ANJOS E DEMÔNIOS

Sempre elegemos em nosso meio nossos anjos, nossos deuses salvadores

E também nossos demônios, nossa perdição

Numa hora é um medicamento milagroso, um alimento que cura tudo

Uma religião que salva ou condena a todos, uma máquina poderosa

Pessoas, comuns como qualquer outra, endeusadas ou endiabradas

E ali botamos nossas vidas, nossas esperanças ou desilusões

O lastimável é que nos baseamos na lei do menor esforço

Aquilo que poderá nos manter vivos e bem sem precisar sair do conforto do sofá

Independente do que estiver sendo destruído conosco ou com os outros para que esse “milagre” aconteça

Sem qualquer dor na consciência, sem atingir a alma

Quantas vezes fomos endeusados ou endemoninhados

Por nós mesmos, pelos outros

Qualquer método de salvação ou condenação

Que desconsidere a importância de nossa real participação é ineficaz

Existem anjos e demônios lá fora, muitos…

Mas os que têm poder de mudar qualquer coisa em nossas vidas

Aqueles que podemos temer ou nos quais depositar nossas esperanças

Moram dentro de nós mesmos

E ora parecem anjos, ora parecem demônios

Dependendo da situação em que se encontrem, em que atuarão

Cabe a nós despertá-los ou adormecê-los

Se quisermos nossa paz interior…

Alda M S Santos