NOSSOS DESCARTES

Tudo que vivemos, usufruímos

Para o bem ou para o mal

Nos leva a produzir muitos lixos

Lixos físicos, lixos mentais, lixos emocionais

Nossos, dos outros, compartilhados

Muitos são só isso mesmo: lixos

E devem ser descartados, jogados fora

Enterrados, incinerados

Nada podem nos produzir de útil

Apenas entopem, lesam, pesam

Sobrecarregam nosso corpo, mente e alma

E nos fazem estacionar, morrer

Mas há lixos bons, são sucatas, reaproveitáveis, recicláveis

Renovam-se como árvores, a cada estação

São aqueles que nos ensinam a viver mais

Nos estimulam a criatividade

Ajudam a crescer, a evoluir, a amar melhor

O segredo do bem viver

É saber bem separá-los

Não ficar guardando lixos caco de vidro

Que quando menos esperamos machucam, cortam fundo

E jogando fora lixos que dariam uma linda obra de arte

Para enfeitar a galeria de nossas vidas

Vamos aprender?

Alda M S Santos