ESTRELA CADENTE

Deitada numa rede na noite quente

Lua a brilhar, soberana, envolvente

Uma brisa suave, um céu de estrelas salpicado

Sons noturnos, pensamentos voam, embaralhados

O céu parece ora tão longe, ora tão perto

Desejo danado de ir até lá, parece tão certo

Estrelas que piscam, atraem, chamam

Encanto constante daqueles que amam

Logo risca o céu uma estrela cadente

Opa! Um pedido torna-se urgente…

Quero um mundo de gente mais gente!

Outra estrela cadente desfila para mim

Que será que ela que dizer assim?

Ame! A vida é linda, mas logo tem um fim…

Alda M S Santos