AUSÊNCIA
Quando a falta evidencia a fartura
O risco iminente da perda
Nos faz olhar com candura
Para o que sequer notávamos
E portanto ainda almejávamos
Seguimos buscando a fé
Lutando com coragem e bravura
Avaliando nossos bens
A saúde que está em xeque
A liberdade de ir e vir cerceada
A doçura de um toque proibida, vigiada
A família que volta a ser nossa morada
A vida que não queremos abandonada
Quando a falta evidencia a fartura
Do que era antes e depois dessa tortura
Do que pode ser durante essa guerra sanitária
Contra um vírus, um maldito pária
É preciso amor, fé e doçura
Temos muito a perder, e isso não é pouco…
Alda M S Santos