Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

solidão

A cor da solidão

A COR DA SOLIDÃO

Solidão tem cor, tem cheiro, sabor
Solidão tem até som, talvez de cachoeira
E não é sempre cinza, pode até ser prata
Tampouco é silêncio total, às vezes é musical

A solidão tem a cor que a gente pinta
O cheiro que a gente guarda
O som que toca dentro da gente
Solidão é estado de espera

Solidão pode até ser barulhenta
Tocar uma música suave
Pode ter cheiro de saudade
E ser da cor verde ou magenta

Solidão é a vida que não desistiu
Que não quer mais tanta gente
Fica com quem quis, persistiu
Que resolveu morar mais dentro da gente…

A cor da solidão é a cor que nosso amor-próprio pinta…

Alda M S Santos

Solidão

SOLIDÃO

Não dá pra viver bem sozinho
Sempre iremos querer alguém
Que preencha bem nosso ninho
Que nos cuide com atenção e carinho

Não dá pra viver na solidão
Ela pode até fazer bem para reflexão
Mas não pode durar muito, não
Precisamos de alguém que ocupe o coração

Forte ou frágil não faz diferença
Todo ser humano precisa de gente
Que o faça melhor, menos carente

O corpo pede, a mente solicita
O olhar implora, o coração grita
Um abraço é tudo que precisamos

Alda M S Santos

Não estamos sozinhos

NÃO ESTAMOS SOZINHOS
Somos humanos cercados por outros humanos
Numa casa rodeada por outras casas
Numa cidade fronteiriça de outra cidade
Dentro de uma nação que se avizinha de outras nações
Habitantes do planeta Terra, ao lado de outros planetas e astros
Membros de uma galáxia gigantesca
Não estamos sozinhos!
Mesmo quando não nos sentimos mais que pequeninos grãos de areia
E parecemos estar muito sós, não estamos
Em nossa mais intensa introspecção temos a nós mesmos
E quando encontramos a nós mesmos
Somos capazes de identificar o outro tão perto de nós
E estender a mão, pegar uma mão…
Alda M S Santos

Solidão

SOLIDÃO
Pediram para falar da solidão
Particularmente na noite de Natal
Mas não tem como falar de vazios
Sem falar de preenchimento
Falar de ausências, sem falar de presenças
É preciso falar do que houve
Das possibilidades de reencontro
Falar de amor, de saudade
Falar da experiência boa que é ter a si mesmo
Num mundo com tanta desigualdade
Do amor pela vida, tão controvertida, às vezes
Falar da perda, mas sobretudo de gratidão
Pelo tempo que pôde desfrutar do amor
Do calor e do colo de um alguém
Falar de compaixão pelo irmão
Do abraço que quer levar a cada coração
Falar de amor fraterno, amor caridade
Do amor ágape, soberano, indispensável
Mas também falar de amor paixão
Que aquece toda e qualquer alma de emoção
Falar da simplicidade do nascimento do Criador
O que não impediu de ser o Rei dos Reis
Falar do que Ele nos ensinou
Amar a Deus sobre todas as coisas
E ao nosso próximo como a nós mesmos
Mas, principalmente, falar do milagre da vida
Que merece ser vivida e encarada como o maior presente
Que cada passo dado aqui é degrau na evolução
Que devemos seguir com animação
Preenchendo aquela que quase sempre
Acomete a todos vez ou outra: a solidão
Até o dia de voltar para casa…
Alda M S Santos

Dona Helena

DONA HELENA
Dona Helena é uma senhora mineira de 80 anos que ressignificou a sua solidão.
Mora sozinha em sua casinha em São Gonçalo do Rio das Pedras, distrito de Serro, MG, onde montou um lindo presépio que fica ali o ano inteiro.
Quase nunca saiu da cidade, construiu ali sua vida, sua história.
Esse presépio atrai visitantes, muitos visitantes, e ela conta histórias, muitas histórias.
“Conversar é muito bom né, menina”?
Dona Helena é exímia comunicadora e contadora de casos.
“Menino Jesus é poderoso, né? Fica aí o ano inteiro e olha por nós”.
“Gosto mesmo é de conversar e Ele traz tanta gente para cá, como trouxe vocês”.
Lamentou que estava sob as ordens da vigilância de saúde por causa “dessa doença aí”, e que fazia tempo que seu presépio estava fechado.
Não pudemos entrar e ver seu presépio por causa da pandemia, mas o tempo que conversamos com ela foi rico.
Falava de todos que iam visitar o presépio e entravam sempre, conversavam, ocupavam seu tempo, gostavam de ouvir seus casos.
Noutros tempos, até cartas para os outros que “não conheciam as letras” ela escrevia.
Nunca recusava a atender ninguém.
Enquanto conversávamos na porta de sua linda e simples casinha, todos que passavam a cumprimentavam e ela respondia com carinho.
Ficou feliz que eu quis tirar uma foto com ela, ia me tocar, mas evitei expô-la. Ela disse que não tem medo, pois “Deus sabe a hora de  cada um”.
Uma senhora que com toda sua simplicidade ensina a viver e ser feliz…
Obrigada pelo carinho e do convite para voltarmos, Dona Helena!
Alda M S Santos

Quem cuida de mim?

QUEM CUIDA DE MIM?
Quem cuida de mim?
Há dias em que nos sentimos “abandonados”.
Cercados de pessoas, nos sentimos sós.
Queremos um abraço daqueles que têm mais que braços, mais que apertos, mais que calor.
Abraços com laços que enlacem nossa alma.
Abraços que digam “estou aqui para o que der e vier”.
Nada parece haver que justifique tal abandono.
Mas a sensação é persistente.
Buscamos na mente, no coração, na alma os “abraços” que queremos.
Uma oração, sempre bem vinda, sempre traz luz.
“Eu estarei contigo todos os dias até o fim
dos tempos”!
Sinto-me abraçada e protegida!
E o dia começa…
Alda M S Santos

Solidão

SOLIDÃO
Solidão não é ausência do outro ao seu lado
Pessoas vão e vêm todo o tempo
Solidão é não encontrar-se consigo mesmo
Quando mais precisa de si
É buscar-se nas batidas frágeis de seu coração
Na infinitude da grandeza de sua alma
E não se ver, não se achar
Encontrar apenas escombros
Solidão mais doída não é ausência de pessoas
Solidão dolorosa mesmo é ausência de si mesmo
Porque a partir do momento que nos encontramos
Nos enxergamos e nos resgatamos
De nossos próprios escombros
É que passamos a enxergar quem está perto
E não notávamos, sequer percebíamos a presença
Para enxergar e valorizar a presença do outro
É preciso vermos a nós mesmos primeiro
Aí a solidão será escolha
E apenas um momento de paz…
Alda M S Santos

A cor da solidão

A COR DA SOLIDÃO

Solidão tem cor, tem cheiro, sabor
Solidão tem até som, talvez de cachoeira
E não é sempre cinza, pode até ser prata
Tampouco é silêncio total, às vezes é musical

A solidão tem a cor que a gente pinta
O cheiro que a gente guarda
O som que toca dentro da gente
Solidão é estado de espera

Solidão pode até ser barulhenta
Tocar uma música suave
Pode ter cheiro de saudade
E ser da cor verde ou magenta

Solidão é a vida que não desistiu
Que não quer mais tanta gente
Fica com quem quis, persistiu
Que resolveu morar mais dentro da gente…

A cor da solidão é a cor que nosso amor-próprio pinta…

Alda M S Santos

Solidão

SOLIDÃO

Não dá pra viver bem sozinho
Sempre iremos querer alguém
Que preencha bem nosso ninho
Que nos cuide com atenção e carinho

Não dá pra viver na solidão
Ela pode até fazer bem para reflexão
Mas não pode durar muito, não
Precisamos de alguém que ocupe o coração

Forte ou frágil não faz diferença
Todo ser humano precisa de gente
Que o faça melhor, menos carente

O corpo pede, a mente solicita
O olhar implora, o coração grita
Um abraço é tudo que precisamos

Alda M S Santos

O silêncio

O SILÊNCIO

Nada diz mais que um bom silêncio

Aquele que sentamos conosco e nos passamos a limpo

Boas perguntas, respostas sinceras

Sem medo de sermos devorados por famintas “panteras”

Um auto divã, real, sem expectativas vãs

Quem sou, o que gosto, o que me incomoda

Porque me deixo girar nessa roda

Que aceito, o que permito, o que me deixa aflito

Quem amo, quem tolero, quem evito

O que me mantém por aqui, ativo, cativo

Silêncio lá fora, barulho cá dentro

Ele muito diz para quem se dispõe a ouvir

Ou para quem não tem com quem falar, para onde ir

Silêncio, conhecido também como solidão

Pode ser um grande amigo nesse mundo nem sempre irmão…

Alda M S Santos

Solidão

SOLIDÃO

Solidão não é ausência do outro ao seu lado

Pessoas vão e vêm todo o tempo

Solidão é não encontrar-se consigo mesmo

Quando mais precisa de si

É buscar-se nas batidas frágeis de seu coração

Na infinitude da grandeza de sua alma

E não se ver, não se achar

Encontrar apenas escombros

Solidão mais doída não é ausência de pessoas

Solidão dolorosa mesmo é ausência de si mesmo

Porque a partir do momento que nos encontramos

Nos enxergamos e nos resgatamos

De nossos próprios escombros

É que passamos a enxergar quem está perto

E não notávamos, sequer percebíamos a presença

Para enxergar e valorizar a presença do outro

É preciso vermos a nós mesmos primeiro

Aí a solidão será escolha

E apenas um momento de paz…

Alda M S Santos

A cor da solidão

A COR DA SOLIDÃO

Solidão tem cor, tem cheiro, sabor

Solidão tem até som, talvez de cachoeira

E não é sempre cinza, pode até ser prata

Tampouco é silêncio total, às vezes é musical

A solidão tem a cor que a gente pinta

O cheiro que a gente guarda

O som que toca dentro da gente

Solidão é estado de espera

Solidão pode até ser barulhenta

Tocar uma música suave

Pode ter cheiro de saudade

E ser da cor verde ou magenta

Solidão é a vida que não desistiu

Que não quer mais tanta gente

Fica com quem quis, persistiu

Que resolveu morar mais dentro da gente…

A cor da solidão é a cor que nosso amor-próprio pinta…

Alda M S Santos

Na multidão

NA MULTIDÃO

Na multidão procura-se amenizar a solidão

Mas na multidão aumenta-se ainda mais essa sensação

Se com alguém dali não houver uma conexão

E enquanto não se perde essa ilusão

De que muita gente não é para ela a solução

A solidão continuará a apertar o coração…

Solidão é estado interior

É desarmonia entre tanta gente dentro da gente

Com tanta gente do lado de fora

É alma desgrudada do corpo

Mal que não se resolve no exterior

Um sintoma que é falha na sintonia interna

Ou ausência de um amor:

O próprio!

É preciso reconectar-se!

Alda M S Santos

Quando apreciamos a solidão

QUANDO APRECIAMOS A SOLIDÃO

Um longo caminho a se percorrer

Como seres sociais que somos, sempre buscando companhia

Até gostar verdadeiramente da solidão

Não de estar só, pois isso nunca iremos gostar

Mas de estarmos conosco mesmos e apreciar isso

Não na fuga para um filme, um livro, um jogo

Mas bater um papo com nosso ser de ontem, de anteontem

Colocá-los frente a frente com o eu de hoje

Sem desviar os olhos no espelho, com vergonhas escancaradas e encaradas

Fazer as pazes com nossas escolhas, erros e acertos

Uma troca de autocompreensão e perdão

Para podermos nos ver amanhã, no futuro

Sem medos, ansiedades ou arrependimentos

Na certeza que demos nosso melhor como ser humano

E essa consciência só é possível na solidão, no autoconhecimento

Quando nos sentamos com a criança, o jovem e adulto que fomos, e somos

Pois todas elas ainda estão em nós

Só assim estaremos aptos a ter boas companhias…

Alda M S Santos

Que sejamos praia

QUE SEJAMOS PRAIA

Um grão de areia sozinho fica perdido

Levado pelo vento forte ou arrastado pelas águas

Sequer é visto ou notado

A não ser que esteja entre nossos dedos no sapato, incomodando

Ou que o vento o leve para nossos olhos, irritando

Um grão de areia sozinho desconhece seu poder

Sua capacidade de construção, beleza e importância

Um grão de areia para cumprir sua missão, valorizar-se

Precisa se juntar a outros grãos de areia

Um grão de areia não deixa de ser um grão de areia por estar sozinho

Mas só pode ser casa, lar ou praia

Quando se juntar a outros tantos grãos de areia

Aí entenderá seu propósito por aqui

Humanos sozinhos são grãos de areia

Humanos juntos são praia

E muitas praias formam a linda, complexa e controversa humanidade

Capaz de ser, ao mesmo tempo, construtiva ou autodestrutiva

Que possamos ser praia linda, encantadora e acolhedora…

Alda M S Santos

Enquanto isso…

ENQUANTO ISSO…

Enquanto a humanidade busca suas companhias

Enquanto seleciona o amor, a família, as amizades e afinidades

Enquanto conserva, mantém ou destrói relações

Focando demasiadamente em físicos padrão, em corpos jovens, bonitos e desejáveis

O que encontramos quase sempre

São corpos sarados e (des) acompanhados

Mentes tantas vezes doentes e solitárias

Almas abandonadas e tristes

Em seres humanos tantas vezes infelizes

Que não se sentem bem consigo mesmos, que roubam o bem estar de outros

Incapazes de ser ou de fazer alguém feliz

Sem chão, perdidos…

A humanidade precisa se reencontrar…

Alda M S Santos

Sozinhos

SOZINHOS

Medo inexplicável e insondável todos temos da solidão

Já que em momentos cruciais do existir estamos sós

Viemos para esse mundo, abrimos os olhos, vemos a luz, choramos …

Por mais gente que esteja ao nosso redor nesse momento

Chegamos sós…

E passamos a vida em busca de companhia, de afinidades

De um modo de afastar a solidão…

Será que temos a consciência que o momento da solidão voltará

Que será difícil, doloroso?

E que ter alguém ao longo do caminho poderia amenizar isso?

Na hora de partir, de voltar para o lugar de onde viemos

No momento em que fecharemos os olhos para esse mundo

Teremos apenas a solidão de companheira, iremos sós

Voltaremos também sozinhos

Para um lugar que mesmo imaginado, até sonhado

É, ainda assim, desconhecido…

Quanto mais amigos ficarmos dessa companheira, a solidão

Menos sozinhos estaremos…

Ser amigo da solidão, é não perder-se de si mesmo…

Alda M S Santos

Pode parecer

PODE PARECER

Pode parecer abandono, solidão, preguiça

Mas também pode ser opção, escolha, prazer em estar consigo mesmo

Pode parecer inquietude, ansiedade, impaciência

Mas também pode ser excesso de energia, vontade de cuidar do próprio coração

Usando o caminho que passa pelo coração do outro

Pode parecer tristeza, angústia, depressão, vazio

Mas também pode ser introspecção, reflexão, sabedoria, preenchimento

Pode parecer raiva, revolta, rebeldia

Mas também pode ser desânimo e repúdio com tudo que é falso

Pode parecer teimosia, falta de inteligência, obstinação, birra

Mas também pode ser persistência de alguém que não desiste

Pode parecer fuga, abandono, frivolidade, infantilidade

Mas também pode ser maturidade, carinho e proteção

Pode parecer medo, covardia, maldade

Mas também pode ser amor que, sábio, preserva a vida

Pode parecer sorriso, alegria, felicidade a toda prova

Mas também pode ser gratidão, fé na vida e Naquele que a criou

Em qualquer circunstância

Sempre…

Pode ser…

O que é, de verdade, só quem vive é capaz de dizer…

Alda M S Santos

Descartável

DESCARTÁVEL

Usou, sujou, não serve mais

Descarte!

Enguiçou, travou, deu defeito

Descarte!

Enferrujou, quebrou, queimou

Descarte!

Perdeu a utilidade, ficou velho, não agradou

Descarte!

Vai dar trabalho, “perder” tempo, cansar

Descarte! Compre um novo! Substitua!

“Coisa velha ou estragada não compensa arrumar”

É o raciocínio reinante na era descartável

Não importa se são coisas, objetos ou seres inanimados

Pessoas, sentimentos ou relações

Nada se conserta, tudo se descarta, substitui-se

E com tanto descarte por aí

Não há espaço nem para o “velho” e nem para o “novo”

Tudo é jogado fora!

Só que na perspectiva da vida, da alma, não há fora

Tudo está dentro de nós!

As peças estão todas lá: fusíveis, porcas ou arruelas

E todas as ferramentas necessárias para construção do “novo”

A partir do conserto do “defeituoso”:

Chaves de fenda, martelos e alicates

Amor, disposição, fé e coragem …

Não adianta usarmos nada novo, objetos ou pessoas

Iremos danificá-los e torná-los inúteis logo, logo

Se nós mesmos não nos consertarmos, continuarmos velhos e defeituosos…

Alda M S Santos

Solidão

SOLIDÃO

Solidão não é ausência de companhia

Solidão é ausência de conexão entre os próprios pensamentos e sentimentos

Ou presença de uma conexão tão ímpar que exclua qualquer outra pessoa além de si mesmo

Solidão não se terceiriza, não é responsabilidade do outro solucioná-la

Solidão só tem solução no interior de nossa alma

Assim, o outro pode entrar e ficar…

Alda M S Santos

Muitas maneiras de estar sozinho

MUITAS MANEIRAS DE ESTAR SOZINHO

Um dos grandes temores de todos nós: a solidão

Tantas são as maneiras de se estar só

Cercados de gente, numa festa ou num bar

No trabalho, na academia, no lar ou na igreja

Pode-se estar mais só que sozinho no quarto,

No alto de uma montanha, num hospital, numa casa de repouso ou numa praia deserta

Solidão é estado interior, é negação da própria presença

Se dentro estiver vazio ou mal preenchido

Se não houver amor próprio e boas lembranças

Consciência limpa e fé no caminhar, no porvir

Podemos nos cercar de tudo e de todos

Que a sensação de solidão persistirá

Antes de buscar superar a solidão com companhias

Transferir para o outro a responsabilidade de nos preencher, que é nossa

Precisamos estar bem com nossa própria pessoa,

É com ela que sempre poderemos contar…

Alda M S Santos

Um anjo

UM ANJO 

A estação parecia abandonada, não passava nenhum trem

Vários passageiros iam para um lado ou para o outro

Nenhuma bagagem, uns se despediam

Ela estava triste num canto, aguardava

Alguém se aproximou dela

Não parecia um passageiro qualquer

Pareceu reconhecê-lo, mas não se lembrava de onde

Ninguém ali conversava, apenas se olhavam

Abraçavam, choravam, se entendiam

Ele disse “você já pode ir”, apontou para um lado 

 “Não estou pronta, não me despedi”- falou ela em silêncio 

“Já está 50% do lado de lá, vá”

Deu a mão a ela e foram andando, ela se equilibrando no trilho do trem

Quando olhou para trás viu que ele tinha asas, era um anjo

Seu olhar dizia “não posso ir com você” 

Chorando, ela seguiu para um destino com letreiro nas nuvens:

SAUDADE!

Alda M S Santos

Um tempo para nós

UM TEMPO PARA NÓS

Todos precisamos de nossa individualidade,

Um tempo para nós,

Para mergulharmos no silêncio de nós mesmos

Avaliarmos atitudes, sentimentos, posicionamentos,

Fazermos nossas reflexões, questionamentos, redirecionamentos.

Tempo este quase sempre confundido com solidão!

Desses momentos de liberdade conosco

É que surgem as mais preciosas decisões.

Tantas vezes somos companhia para todo mundo

Exceto para nós mesmos!

Quase sempre a mão que nos salva

O coração que nos ampara

A alma que nos acolhe, mesmo sofrida

Vem de dentro de nós mesmos,

De uma nova reorganização.

Nunca devemos recusar ajuda

A começar pela nossa própria!

Alda M S Santos

Esconde-esconde

ESCONDE-ESCONDE
Sabem aquela sensação de estar sempre só
Em meio a tantas pessoas?
Sentimento de não ser compreendido ou aceito,
De não encontrar seu reflexo em ninguém?
Tal culpa ou responsabilidade
Não pode ser imputada a ninguém.
Ninguém, exceto a nós mesmos.
Quando não nos encontramos em nós,
Não “permitiremos” que ninguém nos encontre.
Não chega a ser dolo, apenas culpa.
Não há intenção de nos esconder de nós mesmos,
Tampouco dos outros.
Apenas falta perícia para nos fazermos achar,
Habilidade de nos refletirmos em nós mesmos,
Para encontramos nosso reflexo no outro.
Brincadeira de esconde-esconde de adulto
Nem sempre é divertida!
Alda M S Santos

Medos

MEDOS
Você tem medo de quê?
“Tenho medo de escuro”,” tenho medo de ficar sozinho”,
“Tenho medo de monstros”, “tenho medo de ficar perdido”,
”Tenho medo de estranhos”.
Essas são algumas respostas infantis à pergunta acima.
Guardadas as devidas proporções, nossos medos não se diferem muito.
Continuamos a não gostar de escuro, talvez não do ambiente,
Mas aquele de dentro das pessoas, de dentro de nós mesmos.
Temos ainda pavor de monstros,
Não daqueles de chifres, membros grandes, olhos exagerados,
Mas de monstros que se disfarçam de pessoas decentes e honradas e nos roubam a alegria.
Temos medo de nos perder, não na rua, na escola, no shopping, na igreja,
Mas medo de nos perder de nossos amigos, nossos familiares, de nós mesmos.
Continuamos a não gostar de estranhos,
Principalmente os estranhos que se tornam aqueles que já conhecemos muito um dia.
Temos muito medo de ficar sozinhos, e da pior maneira possível,
Aquela solidão quando estamos cercados de gente,
E permanecemos sós.
O melhor jeito de vencê-los é como as crianças fazem,
Do jeito que nós mesmos as ensinamos.
Admitir a existência dos medos e enfrentá-los de frente.
Acender nossa própria luz, espantar os monstros com nossa perspicácia,
Admitir o amor e a necessidade que temos dos amigos e familiares,
Nunca nos tornarmos estranhos para nós mesmos,
Não criarmos grandes expectativas nos outros.
Aprendermos a gostar de nossa própria companhia para nunca nos sentirmos sós.
Medo se vence com coragem.
Coragem só existe quando há medos a vencer.
Alda M S Santos

Estarei contigo

ESTAREI CONTIGO

Quantas vezes ouvimos essa frase ou as similares: conte comigo, não vou te deixar, estaremos sempre juntos, não vou a lugar algum…

Talvez o mesmo número de vezes em que precisamos e os autores não estavam mais lá.

Não estamos fazendo nos entender, ou são desentendidos mesmo?

A quem fiz essas mesmas promessas? Tenho estado atenta?

Minha avó de 94 anos, que vive sozinha, sempre diz: “nascemos sozinhos e pelados, morremos também sozinhos, o que vier no intervalo é lucro”.

E ainda completa: “não espere nada de ninguém”!

Algumas pessoas lidam melhor com a individualidade, gostam de se isolar, não compartilhar, sabem e até preferem se virar melhor sozinhas. 

Outras, porém, precisam de gente, necessitam sentir que têm apoio por perto, ainda que não os utilize!

E ainda há aquelas que partilham apenas os bons momentos e alegrias. Nas tristezas e baixo astral preferem se isolar. 

Não sou pessimista como minha avó, mas, a cada dia mais percebo que, por mais promessas que recebamos, por mais gente que tenhamos por perto, o que vale mesmo é que nós nos ajudemos. 

Poder buscar e encontrar dentro de nós, pois sempre estará lá, o que se faz necessário, é a maior dádiva. 

Podemos contar com Alguém que nos prometeu ajuda, “que estaria conosco até o fim dos tempos”…

Ele não nos abandonará nessa busca.

Que possamos senti-Lo! 

Alda M S Santos

Solitude 

SOLITUDE

Reclusão e introspecção voluntária, benéfica

Disso precisamos quase tanto quanto água

Silêncio acolhedor, analítico, questionador

A capacidade de ouvir nosso interior, rasgar-nos, ao menos para nós mesmos

Encontrar nossos lagos, sombras, luzes e oásis internos

Sem buscar tantas respostas nos outros, nas palavras alheias

Quase sempre elas se encontram no silêncio, nas atitudes

As palavras podem ser duras, cruéis, ofender, magoar, matar

É preciso ausência de ruídos, de barulhos

No silêncio de nós mesmos

Em nossa companhia mais íntima estarão as respostas.

Antes de sermos de qualquer um, somos de nós mesmos.

Alda M S Santos

Solidão

SOLIDÃO

Solidão não é estar só, mas sentir-se só, mesmo cercado de pessoas.

É como sofrer de insuficiência respiratória, mesmo sabendo que há oxigênio por todos os lados.

É como estar em alto mar, cercados de água, e morrer de sede. 

Não é que falte pessoas, oxigênio ou água.

A questão é que por inadequação das pessoas, do ar ou da água que se apresentam, não conseguimos absorvê-los.

O ar pode estar rarefeito, a água imprópria para consumo, as pessoas sem sintonia, sem comunhão de ideias, sem afinidades entre si. 

O problema pode estar em nós: por deficiência orgânica ou emocional, não conseguirmos processar o ar, a água, as pessoas à nossa volta.

Certo é que não vivemos sem ar, sem água, sem as pessoas. 

Portanto, em prol da vida, jamais podemos desistir de buscá-las.

“Mas aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede, porque a água que eu lhe der se fará nele uma fonte de água que salte para a vida eterna.”João 4:14

Uma ajuda do Alto também é sempre bem vinda e necessária. 

Alda M S Santos

Câmera lenta

CÂMERA LENTA

O mundo está em câmera lenta

Passos lentos, trôpegos, olhar apagado, corpo encurvado pelo peso da tristeza

Olhos onde brilham apenas lágrimas, 

Que se confundem com a chuva que cai,

Em câmera lenta.

No intenso vai e vem

Pelas ruas da cidade se vão

Ela e tudo que carrega naquele corpo pequeno

Mal são notadas pelo intenso burburinho de início de manhã

Ouve buzinas ao longe e segue lentamente

Os olhos da cidade nada veem além de si mesmos

Cada qual com sua própria bagagem e peso

Tudo é cinza, opaco, lento, vácuo.

Uma trombada, um “olha onde anda”!

Está molhada por fora e por dentro

Quem se importa?

As lágrimas correm livres, 

Ao contrário dela, presa em suas divagações.

E a vida continua

Em câmera lenta…

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: