Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

criança

Eu te diria

EU TE DIRIA

Olho para você e sinto saudade
Não é que aqui não seja um bom lugar
Apenas sua inocência e expectativa de felicidade
Me fazem nostálgica e levam-me a divagar

Olho para você e sinto arrependimentos
Pela coragem que não tive em alguns momentos
Ou pelos atropelos decorrentes do excesso de ousadia
Que nem sempre me trouxeram sabedoria

Olho para você e sinto orgulho
Apesar de tantas quedas e espinhos
Não nos perdemos uma da outra nos pedregulhos
Você e eu sempre traçamos juntas nossos caminhos

Olho para você e sinto alegria
Mas se pudesse, uma coisa eu te diria
Desculpe por algumas vezes ter te deixado para trás
Se tivesse deixado você agir mais
Tudo estaria mais em paz…

Olho para você, a criança que fui um dia
E sei que poderia muitas coisas te dizer
Mas é desnecessário, você me entende, há sintonia
Estivemos juntas ao nascer, no viver
E assim estaremos até morrer…

Alda M S Santos

É bom ser criança

É BOM SER CRIANÇA

Resgatar a criança que habita nos recônditos de nossa mente

Que nos faz desatar as amarras do viver

Escapar do tédio, fazer umas boas estripulias

E dos problemas esquecer…

Chamá-la quando estivermos feridos, não mais nos joelhos

E quisermos ser curados com carinho, com beijinho

Pular no colo de um alguém

Em busca do conforto que faz tão bem…

Sorrir muito, por qualquer coisa, sem rodeio

Ser aberto a todos, à amizade, ao amor

Chorar quando tiver vontade, sem receio

E quando não quiser,ou não gostar, dizer: não, por favor!

Brincar, brincar e brincar

Correr, pular, dançar, o rosto pintar

Essa regra sempre levar

E nunca, nunca se esquecer de confiar, de amar…

E se a vida não for tão boa hoje

Voltar para dentro, ir dormir

Certos que amanhã é outro dia, a aurora vai surgir

Nosso sol vai raiar, brilhar

E nova brincadeira iremos começar…

É bom ser criança todos os momentos…

Alda M S Santos

Vá!

VÁ!

Vá! Não pare!

Crie em você um recanto de brincadeira e magia

Onde todos possam encontrar a criança perdida, a alegria

Vá! Não pare!

Conserve em você um colo amigo, acolhedor

Onde todos possam enxugar as lágrimas, esquecer a dor

Vá! Não pare!

Desperte em você uma alma caridosa, que se doa, que sorri, que abraça

Onde todos possam ter esperança e sentir que todo mal passa

Vá! Não pare!

Deixe refletir o amor e bondade em cada ato seu

Onde todos possam ver ali o carinho e cuidado de Deus!

Vá! Não pare!

Um mundo melhor começa em você, em cada um de nós!

Alda M S Santos

Esconde-esconde

ESCONDE-ESCONDE

1,2,3,4….20!

Lá vou eu, quem escondeu, escondeu…

Tão divertida brincadeira de criança

Já não tem mais tanta graça assim

Não temos paciência para nada procurar

Sequer sabemos por onde começar

Quando sabemos, não queremos perder tempo

Optamos pelo mais fácil, à mão, debaixo do nosso nariz

Perdemos o prazer da brincadeira

O encanto da descoberta, da partilha

A alegria de brincar coletivamente…

Mas continuamos a nos esconder

Escondemos sentimentos, desejos, angústias

Escondemos o que somos de verdade

Escondemos dores e mágoas

Escondemos até amor e alegrias

Por medo de compartilhar e perder

Escondemos nosso verdadeiro eu

Tantas vezes até de nós mesmos

Para viver bem num mundo de hipocrisias

Assim, abrimos mão da saúde física e mental …

Saudade do tempo das brincadeiras de esconde-esconde

Aquelas em que um podia salvar a todos

Aquelas em que os maiores danos eram joelhos esfolados

E no outro dia tudo estava bem…

Alda M S Santos

Feito menina

FEITO MENINA

Feito criança pequenina quero receber a vida

Acolher com prazer o amanhecer que ela me oferece

Como menina, abrir os grandes olhos brilhantes e sorrir

Não me importar com os cabelos ou a vida bagunçados

Andar descalça, correr na grama, cair, esfolar os joelhos

Aceitar os cuidados que me forem ofertados

Desembrulhar o dia como um grande presente

Aproveitar o sol e quintal lá fora para brincar

Sentir o frio na barriga do calor de viver

Feito menina quero curtir cada minuto que tiver

Sabendo que o entardecer chega, o anoitecer idem

Mas ser leve, sem preocupações excessivas

Chorar quando sentir vontade

Mas nunca deixar de sorrir, de sonhar, de acreditar

Confiante que novo amanhecer chegará

E tudo se repetirá, ou não, (in)finitamente

Mas que ele sempre será bom como tem que ser

E, feito menina, confiar e balançar ao sabor da vida…

Alda M S Santos

Brincar para ser feliz

BRINCAR PARA SER FELIZ
Uma menina corre descalça, sapeca
Um rabo de cavalo, um sorriso no rosto
Um balanço, um quintal e um amiguinho
Igualmente descalço, levado a lhe puxar o rabo de cavalo…
Não é preciso muito para ser feliz
Criança brinca e, brincando,
Resolve seus pequenos conflitos
Torna a vida leve, a brisa suave
E se a corda arrebentar, esparrama no chão, machuca
Chora, limpa as lágrimas, ganha um beijinho na ferida
E volta a balançar, a vida segue…
Constrói e desconstrói o que é necessário para continuar brincando
Quando foi que complicamos tanto?
Os problemas mudam, é verdade, aumentam
Mas nós mudamos primeiro, “crescemos”…
Passamos a engolir lágrimas e sapos
Desaprendemos o poder de saber brincar?
Urge reaprender a brincar para ser feliz
Para não enlouquecer…
E não brincar de que se é feliz!
Alda M S Santos
Mais no meu blog http://www.vidaintensavida.wordpress.com

Quando eu crescer

QUANDO EU CRESCER

– Por que você está chorando?

– Porque está doendo!

– Se chorar para de doer?

A garotinha parou um pouco o choro, pensou e disse:

-Não! Mas se não chorar dói mais…

E voltou a chorar

E ele a abraçou…

Assim, duas crianças de idades diferentes debatiam depois do tombo.

E, na sabedoria infantil, esclareciam as dores e curas.

Chorar pode não melhorar a dor ou curar o mal no momento

Mas não sobrecarrega a emoção de lágrimas represadas

E deixa a ferida livre para cicatrização

No tempo certo, sem maiores riscos de infecções…

Crescemos e desaprendemos de como curar um joelho ralado

E ainda temos a pretensão de curar uma emoção abalada

Engolindo o choro e fingindo que ela não existe…

Quando crescer quero ser criança

Sem medo de subir em árvores, balançar nas gangorras

E sorrir ou chorar quando for preciso…

Alda M S Santos

Adulto-criança

ADULTO-CRIANÇA

Ser criança é gostar de ouvir a mesma história inúmeras vezes

É repeti-la com as mesmas palavras, no mesmo tom

É se encantar com cada sonho bom

Fadas, princesas, príncipes, bruxas e reinados

É o bem sempre vencer, o amor prevalecer…

Ser adulto é querer também reviver histórias, recontá-las

Mas descobrir que é necessário também apagar algumas delas

Ou deixá-las guardadinhas em nossas estantes interiores

Saber que príncipes e princesas são as pessoas reais

Não num reinado, mas na vida recheada de realidades

Ser um adulto/criança é fazer de nossa realidade um sonho bom

E de nossos sonhos uma esperança…

E quando a pressão for demais buscar uma história bonita em nossos arquivos e reviver

Como as crianças: “de novo”!

Fazer do nosso um reino sempre encantado!

Desejos de uma vida de realidades sonhadas e repetidas a todas as almas crianças do mundo…

Alda M S Santos

Não sabemos amar!

NÃO SABEMOS AMAR!

Evoluímos tanto em milênios de existência, alcançamos o espaço sideral

Criamos e desvelamos recursos tecnológicos que podem muito nossas vidas facilitar

Viajamos pelo corpo humano, descobrindo cura para quase todo tipo de mal

Mas na arte de amar ainda estamos a engatinhar

O que ainda não desvendamos, não compreendemos, que ainda nos mata e poderia nos salvar

É saber e aceitar que amar não é sofrer, medrar, julgar, vigiar, desconfiar, cobrar, apossar

O que nos falta é não “evoluir”, não crescer, não desaprender a sabedoria inata e infantil de amar

Aquela que vimos em Jesus, que toda criança sabe: amar é respeitar, perdoar, se doar, confiar, se entregar…

Não sabemos amar!

Nós, adultos, precisamos ser crianças, na alma e no coração

Se quisermos viver o amor em sua plenitude, sem tanta razão…

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: