AI QUE VONTADE LOUCA!

Ai que vontade louca de não sei bem o quê!

Quem sabe entrar num barco qualquer,

Lançar uma mochila dentro

Sentar e remar, remar, remar…

Bem devagar, deixando para trás o burburinho

Até ter somente água por todos os lados,

Parar, recolher remos, tirar a roupa, deitar e apreciar:

O céu de azul intenso, o sol queimando a pele

As nuvens apostando corrida entre si

Insetos barulhentos que não chegam a incomodar

Acompanhar o voo das gaivotas,

Ver os peixes nadando ao redor,

Avaliando os intrusos em seu espaço

Ouvir todos os barulhos do silêncio,

Conectar o silêncio barulhento dentro de mim

Encantar-me com toda a beleza do “nada”

Sentir o toque profundo, delicado, gostoso,

 Das quentes e úmidas mãos da natureza

E me extasiar…

Alda M S Santos

Foto Andreza Cristina Silva