Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

jogos

Time completo?

TIME COMPLETO?

Prontos para entrar em campo

Os times seguem em frente, esperançosos ou nem tanto

Almejam a vitória, mas sabem que só um será campeão, só um levará a taça…

Desfalcados ou completos, nós também estamos nesse gramado chamado vida

Defesa vazada muitas vezes, deixando passar bem mais que uma bola

Ataque fraco nos impedindo de avançar rumo ao gol

Ou agressivo demais, acabando por conseguir faltas graves e expulsões

Meio campo sem boa visão do jogo todo, perdendo oportunidades

Treinador ignorado, ora por ser muito exigente, ora por não cobrar o bastante

Técnico inexperiente ou senhor de si, mas que não harmoniza as posições em campo

Goleiro que deixa passar bolas já conhecidas e nos colocando em apuros

E, mesmo que o time esteja totalmente em sintonia, tudo pode acontecer

No gramado ou na vida, incidentes são comuns, “zebras” acontecem

E, contundidos ou inteiros, precisamos seguir…

Mas todos podem sair vitoriosos

Independente do resultado final em campo

Vale o que cada um trouxe para si de valioso

O que deixou de aprendizado, a consciência de ter feito o melhor

A certeza de que nesse gramado chamado vida

O que realmente vale é participar ativamente do jogo

Deixando e levando boas lembranças, mesmo sem medalhas …

Bom jogo a todos nós!

Alda M S Santos

Amistosos?

AMISTOSOS?

Treino é treino, jogo é jogo

A máxima dos esportes, em alguns aspectos, também se aplica à vida

A premissa de que a torcida é um jogador a mais pode ser válida

Mas nem sempre é um jogador bom e produtivo

Diante de uma torcida eufórica, a favor ou contra, quem se ”apresenta”, se mostra

Está sob avaliação externa nem sempre positiva ou justa

Abstrair-se é a instrução, olhar ao longe, ficar zen

Ou para dentro de si mesmo, ignorando as cobranças externas

Que, quase sempre, têm reflexos no que vai dentro da gente

No entanto, não dá para ignorar a relação ambígua que temos com a torcida e os expectadores

São eles que nos estimulam a ser cada dia mais e melhor

Que nos impulsionam ou detonam com a confiança ou a descrença

Apenas precisamos saber quem realmente somos e do que somos capazes

Não há barganhas, nossa torcida interna é a que precisa prevalecer

Porque na vida, ao contrário dos esportes, não há treino

Na vida não há jogos amistosos

Jogamos a valer todo o tempo

E o peso da taça somos nós que carregamos…

Alda M S Santos

Truco e outros jogos

TRUCO E OUTROS JOGOS

Num jogo de cartas vence aquele que mais sabe esconder o jogo

Aqueles que são mais abertos e mostram suas cartas

Quase sempre são os perdedores. 

No jogo da vida há poucas diferenças,

Porém, os de cartas escondidas são pessoas mais pesadas,

Os de cartas na mesa são pessoas mais leves.

Mas os vencedores e os perdedores não tem como saber,

Há que se avaliar….

E o jogo segue à nossa revelia.

Quer a gente mude de parceiros na mesa, ou não, 

Com cartas abertas ou marcadas, 

Com bons adeptos e jogadores ou não, 

Até que alguém grite “truco”!

E, game over.

Alda M S Santos

Encaixes

ENCAIXES

Nossa vida é um grande jogo de encaixes.

Passamos toda ela nessa “brincadeira”.

Tentamos encaixar pessoas em nossas vidas.

Nos esforçamos para nos encaixarmos nas vidas dos outros.

Toda criança sabe, desde cedo, que não adianta forçar uma peça no local em que ela não cabe.

A peça ou o jogo podem sair danificados.

A diferença é que umas desistem, partem para outro jogo ou outras peças.

Outras perdem a paciência e destroem o jogo todo.

E outras, continuam a insistir em peças difíceis, até conseguir encaixá-las, de algum modo.

A peça pode ter se “deformado” ou o jogo ter obtido nova cara, mas foi montado. 

As crianças crescem e os jogos mudam pouco de figura! 

Jogadores, idem. 

Alda M S Santos

Brincadeira de criança

BRINCADEIRA DE CRIANÇA
Do inferno ao céu na Amarelinha de ontem
Aos desafios infernais da Baleia Azul de hoje
Dos contos de fadas e histórias de doces vovós
A vovós bruxas que torturam e aterrorizam netas
De corridas descalços e suados nas ruas
A uma tarde e noite hipnotizados em frente ao vídeo-game
De amigos reais que brigavam e se amavam
A amigos virtuais que nada de bom oferecem
De mães e pais que, presentes, castigavam e amavam
A pais permissivos e, quase sempre, ausentes
De uma cabeça leve, livre e ativa
A uma mente confusa, dependente e desequilibrada.
Dizem: “ah, não, morri”!
Não sabem o quanto isso tem sido literal!
Quero game-over, reiniciar…
Começando de umas cinco décadas atrás.
Alda M S Santos

Fases: jogando

FASES: JOGANDO
Somos feitos de fases. Todos nós. Como num jogo.
A cada uma delas que é vencida, outra logo se segue.
Como nos jogos eletrônicos, nos viciantes vídeo games.
E ela não quer saber se estamos preparados ou não.
Vem com tudo, novas dificuldades e provações
Que exigirão habilidades já desenvolvidas,
E também muitas outras a desenvolver.
Não há sequer tempo de comemorar a fase anterior superada.
A seguinte se impõe logo como dona da vez.
Se não ficarmos atentos, é morte súbita, game over.
Sem dó ou piedade!
E mesmo com tantos viciados nos vídeo games
Nem mesmo eles estão preparados para o jogo da vida.
Ela não permite pausar o jogo.
O jogador pode até estagnar, mas o jogo continua à sua revelia.
Aliás, enquanto jogam viciantemente, outro jogo segue em paralela.
O jogo de suas próprias vidas.
Alda M S Santos

Ping-pong

PING-PONG

Nossa vida se assemelha a um jogo de ping-pong ou frescobol. 

Mas um jogo por brincadeira, não por competição. 

Divertido é manter a bola no ar. Lancá-la de um modo que o outro receba e rebata de volta para nós, assim sucessivamente.

É frustrante quando não atinge seu objetivo, não volta.

Prazeroso é acertar o alvo, ser o alvo.

Vencem ambos se a bola é rebatida e se mantém no ar.

Perdem ambos se ela for mal lançada e cair ao chão.

Se não a lançarmos bem, o outro terá dificuldade para receber e relançar. A recíproca também é verdadeira. 

Se cair ao chão sucessivamente cansamos da brincadeira e partimos para outra.

Somos assim. Muitas vezes lançamos palavras, boas ou ruins, carinhos, sentimentos. 

Algumas vezes voltam, outra não.

Iremos preferir a brincadeira correspondida. 

Brincar sozinho não tem graça! 

Pensemos nisso! 

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: