PINGUELA

Quem tem medo de atravessar a pinguela?
Não há outro modo de chegar do outro lado
O jeito é atravessar essa instável passarela
Balançando para lá e para cá
Sentindo-se flutuar, a cabeça a girar
Lá vem ela querendo passar
Mas a coragem é pouca, não dá
A mão sua, coração palpita, mente aflita
Olha para frente,  para trás
Fica com a tez pálida, amarela
Tão longa e estreita é essa pinguela
Quase trava no mesmo lugar
Sua frio, olha o rio corrente lá embaixo
Os outros dizem “não pode olhar para baixo”
Não adianta, lembra da avó que nunca passou numa pinguela
Entende a situação da avó, faziam pouco dela
Deixa pra lá… há outras passarelas para desfilar
E quem não souber entender ou esperar
Que volte para o lado de cá
Ou que vá sozinho para o lado de lá
Cair dali ou empacar é que não dá…

Alda M S Santos