NASCEU!

Já deixei brotar, já deixei nascer

Já cultivei para crescer, já vi morrer

Mas também já nasceu sem meu querer

Já foi embora, triste, vi desaparecer

Ora é saudade, ora é vontade

Ora é desejo de trazer de volta, sem piedade

Cultivo as lembranças com simplicidade

Para ver se renascem para nossa felicidade

Aparece como nuvens brancas no céu

Ou bem pesadas, verdadeiro véu

Ora são brisa leve, chuvinha fina

Tempestades seguidas de arco-íris, brilhante purpurina

Que aquecem de amor o coração da menina

Assim é a poesia em mim

Rústica, delicada, sofisticada,

Ou firme como marfim

Assim são os poemas, enfim…

Alda M S Santos