DESCULPE-ME

Desculpe-me pelas vezes em que não te ouvi

Por aquelas que fingi nada sentir

Desculpe-me pelas vezes que te fiz sofrer, chorar

E num pranto sentido mergulhar

Desculpe-me pelas vezes em que seu jeito desrespeitei

E fiquei perdida, desesperei

Desculpe-me por tentar fazer de ti o que não és

Para agradar aos outros, em tanto revés

Desculpe-me pelas vezes em que fui tão coração

E te magoei sem razão

Desculpe-me pelas vezes que, afoita,

Não te dei tempo para se recolher, repensar

Desculpe-me pelas vezes em que não vivi

Por medo insano de viver, quase morri

Desculpe-me, meu interior,

O lado mais verdadeiro de mim

Pelas vezes em que fingi não estar a fim

Desculpe-me pelas vezes em que errei

E quase joguei fora a chance de viver, não perdoei

Felizmente, aprendi, enfim

O que sou é o que há de mais belo e real para mim

E, antes de qualquer um, devo a mim mesma perdoar, amar

Até quando for permitido juntas este caminho atravessar…

Desculpe-me!

Alda M S Santos