Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

problemas

Minhas pedras

MINHAS PEDRAS

Há coisas que devemos por bem compartilhar

Alegrias, amor, sorrisos, carinho

Coisas que fazem bem trocar

Também é bom, até necessário, falar, conversar

Desabafar, dividir com alguém as pedras do caminhar

Mas é importante também saber a hora de calar

Há pedras que podemos com o outro revezar

Outras são só nossas, não dá para repassar

Sob pena de o peso ser grande demais

Para que qualquer um possa carregar

Melhor deixar apenas as flores perfumar

As minhas, as suas, as nossas pedras

Um dia serão um belo calçamento

Onde desfilarão somente bons sentimentos

Alda M S Santos

Passa por dentro

PASSA POR DENTRO

Venha o que vier, estejamos onde estiver

Aconteça o que acontecer

Seja que problema for

A saída sempre passa por dentro

Por dentro de nós mesmos

Se é a saúde que incomoda

A mente que falha

O coração que aperta

O meio de fora que não ajuda

O outro que não corresponde

Não importa

Tudo só se resolve

Quando é absorvido e processado dentro de nós

Colocamos os problemas em nosso divã interior

Silenciamos e buscamos nossa “verdade”

Debatemos conosco mesmos

E chegamos a um bom veredicto

Uma boa saída

Nossos problemas se resolvem

Quando não fugimos deles

Ao contrário, nós os encaramos frente a frente

Sendo honestos e verdadeiros conosco mesmos

Assumindo nossas responsabilidades

Nas causas e nas consequências…

Toda saída tem um atalho

Que passa por dentro de nós!

Alda M S Santos

Superamos?

SUPERAMOS?

É preciso superar e seguir em frente, todos dizem

Mas quando se pode dizer que superamos?

Quando o problema foi eliminado, deixou de existir

Ou quando não o deixamos mais nos atingir?

Quando a ferida foi da alma apagada

Ou quando a lembrança já vem sem doer, está liberada?

Quando nominamos todos os responsáveis pelo bem e pelo mal

Ou quando já não se culpa mais ninguém pelo vendaval?

Quando as ausências já não são tão grandes, foram preenchidas

Ou quando optamos por deixá-las ter seu próprio espaço, acolhidas?

Quando podemos dizer que superamos?

Será que é quando se desiste de esquecer o que passou, bom ou ruim

E decide carregar ambos na bagagem; o ruim como aprendizado e o bom como saudades?

Será que é quando perdoa-se falhas cometidas por quem quer que seja

E aceita-se o porvir como presente?

Ainda que o brilho no olhar nem sempre venha dos sorrisos,

Mas das lágrimas saudosas que possam irrigar as lembranças e o viver?

Estarmos vivos quer dizer que superamos, que fomos mais fortes que tudo?

Sempre penso nisso ao fixar no olhar de todos eles…

Superaram? Superamos?

Alda M S Santos

#carinhologos

Pedras…pedreiras…pedregulhos

PEDRAS…PEDREIRAS…PEDREGULHOS

Pedras no meu caminho, que fazer?

Quando não me importam tanto, pequenas

Colocadas com intuito de me fazer perder tempo

Rotineiras, como um contratempo no trânsito

Não merecem muita atenção, desvio

Pedras no meu caminho, que fazer?

Quando atrapalham a caminhada, perturbam

Incomodam como alguém a fazer pouco de nós

Pego e jogo para longe de mim ou me afasto

Pedras no meu caminho, que fazer?

Quando impedem a passagem, grandes

Preocupantes, pesadas, difíceis de remover

Como um pesadelo reincidente e assustador

Com calma, tento escalar e transpor

Peço ajuda, uma mão amiga a me puxar

Pedras no meu caminho, que fazer?

Gigantescas, intransponíveis, como parte do ambiente

Com lascas cortantes como ingratidão ou abandono

Como uma doença incurável ou a perda de alguém

Sento na pedra, choro, reflito e oro…

Pedras no meu caminho, que fazer?

Penso em todas as vezes em que Ele nos salvou

Me salvou de outros abismos e me devolveu o chão

Agradeço, e a encaro com mais ânimo

Já não parece tão intransponível assim

Afinal, Ele sabe tudo de montanhas, escaladas

Ingratidão, abandono, amor e desamor

Pedras e “Pedros” de todos os tipos

Seres humanos…

Ele sabe de tudo e de todos!

Ele é maior que qualquer pedra, pedreira ou pedregulho!

Alda M S Santos

 

 

 

Batata quente

BATATA QUENTE

Batata quente, quente, quente

A regra é clara, seja rápido e preciso

Passe a batata quente para frente

Não há tempo para lamúrias ou reflexões

Se segurar muito tempo, se queima

Se estiver com ela na mão quando a “música” parar

Uma prenda irá pagar

Batata quente, quente, quente

Passe para frente, não a deixe cair ou irá se queimar

Outra prenda irá pagar

Batata quente, quente, quente

Assim aprendemos, assim fazemos

Assim vamos “brincando”…

Passando para frente nossas batatas quentes

Recebendo outras tão quentes quanto

E vamos pagando nossas prendas no caminho

Batata quente, quente, quente

Queimou!

Até aprendermos a nos livrar tão facilmente quanto os outros das batatas quentes

Ou até não querermos ou não mais conseguirmos pagar a “prenda”

Decidimos descascar nossas próprias batatas

Não passarmos para frente

Optarmos por não receber batatas alheias, por mais apetitosas que possam parecer

Sair dessa brincadeira e ir pular Amarelinha

Pulando e se equilibrando ora num pé só , ora nos dois

Pulando até o céu!

Alda M S Santos

No olho do furacão

NO OLHO DO FURACÃO

Quando se está no olho do furacão

Tudo gira, sobe, desce, cai

Se atrapalha, se confunde, se perde…

E quando se acostuma a tamanha pressão

Ele se desfaz,

E tudo que estava no seu centro

É lançado para longe,

E torna-se sem sentido…

Alda M S Santos

Matematicando

MATEMATICANDO
Multiplicando forças, dividindo o amor,
Subtraindo dores, somando alegrias,
Calculando a área que nos cabe,
Descobrindo nossa potência interior,
Extraindo a raiz de nossos problemas,
Expandindo os metros quadrados de amizade,
Equacionando nossas incógnitas,
Entendendo nossas variáveis,
Solucionando situações-problemas,
Com a ajuda de uma “calculadora” auxiliar
Tornamos a vida exponencialmente melhor!
Alda M S Santos

Sentindo na pele

É sempre tão fácil aconselhar! Os problemas dos outros sempre nos parecerão simples, ou ao menos não tão complicados. Sentimo-nos até mesmo “superiores” por poder ver o que o outro não está conseguindo enxergar, vislumbrar uma saída, quando ele parece estar perdido. 

Podemos não entender uma mãe que chora e perde o sono por um filho doente, duvidar da força de vontade de alguém que insiste em beber, sabendo que o álcool lhe faz mal, desacreditar no amor quando vemos um homem chorar por tê-lo perdido, perder a paciência com o papo repetitivo de um idoso ou com a mania de doença e morte de uma jovem bonita e saudável.

Mas há um momento em que tudo muda de figura! 

Quando temos os nossos filhos, entendemos e nos emocionamos com qualquer problema que envolva crianças. Acreditamos no alcoolismo como doença, que deve ser tratada, quando o vivenciamos na família. Entendemos o homem que chora por amor, quando amamos, lutamos, sofremos, sorrimos, choramos e perdemos alguém que é tudo pra nós. Passamos a amar os idosos quando vemos alguém sendo grosseiro com as histórias que tanto amamos de nossos avós. Aprendemos a ter carinho com a jovem “saudável” quando temos uma sobrinha bulímica, anoréxica ou depressiva em casa.

Há outros meios de aprender a se colocar no lugar do outro, de exercitar a alteridade, a compaixão, a solidariedade, o amor. Porém, nenhum deles é tão eficaz quanto sentir na própria pele, vivenciar o mesmo problema. 

Será por isso que Deus nos permite vivenciar tantas experiências? É apenas um professor amoroso, mas “exigente”? 

Seja como for, sempre vale a pena repensar, ter bastante sensibilidade, quando nosso olhar recair sobre os problemas de alguém. Só ele, somente ele, poderá dizer a intensidade de sua dor. Estejamos atentos! 

Alda M S Santos 

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: