Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

infinito

Infinito

INFINITO

Quero o infinito e seus mistérios
A (im)possibilidade que atormenta
O desconhecer que não acalenta
Quero o mundo e seus refrigérios

Quero um amor infinito, maduro
Mas não um amor qualquer
Que seja verdadeiro, puro
Intenso, cheio de bem-me-quer

Quero esquecer que a vida é finita
Quero-a infinita, sempre bonita
Não vou desistir, não insista

Quero no infinito mergulhar
Me perder, me achar, me reencontrar
Fazer esse mundo louco girar

Alda M S SANTOS

Infinito

INFINITO

Quero o infinito e seus mistérios
A (im)possibilidade que atormenta
O desconhecer que não acalenta
Quero o mundo e seus refrigérios

Quero um amor infinito, maduro
Mas não um amor qualquer
Que seja verdadeiro, puro
Intenso, cheio de bem-me-quer

Quero esquecer que a vida é finita
Quero-a infinita, sempre bonita
Não vou desistir, não insista

Quero no infinito mergulhar
Me perder, me achar, me reencontrar
Fazer esse mundo louco girar

Alda M S SANTOS

Termodinâmica

TERMODINÂMICA
O olhar não se vê, calcula-se, o sorriso, brincalhão
Caminhos percorridos… conhecem-se?
Buscam um no outro, mesmo sem perceber
A parte humana com toque “divino” que lhes falta
Doam um ao outro por termodinâmica
Até o que nem imaginam possuir
Principalmente o que não sabem possuir
Os silêncios partilhados cheiram ora a paz, ora a conflito
O brilho dos olhares ou a sombra deles denuncia tudo
O encanto dos sorrisos cega os céticos
As lágrimas satisfazem os invejosos
As brincadeiras alegram o ambiente
O toque das mãos dá cor à vida
Sinestesicamente…
Os abraços divididos selam a paz, perdoam defeitos
Do outro, mas principalmente de si mesmos
Humanos, falhos, tentando acertar sempre
A fé num propósito divino para tudo que há preenche vazios
As lágrimas despertadas ou enxugadas os tornam mais humanos
Conviver, viver com, viver para
Para si, para o outro, para amar
E as almas viverão para sempre
Até mesmo quando duvidarem disso…
Alda M S Santos
 

 

 

Até o infinito

ATÉ O INFINITO…

Seguir, sempre em frente.

Cabelos ao vento, trilha sonora.

Uma estrada longa que se descortina…

Habitada, desabitada, tanto faz!

Ora chuva, ora sol, ora frio, ora calor.

Estações sucedem-se lá fora, estações mexem aqui dentro

Ora lágrimas, ora sorrisos, ora descrença, ora esperança,

Até o infinito, onde quer que ele esteja. 

Tão longe lá fora ou tão perto(?) cá dentro…

Alda M S Santos

No ar…

NO AR…
Voar, bem alto, no infinito,
Devagar, curtir, planar…
Tudo ver, tudo analisar, de fora, por cima,
Tudo observar, escolher, fixar os olhos
E mergulhar… fundo…
Na certeza do que se quer,
No prazer antecipado do encontro,
No gozo da vida que recomeça
A cada voo,
A cada mergulho…
No ar…
Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: