E A VIDA ACONTECE…

Uns deixam ir tão facilmente quanto deixaram chegar

Esquecem na mesma medida em que foram capazes de lembrar

Sofrem por pouco tempo, descartam tudo que venha para doer

Vivem na mesma proporção em que deixam viver

Preferem cultivar o momento à nostalgia de uma saudade

Muitas vezes têm seu jeito displicente confundido com maldade

Pode ser apenas uma maneira de se cuidar, de se autoproteger

Lições que com a vida e seus tropeços aprendeu aos poucos conviver

Outros, têm dificuldade de abrir mão, deixar ir, são intensos

Também incompreendidos, apontados como moles, são densos

Sofrem mais de saudades, de tristezas, de ausências

Que não se aliviam com razão, consolo, alertas, avisos ou advertências

E a vida se constrói no silêncio de cada coração …

Alda M S Santos