ESCONDE-ESCONDE

1,2,3,4….20!

Lá vou eu, quem escondeu, escondeu…

Tão divertida brincadeira de criança

Já não tem mais tanta graça assim

Não temos paciência para nada procurar

Sequer sabemos por onde começar

Quando sabemos, não queremos perder tempo

Optamos pelo mais fácil, à mão, debaixo do nosso nariz

Perdemos o prazer da brincadeira

O encanto da descoberta, da partilha

A alegria de brincar coletivamente…

Mas continuamos a nos esconder

Escondemos sentimentos, desejos, angústias

Escondemos o que somos de verdade

Escondemos dores e mágoas

Escondemos até amor e alegrias

Por medo de compartilhar e perder

Escondemos nosso verdadeiro eu

Tantas vezes até de nós mesmos

Para viver bem num mundo de hipocrisias

Assim, abrimos mão da saúde física e mental …

Saudade do tempo das brincadeiras de esconde-esconde

Aquelas em que um podia salvar a todos

Aquelas em que os maiores danos eram joelhos esfolados

E no outro dia tudo estava bem…

Alda M S Santos