E encontrar no outro um belo amasso
Algo que acalme, nos livre do cansaço
Num abraço, me perco, me acho
Numa dança, num aperto me enlaço
Sou uma, sou mil, me desfaço
E, assim, meu caminho refaço
Pena que anda tão escasso
Nesse mundo muitas vezes tão devasso…

Alda M S Santos

Abraços fazem a vida valer a pena

ABRAÇOS FAZEM A VIDA VALER A PENA
Tem de todo tipo e tamanho
Mas todos, todos, têm algo em comum
O desejo de ser carinho, de receber carinho
Os “pipoca”, rapidinho e salta fora
Os acanhados, meio de lado, contidos
Os na pontinha dos pés, meio encolhidinhos no peito
Os apertados de trincar os ossos e prender a respiração
Os de corpo inteiro que “atravessam” um ao outro
Os que matam saudades, grudam e se pretendem eternos
Os coletivos, que mostram empatia e união
Os de surpresa, por trás, que tapam os olhos com as mãos
Aqueles que se afinam com uma dança e nos elevam do chão
Aqueles acompanhados de palavras doces, de um cheiro no cangote, de um beijo
Os que despertam humanos sentidos adormecidos
Aqueles por compaixão, que levam amor divino no toque
Os melhores de todos: aqueles que unem mais que braços e corpos
Os que entrelaçam almas afins, que o calor permanece muito tempo depois de findo o abraço
Que mantém o sorriso no rosto e o coração aquecido…
Abraços levam e trazem a porção de Deus em nós
Abraços tornam o caminhar mais fácil
Fazem a vida valer a pena…
Alda M S Santos

Abraços

ABRAÇOS

Abraços são bons a qualquer momento
Imprescindíveis, selam a paz, a união
Quando a vida não está a contento
Ou são alegres e festivos quando há comemoração

Abraços são bons a qualquer momento
Troca de carinho, boa energia
Debaixo desse imenso firmamento
Nada há com total sintonia

Abraços são bons a qualquer momento
Matam saudades, renovam esperanças
Unem mais que corpos e quando tudo se acabar
Ainda serão eternos e doces nas lembranças

Abraços são bons a qualquer momento
Trazem e levam consigo nossa porção mais humana
E despertam nossa essência divina
Vida sem abraços é vida desumana!

Abracemos mais!

Alda M S Santos

Quero abraçar

QUERO ABRAÇAR

Quero de novo poder abraçar
Não um abraço virtual ou só com o olhar
Daqueles com medo de contagiar
Ao contrário,  quero sim propagar
A alegria, o sorriso, a fé
Num contato que possa amenizar
O desejo de ser e fazer morada
Para um alguém cuja alma está calada
Quero de novo poder abraçar
Com tudo que um abraço é capaz de levar
A esperança em dias menos nebulosos
A certeza de ser querido, ter abrigo
Um colo quentinho, um amigo
Fazendo valer nossa humanidade
Sempre em busca da felicidade
Quero de novo poder abraçar, dançar
Um abraço que envolva mais que braços
Um carinho que conecte mais que corpos
Que acenda a luz, ilumine a escuridão
Que interligue almas, aperte laços
Quero de novo poder abraçar…

Alda M S Santos

Há braços, abraços…

HÁ-BRAÇOS, ABRAÇOS…

Sinceridade que desarma, carinho que surpreende

Afeto que toca, sorriso que encanta

Há braços, abraços…

Quentes, longos, pipoca

Na pontinha dos pés, perfumados

Encolhidinhos no peito, de ladinho

Receosos, no colo, sensuais,

Apertadinhos, ou que não querem largar…

Acompanhados de doces palavras, silenciosos,

Qualquer que seja ele, necessário!

Há braços, abraços

Marcantes, inesquecíveis, saudosos…

Que possamos oferecê-los

Que saibamos recebê-los!

Alda M S Santos

Nunca se fez tão necessário

NUNCA SE FEZ TAO NECESSÁRIO
Abraço
Nunca fez tanta falta
Sua capacidade de apaziguar
De fazer um corpo curar
Aquecer a alma, fortalecer
Fazer o coração rejuvenescer
Abraço
Nunca foi tão necessária
A energia boa que conduz
Que nos faz tocar mais que braços
Que atinge a emoção, aperta os laços
Abraço
Tão simples, tão quente, ativador da vida
De pais, filhos, amigos
Aciona o que há de mais terno
Aquece corpo e alma dos amantes
Abraço
Quando for de novo liberado
Penso que iremos abusar
E a cada dia mais valorizar
A doce entrega nos braços de alguém…
Ah, abraços…
Alda M S Santos

Que eu possa ser

QUE EU POSSA SER
Há tanta coisa por aqui a ser vista
Mas nem todas elas são bonitas
Queria ter um olhar bem seletivo
E aprofundar, ajudar, ser mais coração
Em busca daquilo que requer atenção
Queria notar a dor atrás de um sorriso
A fome de amor naquele desejo de sumir
Ou na vontade de morrer, de fugir
Queria poder ser a mão que se estende
O sopro de vida que afasta a poeira acumulada
Numa tez já muito vivida e cansada
Pelas batalhas há muito travadas
Queria ser o ponto de luz na escuridão
A esperança a despertar no olhar nova emoção
O abraço que agasalha e aquece o frio na alma
A companhia daquele que cansou da solidão
Ou que necessita apenas se sentir amado
Por aqueles que ama, ser notado, valorizado
Queria ser apenas um instrumento de amor
Nos momentos em que nada parecer fazer sentido
Quando tudo que se vê for a indiferença
Poder levar a fé, a energia, o desejo de viver
Através do pão que o corpo alimenta
Ou da amizade que tira do coração a tormenta
Queria ser a vida onde a morte se apresenta
Que eu possa ser…
Alda M S Santos

Abraço acochado

ABRAÇO ACOCHADO

-Por que aqui é a cidade do abraço?-pergunto

-Ah, porque a cidade acolhe e abraça- logo dizem

A todos que aqui chegam, com graça- completam

Isso parece bom mesmo!

E alguém aí sabe dizer o que é um abraço acochado?

Conheço muito de abraços

Grudados, grátis, na pontinha dos pés, amassados

Com ternura e cuidado, interessado

Com beijinhos e palavras de carinho

Mas esse acochado ainda não sei definir qual é!

Seria debaixo da colcha, que envolvem as coxas?

Acho que vou perguntar!

Afinal, sou mineira numa terra de cearenses

Alguém aqui há de saber me dizer!

-Abraço acochado? Onde tu viu isso?- pergunta sorrindo o bugueiro.

-Pra todo lado, uai! O que é?

– Ah, é um abraço muito apertado de quebrar as costelas.

Aprendi mais uma na cidade dos abraços: abraço acochado!

Alguém aí gosta?

Alda M S Santos

Abraços

ABRAÇOS

Abraços são bons a qualquer momento

Imprescindíveis, selam a paz, a união

Quando a vida não está a contento

Ou são alegres e festivos quando há comemoração

Abraços são bons a qualquer momento

Troca de carinho, boa energia

Debaixo desse imenso firmamento

Nada há com total sintonia

Abraços são bons a qualquer momento

Matam saudades, renovam esperanças

Unem mais que corpos e quando tudo se acabar

Ainda serão eternos e doces nas lembranças

Abraços são bons a qualquer momento

Trazem e levam consigo nossa porção mais humana

E despertam nossa essência divina

Vida sem abraços é vida desumana!

Abracemos mais!

Alda M S Santos

Lançando laços

LANÇANDO LAÇOS

A vida eu sigo lançando laços

Desfazendo nós, conquistando abraços

Numa brincadeira séria procuro me divertir

Ora sou mágica, ora bailarina, ora palhaça

Nesse circo faço meu espetáculo

Percorro caminhos, venço distâncias, detono o cansaço

Não provoco grandes barulhos ou estardalhaço

Me protejo, no picadeiro tento não me partir em mil pedaços

Mesmo que, muitas vezes, seja ferida pelos estilhaços

Sigo nessa travessia em busca de luz e paz

Procuro demarcar meu próprio espaço

Tentando não depender de aplausos

Cuidadosa para não afastar os gostosos amassos

Nesse eterno vai e vem, levanta e cai

Me desembaraço, me enlaço, me desfaço e me refaço

Alinho a fé, a coragem e nossos passos

Para chegar ao final dessa travessia num único compasso

Sigo a vida lançando laços…

Alda M S Santos

E o frio chegou…

E O FRIO CHEGOU…

E o frio chegou…

Tempo de desembaraços, de criar laços

De acertar os passos

E se aquecer em abraços

E o frio chegou…

Hora de fogueira ou lareira

Tempo de filme, pipoca e edredom

Na vitrola um nostálgico som

Luz baixa, química alta, tudo de bom

E o frio chegou…

Tempo de hibernar, reservar energia

Buscar intensamente uma calmaria

Numa taça de vinho encontrar a magia

E diante disso tudo entregar-se à vida

Que a tantos contagia…

E o frio chegou…

Alda M S Santos

Viver é contagioso

VIVER É CONTAGIOSO

Mau humor e dor contagiam tanto quanto vírus

Frieza e indiferença são transmissíveis no ar

Alegria “pega”, tristeza “pega”

Basta estar perto e aberto e respirar

Se não podemos escolher com o que ser contaminado

Temos alguma escolha naquilo que queremos contaminar

Escolhemos contagiar o mundo de coisas boas, de amor

Basta de tristeza e dor

Abraços e carinho são profiláticos

“O amor é contagioso”!

Alda M S Santos

#carinhologos

#abracosgratis

Tem gente que abraça…

TEM GENTE QUE ABRAÇA…

Tem gente que abraça com os olhos – antecipando o prazer

Tem gente que abraça fechando os olhos – para sentir melhor

Tem gente que abraça de longe – quando não pode de perto

Tem gente que abraça sorrindo- sabe o que quer

Tem gente que abraça chorando- lavando a alma

Tem gente que abraça num sonho- ah como é bom

Tem gente que abraça com as palavras – complementando

Tem gente que abraça num poema – substituindo

Tem gente que abraça numa canção – revivendo

Tem gente que abraça numa oração- muito amor e proteção

Tem gente que só sabe abraçar com os braços- aprendizes

Tem gente que abraça sem abraçar – desconfiados

Tem gente que recusa abraços – incrédulos

E tem gente que de tanto abraçar

Aprendeu a abraçar com a alma – anjos

Deixando gosto de quero mais!

Alda M S Santos

Dia do abraço

DIA DO ABRAÇO

Quando pudermos nos perder num abraço

Ou, melhor ainda, nos encontrar num abraço,

Ao outro, a nós mesmos,

Saberemos seu real valor

E não será preciso um dia

Para lembrar de sua importância.

Alda M S Santos

#carinhologos

Abraços fazem a vida valer a pena

ABRAÇOS FAZEM A VIDA VALER A PENA

Tem de todo tipo e tamanho

Mas todos, todos, têm algo em comum

O desejo de ser carinho, de receber carinho

Os “pipoca”, rapidinho e salta fora

Os acanhados, meio de lado, contidos

Os na pontinha dos pés, meio encolhidinhos no peito

Os apertados de trincar os ossos e prender a respiração

Os de corpo inteiro que “atravessam” um ao outro

Os que matam saudades, grudam e se pretendem eternos

Os coletivos, que mostram empatia e união

Os de surpresa, por trás, que tapam os olhos com as mãos

Aqueles que se afinam com uma dança e nos elevam do chão

Aqueles acompanhados de palavras doces, de um cheiro no cangote, de um beijo

Os que despertam humanos sentidos adormecidos

Aqueles por compaixão, que levam amor divino no toque

Os melhores de todos: aqueles que unem mais que braços e corpos

Os que entrelaçam almas afins, que o calor permanece muito tempo depois de findo o abraço

Que mantém o sorriso no rosto e o coração aquecido…

Abraços levam e trazem a porção de Deus em nós

Abraços tornam o caminhar mais fácil

Fazem a vida valer a pena…

Alda M S Santos

A pergunta certa

A PERGUNTA CERTA

A pergunta certa não é “o que posso receber de alguém?”

Ou “o que o outro pode me oferecer?”

A pergunta certa não é aquela que nosso egocentrismo determina

A pergunta certa é “o que posso oferecer de mim ao outro”?

“Em que posso melhorar a vida de alguém”?

Buscando o que de mais livre e sincero pudermos oferecer

Acabaremos por ser o que o outro mais necessita

A via se torna de mão-dupla, vai e volta infinitamente

E recebemos, sem buscar, sem cobrar, o que mais necessitamos

Fazendo, assim, um mundo melhor para todos nós…

Alda M S Santos

#carinhologos

Sempre amor

SEMPRE AMOR

Um grupo com um objetivo: levar alegria

A razão que trouxe cada um é variável

Todos parecem felizes, profissões variadas, vidas diferentes

Unidos no desejo de ajudar os outros, os idosos, particularmente

Olho para cada rosto desses palhacinhos, cada sorriso

Sei um pouco a história de alguns

Histórias de lutas secretas, sofrimentos, nem sempre vitoriosas

Muitos carregam angústias, frustrações e dores

Não doam o que lhes sobra, mas aquilo que mais precisam

Aquilo que valorizam, que sabem precioso

No prazer de levar amor, encontram uma razão a mais para lutar…

Para viver…

Alda M S Santos

#carinhologos

#carinhologossolidarios

Há-braços, abraços…

HÁ-BRAÇOS, ABRAÇOS…

Sinceridade que desarma, carinho que surpreende

Afeto que toca, sorriso que encanta

Há braços, abraços…

Quentes, longos, pipoca

Na pontinha dos pés, perfumados

Encolhidinhos no peito, de ladinho

Receosos, no colo, sensuais,

Apertadinhos, ou que não querem largar…

Acompanhados de doces palavras, silenciosos,

Qualquer que seja ele, necessário!

Há braços, abraços

Marcantes, inesquecíveis, saudosos…

Que possamos oferecê-los

Que saibamos recebê-los!

Alda M S Santos

É que um carinho às vezes(sempre) cai bem

É QUE UM CARINHO ÀS VEZES (SEMPRE) CAI BEM!

Tudo pode parecer ruir e o mundo estar nublado

E querermos apenas a nós mesmos num cantinho qualquer

Acreditando que nada irá mudar.

Mas nada, nada mesmo nessa vida

Tem o poder de derrubar qualquer muralha

Furar qualquer blindagem

Enxugar ou amenizar o fluxo de qualquer lágrima,

Reduzir cansaço ou tristeza crônica

Despertar a força interior

Fazer abrir um sorriso,

Que um abraço, um beijo, uma palavra doce, um olhar terno.

Mesmo os mais durões e resistentes sabem e aceitam:

“É que um carinho às vezes (sempre) cai bem!”

Abraços grátis a todos!

Alda M S Santos

Abraços Grátis

ABRAÇOS GRÁTIS

Quem precisa pode até não identificar

Apenas sente falta de algo, um vazio

Mas quando recebe aquele abraço

Carregado de carinho e amor

De energia boa, de doação

Percebe claramente que faltava calor humano

E que pode não resolver tudo

Quase nada, aparentemente

Mas é capaz de ativar a força que está lá dentro

Afogada naquelas lágrimas represadas.

Ou num sorriso escondido atrás dos problemas e correria do dia-a-dia…

Abraço liberta! ❤️

Alda M S Santos

#carinhologos

Quantos?

QUANTOS?

De quantos sorrisos, lágrimas

Abraços, beijos, cuidados,

Ou palavras doces se faz um amor? 

A quantidade não importa, 

O que o torna real e duradouro

É que seja recíproco e prazeroso! 

Alda M S Santos

Dia do Abraço

DIA DO ABRAÇO
Quando pudermos nos perder num abraço
Ou, melhor ainda, nos encontrar num abraço,
Ao outro, a nós mesmos,
Saberemos seu real valor
E não será preciso um dia
Para lembrar de sua importância.
Alda M S Santos

Sorrindo, vivendo

SORRINDO, VIVENDO…

Como a criança que sorri tensa

Ao ser lançada para o alto

E, ao cair, repousando nos braços do pai,

Pede para ser lançada novamente,

Assim vamos vivendo…

No alto, embaixo, sorrindo, tensos,

Mas sempre vencendo os medos,

Sempre buscando confiar,

Sempre tentando nos divertir,

Sempre buscando o amor…

Alda M S Santos

Num abraço tudo se resolve

NUM ABRAÇO TUDO SE RESOLVE
Abraços: muitas vezes tidos como o último recurso
Utilizados apenas quando as palavras foram ineficazes,
Excessivas, insensíveis ou inadequadas,
Acabam por serem subestimados.
Se fossem usados com mais frequência,
Evitariam muitos momentos desgastantes,
Pois quase tudo se resolve
Quando duas almas se tocam
No calor de um abraço sincero.
Alda M S Santos

De que adianta?

DE QUE ADIANTA?
De que adianta uma linda voz
Se quando é preciso, ela se cala?
De que adianta um belo sorriso, se apenas se abre para alguns,
E tantos necessitados são excluídos?
De que adianta tamanha inteligência,
Se não sabe agir ao sabor da emoção?
De que adianta tanta beleza, se não é possível mergulhar mais fundo,
Sob pena de “bater a cabeça” em rasa profundidade?
De que adianta tanta “cultura”,
Se as palavras mais doces não fazem parte de seu vocabulário?
De que adianta braços fortes e ombros largos,
Se não servem de abrigo ou de colo a quem precisa?
De que adianta o amor preso dentro de si,
Se ele é uma flor que precisa do sol
Que existe no outro,
Para crescer, se abrir e encantar?
De que adianta?
Alda M S Santos

Cheiro de Amor

CHEIRO DE AMOR
Olfato cria lembranças marcantes e eternas
Mais que qualquer outro sentido
Cheiro de mãe, cheiro de colo, de casa de vó,
De infância, de escola, de domingo, de Natal,
Cheiro de praia, de roça, de rio, de mata,
De namoro, de amigos, de filhos,
De abraços quentinhos, de cheiro no cangote,
De beijos molhados de chuva, de suor…
De muitos cheiros se faz minha memória.
Um único comum a todos:
Cheiro de amor.
Alda M S Santos

Ser amor

SER AMOR
Ser amor é ser sorriso
Sem desvalorizar as lágrimas
É ser abraço, beijo,
Quando tudo parecer ruir.
É ser estímulo, sem negar o colo.
É ser companhia, participação, interatividade,
Sem negar-se a si mesmo e às suas vontades.
É ser admiração, respeito, confiança, intimidade,
Sem fechar os olhos para os defeitos,
Mas mantê-los bem abertos para o essencial
Que encanta, aquece e amortece qualquer mal
Simplesmente por existir e estar ali.
Alda M S Santos

Por amor

POR AMOR

Morreu por amor… Deu a vida por amor.

Qualquer outro ato por amor pode parecer insignificante perante esse.

Claro, ele veio do Mestre do Amor, ninguém se igualaria, mesmo tendo sido feito à Sua imagem e semelhança.

Mas o que realmente somos capazes de fazer por amor? Sinceramente!

Pelos nossos filhos, pais e até por alguns familiares ou amigos é fácil imaginar.

Poderíamos até chegar ao ponto de dar nossas vidas.

Mas, simplificadamente, no nosso dia-a-dia, o que temos feito por amor?

Tolerância? É um ato de amor! Ah, mas nem sempre conseguimos!

Respeito aos diferentes? Tentamos! Mas eles são tão estranhos!

Atenção? Conversamos com muita gente! Mas algumas pessoas, as que mais precisam, nos metem medo!

Delicadezas? Um simples “bom dia”, ceder o lugar no transporte, aguardar um idoso no caixa eletrônico, pacientemente, dar a preferência no trânsito… Mas temos tanta pressa!

Um sorriso ou um abraço? Sim, bem, seletivamente. Afinal, não é todo mundo que é de confiança!

Disponibilidade? Temos! Para alguns, é claro. Não podemos resolver tudo.

Na maioria das vezes nos calamos ou nos omitimos em situações tão simples e corriqueiras.

São situações simples de amor! E nos fechamos em nosso silêncio e (des)conforto interno.

Quando indagados, respondemos convictos: “Por amor? Ah, por amor sou capaz de tudo!”

Enquanto aguardamos o momento de fazer “tudo” por amor, as oportunidades se esvaem pertinho de nós, todos os momentos…

Vamos lá! Por amor!

Alda M S Santos

Carinhólogos Solidários de BH 

http://www.carinhologos.com

 carinhologos@gmail.com

A arte da comunicação

A ARTE DA COMUNICAÇÃO

Todo ser vivente possui habilidades de comunicação.

Ser capaz de entender, de fazer-se entender.

Variáveis, porém, são os níveis dessa habilidade.

Palavras ditas ou escritas transmitem muito, mas pode haver uma interpretação cruzada.

Expressão corporal é fiel, mas de difícil análise, se não houver certa intimidade.

Olhares falam muito, praticamente tudo, mas numa linguagem que não é qualquer um que sabe ler.

Sorrisos espontâneos dizem tudo, mas há muitos forçados por aí.

Lágrimas passam imagens de dor extrema, nem sempre reais. 

Um toque é um complemento importante de comunicação, ameniza a “força” das palavras ou as complementa. 

Um abraço ou um beijo dispensam quaisquer outros recursos.

No silêncio e intensidade de um abraço ou de um beijo somos capazes de dizer tudo que queremos.

Quanto mais demorados e mais silenciosos, maior a comunicação.

Não são sempre utilizados, pois desnudam o transmissor e receptor.

Não é admissível dizer que não se conhecem, duas pessoas que trocaram entre si um abraço ou um beijo sinceros.

A arte de se comunicar é desenvolvida: palavras, expressões corporais, olhares, sorrisos, lágrimas, toques, beijos e abraços…

Lamentável que muitos tentem disfarçá-las.

Isso torna o mundo mais confuso e triste. 

Alda M S Santos

Quem cuida de mim?

QUEM CUIDA DE MIM?

Quem cuida de mim? 

Há dias em que nos sentimos “abandonados”.

Cercados de pessoas, nos sentimos sós. 

Queremos um abraço daqueles que têm mais que braços, mais que apertos, mais que calor.

Abraços com laços que enlacem nossa alma. 

Abraços que digam “estou aqui para o que der e vier”. 

Nada parece haver que justifique tal abandono.

Mas a sensação é persistente.

Buscamos na mente, no coração, na alma os “abraços” que queremos. 

Uma oração, sempre bem vinda, sempre traz luz.

“Eu estarei contigo todos os dias até o fim dos tempos”! 

Sinto-me abraçada e protegida!

E o dia começa…

Alda M S Santos

Carinho Que Cura

Nunca me canso de observar, admirar, me encantar e aprender com as crianças. Ninguém ensina aos outros melhor que elas. 

Se querem amor, carinho, atenção sabem pedir, sabem doar, sem limites, sem vergonhas, sem pudores! 

Nunca devemos negar ou recusar amor e carinho. A vida precisa, exige, cobra! Seja qual for o ser vivo!

Desde o ventre o bebê se acalma ao receber o contato carinhoso da mãe, a voz que acalenta, a música que tranquiliza. Ao nascermos, só o colo quente e aconchegante do adulto nos consola. 

Se temos dor, fome, frio, qualquer desconforto, nos acalmamos com um abraço.

E vamos crescendo assim. Pedindo, recebendo, doando carinho e amor. Tudo muito naturalmente. 

Em alguma parte do caminho vamos perdendo essa naturalidade, desaprendendo o que nascemos sabendo. Um abraço nos custa, um sorriso “arranca” pedaço, uma palavra doce perde-se no corre-corre diário, beijo só se for preliminar sexual. 

A verdade é que perdemos muito ao nos tornarmos adultos. Sabemos o quanto um ato de carinho nos faz bem, nos cura, nos fortalece e anima, porém, não somos mais crianças. O que os outros vão pensar, não é mesmo? 

Será apenas coincidência as crianças serem mais felizes que nós, que “sabemos tudo”? 

Há tempo ainda! Podemos começar! Já abraçou alguém hoje?

Alda M S Santos 

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: