Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

quadro

UMA OBRA DE ARTE

UMA OBRA DE ARTE
Tento entender esse quadro
Que freneticamente vem sendo pintado
Certamente uma grande obra de arte
Não identifico o estilo, a época
Talvez por ser único, especial
De um artista atemporal
Mas sinto que faço parte
Do tudo que se usa, abusa
Mexe com todas as cores, odores
Mistura dores, flores, amores
A cada ângulo ou perspectiva
Uma nova visão mais diretiva
Noutros pontos de vista
Há dor, escuridão, nada atrativa
Não quero ser apenas uma observadora
Quero ser parte ativa, ainda que amadora
Busco um lugar, tintas, pincéis
Ofereço beijos, flores, perfumes, anéis
Faço um quadro bem meu
Banho-me nessa cachoeira de tintas coloridas
Tentando entender e fazer valer a vida
E o que faz essa grande obra entre nós repartida
Busco ser uma parte bem linda, produtiva e amiga…
Uma obra de arte…
Alda M S Santos

Quem assina?

QUEM ASSINA?
Se pudéssemos observar com olhar neutro nossas vidas
De fora, com imparcialidade, sem grande envolvimento emocional
Como a observar um quadro “pintado” em sua totalidade
E também em suas partes, seus detalhes
A parte que brilha, a fosca, a meio escondida, a que se destaca
A mais colorida, a clara, a moderna, a abstrata
A antiga, a contemporânea, a atual
Original ou controversa,
Aquela fácil de entender e a que ninguém decifra
O que veríamos?
E, mais importante, quem assina essa obra?
Quem é o autor de verdade?
Quais influências terceiras sofre?
Nosso nome está assinado ali, mas somos mesmo os pintores dessa obra?
Ou é uma arte falsificada, uma fraude?
Pintamos o que acreditamos, com nossas próprias tintas e criatividade
Ou somos “ladrões” de material alheio?
Mesmo sem conseguir manter a neutralidade e imparcialidade
É possível fazer minimamente essa análise:
Somos autênticos?
O grande Autor da Obra Vida deu a receita: amor
Essa tinta nos permite viver uma obra de arte verdadeira
E chegar na grande galeria do outro lado com um quadro original
Ainda que todo manchado de sorrisos e lágrimas…
Com o vermelho do amor pelo outro e da paixão de viver
Com o amarelo das tentativas frustradas
Com o roxo das decepções e angústias
Com o verde brilhante da esperança
Mas nossa!
Nossa tela pode ter muitas cores e influências externas
Mas todas devem ser passadas e filtradas pela nossa alma
Sempre procurando ter orgulho do trabalho feito
E muito pouco do que se envergonhar…
Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: