Só por hoje gostaria de sentir o amor Dele. Poder vê-Lo, falar com Ele, tocá-Lo, sentir Seu amor infinito. Só por hoje, queria sentar-me em Seu colo como criança que esfolou o joelho e chora, sentir Suas mãos em meus cabelos suavemente. Só por hoje, ouvir Sua voz calma e sábia dizendo que amor não é pra doer, que trabalho não é tudo, que família se desentende mesmo, que aquele exame não será nada, que os anos chegam para quem merece. Só por hoje, queria que Ele caminhasse ao meu lado, acertasse o passo comigo, me desviasse das trilhas sem saída, das pedras que machucam, pois tenho chorado a toa. Só por hoje, dar-me as mãos, olhar-me nos olhos e saber tudo que sinto, dizer-me que quem ama também erra, que os filhos são pro mundo, que a saudade deve ser doce. Só por hoje receber um abraço bem longo e apertado que afastasse tudo que dói ou machuca da mente e do coração.

Não que eu não saiba de tudo isso, mas é que sou frágil e preciso ser lembrada.

Se não for possível Ele vir pessoalmente, que me faça percebê-Lo, num bom dia sorridente de um colega, no beijo de “vá com Deus” dos meus pais, na palavra doce daquele amigo que insiste em ajudar, no abraço gratuito de uma criança, até nas brigas familiares, eu possa perceber Seu amor.

Que O veja naquele pedinte na rua, nas flores que desabrocham, no cachorro que me recebe feliz, na chuva fina que cai, no cobertor que me aquece, no sol que nasce todos os dias e me  permite recomeçar.

Se não for pedir muito, que eu possa dizer “só por hoje” todos os dias de minha vida.

Só por hoje.

Alda M S Santos