FAMINTOS

Eis que estou a sua porta e bato

Se você abrir, entrarei e cearemos juntos…

Eu sou aquele que te faço falta, sou seu vazio

Por vezes, sou seus excessos

Posso ser sua alegria ou sua tristeza

Depende se saberá me ouvir, me notar

Eu sou aquele por quem você clama…

Todos os dias bato a sua porta

Nem sempre visto o melhor traje

Minha aparência externa é variável, muitas vezes

A interna tem mais brilho e calor

Posso ser sua felicidade, te completar

Mas precisa me aceitar, aceitar-se perante mim

Se você me perceber, me ouvir, posso entrar

Cearei contigo e você comigo

E nossa fome de toda espécie será saciada,

Eu sou aquele que você busca e não ouve

Que precisa e nem sempre enxerga

Eu sou o Amor!

Alda M S Santos