CONTRADIÇÕES OU HIPOCRISIAS?

Nos revoltamos com o “preço” de um jogador de futebol no mercado

Assustamos com o número de crianças e adolescentes dependentes químicos

Criticamos o trabalho das prostitutas e produção de filmes eróticos

Menosprezamos o trabalho daqueles que fazem nu artístico ou expõem seu trabalho

Ficamos abismados com a violência e desconfiança que nos rondam

Com o consumo de itens desnecessários de todo tipo, com a pirataria

Com a espécie de programação das TVs e divulgação nas redes sociais

Reclamamos da liberdade cerceada e prisões com cadeados de ouro a que estamos submetidos

Somos cristãos ou ateus revoltados com religiosos que abusam da fé dos mais ignorantes

Mas não percebemos que alimentamos tudo isso que criticamos

Quando pagamos caros ingressos para ir aos estádios ou por utensílios da indústria futebolística

Quando consumimos de uma forma ou de outra as drogas dessa vida

Ao “curtir” in loco, on line ou impressas as produções artísticas de nus e erotismo

Ao encher cinemas para assistir violências diversas, ao dar audiência para o que “desprezamos”

Ao cercear a liberdade do outro, ao criar “prisões” para manter perto os que amamos, vegetais, animais ou humanos

Ao pagar por dízimos e absurdos religiosos por um “lugar no céu”

É a lei da oferta e procura!

Se existe no mundo, é porque tem público e apreciadores, há combustível

Só se mantém de bom ou ruim, o que é recíproco, é apreciado, alimentado, tem retorno de algum tipo

O quanto, na hipocrisia que sequer percebemos em nós, contribuímos para perpetuar o que tanto criticamos?

Alda M S Santos