NO MESMO BARCO

Brasileiros, franceses, espanhóis, americanos

No mesmo barco

Línguas nativas, línguas maternas a misturar-se

Comunicação flui bem

Ora verbal, truncada, ora nos gestos e sorrisos

Monossilábica, mímicas ou mais contextual

Mas a comunicação ocorria…

Talvez até mais que entre línguas “iguais”

Mas de interesses e vontades diferentes

Falar a mesma língua é muito mais que se expressar pelos mesmos vocábulos

Usando o mesmo idioma

É ter desejo real de entender o outro, o que ele “fala”

Até mesmo sem nada dizer

E de se fazer entender…

Falar a mesma língua pode-se fazer até no silêncio, à distância

Aquele que se expressa no amor contido nos sorrisos

No desejo muito humano de ser aceito

E de aceitar o outro, humanamente

Num toque delicado e carinhoso, seja ele qual for

Na linguagem universal que todos entendem:

O sorriso, o amor…

Alda M S Santos