MISÉRIAS HUMANAS

Medo: a maior de todas as misérias humanas

Se bem dosado nos protege, sem medidas nos assombra

Medo de ser assaltado, de adoecer, de ser traído, de perder alguém querido

Medo de não conseguir proteger o amor, a vida, de causar a dor, o mal

Capaz de nos confundir, distorcer fatos, embaralhar memórias, criar incapacidades e fantasmas

Leva-nos a duvidar de nossas forças, de nosso eu, a fantasiar monstros ultra poderosos

Em nome dele acabamos desconfiando de tudo, imaginando e legitimando barbáries

E o pior, fazendo acepção de pessoas, excluindo o diferente de nós que nos enriqueceria

Desacreditamos do poder do amor puro, universal, fraterno, do perdão

Vemos Deus sob a nossa ótica humana limitada, medrosa, culpada e distorcida

Aquele que julga e castiga cruelmente nossas falhas, nossos erros

O medo que venda nossos olhos, que nos paralisa, impede de ver toda a natureza do entorno, nossa natureza, é uma armadilha atroz

É extremamente negativo, afasta-nos do melhor de nós:

Nossa capacidade de confiar e amar, de recomeçar com esperança

Essa é a face contraditória do amor

O medo de sermos dele privados nos distancia bastante de sua essência gratuita, incondicional

O medo de perder, de ser julgado e condenado, nos condena por antecipação

Nos afasta de Deus, do amor…

E, lamentavelmente, isso já é a própria condenação!

Alda M S Santos