O ABISMO

A música tocava, ela seguia

Na estrada longa e vazia

Vez ou outra um carro surgia

E sumia…ela seguia

Pra onde não sabia, apenas ia…

O céu de intenso azul reluzia

Ela olhava, admirava, e a lágrima escorria

Que era aquilo lá longe na via

Algo naquele lugar a atraía

E, então, mais rápido ela seguia

Cansada, parou à margem de um abismo

Ele lá estava, muita agonia

Olhava lá para baixo, tão distante, intensa magia

Um medo estranho ela sentia

Ali ficou sentada, balançando os pés, nada resolvia

Sentindo o peso que o abatia

Olharam-se, um tácito acordo surgia

Por fim, olhou de novo para o sol que se punha no horizonte

Amanhã de novo ele nasceria

Então, decidiram-se: como o sol eles seriam

Todas as noites adormeceriam

Mas na manhã seguinte sempre acordariam

Dispostos a brilhar por mais um dia

E o abismo para trás deixariam…

Alda M S Santos