FELICIDADE
Ela chega,  convida, pega pela mão
Outras vezes exige, insiste,  obriga
Mas ainda assim a gente insiste na contramão
Ora arrasta pelos pés, conquista o coração
Carrega no colo, dá uma carona
Ainda assim ficamos cheios de senão
Muitas vezes a felicidade até arromba o portão
Entra, senta, dança no salão
Até nos chama de meu amigão
E a gente ignora em dúvida, na indecisão
Fixamos o olhar comprido no impossível,  em vão
A vida faz até muito, mas não nos leva sem autorização
É preciso que  a gente queria ir…
Alda M S Santos