Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Categoria

doenças

Só um vírus

SÓ UM VÍRUS

Foi só mais um vírus
Mas foi tão poderoso
Capaz de sacudir a Terra
E acordar todo esse povo

Fez todos ficarem em casa
Uns se rebelaram, brigaram
Outros como anjos abriram as asas
E a muitos acolheram, ajudaram

Foi só mais um vírus, letal
Mas a cada vida perdida
Uma lição era aprendida

Um vírus que veio contrariar
Por as coisas no devido lugar
E ensinar-nos o que valorizar

Alda M S Santos

Quero acreditar

QUERO ACREDITAR

Quero acreditar que tudo vai passar
Que logo vou poder sair, trabalhar
Brincar, passear, abraçar, amar
Ter a “vida” de novo para me ocupar

Mas não quero que volte a ser como antes
Quero que esse medo de tudo perder
Tenha mudado algo dentro de cada ser
Que tenham acordado para o que vale a pena viver

Que aproveitemos a reclusão e introspeção
Para autoanálise, autocrítica e autoavaliação
Que tudo sirva de aprendizado e lição

Que tenhamos sentido a nossa fragilidade
Também a força que brota na necessidade
E a importância da compaixão e solidariedade

Alda M S Santos

Ausência

AUSÊNCIA
Quando a falta evidencia a fartura
O risco iminente da perda
Nos faz olhar com candura
Para o que sequer notávamos
E portanto ainda almejávamos
Seguimos buscando a fé
Lutando com coragem e bravura
Avaliando nossos bens
A saúde que está em xeque
A liberdade de ir e vir cerceada
A doçura de um toque proibida, vigiada
A família que volta a ser nossa morada
A vida que não queremos abandonada
Quando a falta evidencia a fartura
Do que era antes e depois dessa tortura
Do que pode ser durante essa guerra sanitária
Contra um vírus, um maldito pária
É preciso amor, fé e doçura
Temos muito a perder, e isso não é pouco…
Alda M S Santos

Posso te tocar?

POSSO TE TOCAR?
Não posso tocar sua mão
Mas posso juntar as minhas, em oração
Não posso te dar aquele abraço
Mas no pensamento aperto nosso laço
Não posso sua face beijar
Mas de longe posso te imaginar
Não posso ir te visitar pra conversar
Mas posso fazer poema pra te tocar
Não podemos muitas coisas fazer
O amor exige esse cuidado para sobreviver
Mas daqui vai aumentando a saudade
Pra quando tudo isso passar
Podermos num longo abraço nos perder
E, finalmente, agradecer…
Alda M S Santos

Via parenteral

VIA PARENTERAL

Queremos vida leve e saudável

Para os males, cura rápida, focal e indolor

Medicações injetáveis intramusculares ou intravenosas

Rápida absorção e efeito, sem volta, eficácia garantida

Não temos paciência para tratamentos homeopáticos, vida homeopática

Via oral, doses leves, constantes, resultados lentos e demorados

Queremos alopatia na veia, doses cavalares, entorpecentes

Que nos tire a dor, que nos afaste o mal, que nos abra sorrisos

Que nos anestesie de qualquer dissabor, que apague o que machuca com precisão

Sequer nos preocupamos se nos tornamos dependentes

Ou nos matamos com o “veneno” que deveria nos curar…

Alda M S Santos

À beira do abismo

À BEIRA DO ABISMO

Todos podem, por vezes, sentirem-se à beira do abismo

Andando na corda bamba

Sob o fio da navalha

Pisando em ovos…

Qualquer pisada em falso

Um momento de distração

Uma brisa mais forte

E tudo vai para o brejo

Cai-se para o fundo do abismo,

A corda se parte, a navalha corta

Os ovos se quebram…

Nem sempre é adrenalina, quase nunca é divertido

Desgaste que vai cansando,

Levando ao recolhimento, à introspecção,

E tantos caem no escuro da depressão!

Quantos pertinho de nós podem estar assim?

Saberíamos se fôssemos nós a ficar assim?

Alda M S Santos

Remédio ruim é que cura!

REMÉDIO RUIM É QUE CURA!

Remédio ruim é que cura, diziam nossos avós

Numa tentativa meio besta de nos fazer tomar certas poções.

E era cada coisa amarga e intragável,

Quase pior que o próprio mal que visava combater.

Bem ou mal, acabávamos mesmo curados!

Resta saber se pelo malfadado chá ou se pelo tempo transcorrido.

Mas disso tudo ficou uma lição:

Remédio ruim cura, sim!

Desde unha encravada, passando por gripe forte, dor de dente, mau olhado, até dor de cotovelo!

Mas se ele vier acompanhado de uma canja de galinha,

Uma cama quentinha, um cafuné e muitos cuidados de amor,

O convalescente fica pronto pra outra rapidinho!

Alda M S Santos

Sentimentos crônicos

SENTIMENTOS CRÔNICOS?

Nos consultórios médicos, quase sempre há diagnóstico da cronicidade de alguns males:

Doenças autoimunes, cardíacas, digestivas, respiratórias, alergênicas, circulatórias, entre outras.

Muitas doenças são agudas, ou seja, têm um pico de ação dos antígenos.

Nessa fase, os sintomas incomodam mais: dores e desconfortos vários.

Após um tempo ou tratamento com medicamentos, passam.

As doenças crônicas são aquelas que não têm cura, é preciso aprender a conviver com elas.

Há alguns medicamentos ou mudanças de hábitos que podem ajudar nesse convívio.

Porém, os doentes nunca irão se livrar do mal.

Penso que também possuímos alguns sentimentos que são agudos em nós:

Raiva, euforia, paixão, tristeza, decepção, revolta, mágoa, ciúmes…

E, como tal, não podemos permitir que se tornem crônicos. Podem matar!

Sentimentos crônicos são aqueles com os quais não podemos nem devemos deixar de conviver:

Felicidade, compaixão, solidariedade, alteridade, caridade, amizade, amor…

Nem sempre trarão alegrias, nem sempre será fácil.

Podem também causar dor e reações adversas, particularmente o amor, quando não correspondido.

Porém, ainda que fique bem guardadinho dentro de nós, que tenha suas fases agudas e retorne para seu cantinho,

Sempre fará bem, sempre, especialmente a quem o sente.

Alda M S Santos

 

 

 

 

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: