Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

cuidado

Só um vírus

SÓ UM VÍRUS

Foi só mais um vírus
Mas foi tão poderoso
Capaz de sacudir a Terra
E acordar todo esse povo

Fez todos ficarem em casa
Uns se rebelaram, brigaram
Outros como anjos abriram as asas
E a muitos acolheram, ajudaram

Foi só mais um vírus, letal
Mas a cada vida perdida
Uma lição era aprendida

Um vírus que veio contrariar
Por as coisas no devido lugar
E ensinar-nos o que valorizar

Alda M S Santos

O que é importante

O QUE É IMPORTANTE

Ela disse que tudo vai passar
Não sem antes muito nos ensinar
Que há um propósito em tudo
Ainda que o mundo pareça mais carrancudo

A fadinha com sua capacidade de voar
Com o corações das pessoas conversar
Ir a todos os cantos com seu encanto
Aos pouquinhos acalmando a dor e o pranto

Há um grande propósito de reaproximação
Mesmo que pareça afastar e desunir
O que se objetiva é perdão e união

A fadinha quer mostrar o valor da simplicidade
Da atenção, do carinho, dos abraços
Volte-se para o que é importante, aperte os laços

Alda M S Santos

Quando mais preciso

QUANDO MAIS PRECISO
Não se afaste quando eu chorar
Tampouco quando eu só lamentar
Tenha paciência se eu for cansativa
Quando discordar de você
Ou provocar uma briga
Não se afaste se eu errar
Se ao consertar me atrapalhar
Compreenda se eu quiser me afastar,
Mas ainda assim, não se afaste de mim
Quando eu menos merecer
Quiser de tudo me desfazer
Sumir, fugir, desaparecer
É quando mais preciso de você,
Amor…
Alda M S Santos

Um caso de amor

UM CASO DE AMOR

Vivo um caso de amor

Às vezes o deixo meio abandonado

Mas mesmo quando parece descuidado

Ele é antigo, eterno, apaixonado

Vivo um caso de amor

Esse amor é leal, pede atenção

Fica mais bonito com disciplina e dedicação

Corpo, mente e alma em busca da harmônica condução

Vivo um caso de amor

É comigo meu caso de amor mais intenso

Tem desejo, tem paixão, bom senso

Falhas, admiração, perdão, consenso

Meu caso de amor maior é assim

Cercado por anjos: Querubim, Serafim

Saúde, cuidado, começa e termina em mim

Aí, sim, quem sabe venha a ter no outro algum fim…

Alda M S Santos

Amora

AMORA

“Se te contar minha história

Debaixo de um pé de amora,

Você chora!”

Será assim mesmo?

Aqui debaixo tudo parece tão suave

Tão doce e terno…

Quantos pés de amora

Já ouviram uma alma que chora

Quantas histórias ali ficaram sem senão

E cada lágrima usada para irrigação

Quantas vezes não curou dores

Segredadas entre seus galhos e flores?

Quantos abraços não notou fortes quanto suas cores?

Amora, se eu te contar minha história

Você me acolhe em sua sombra, me abraça

Guarda meus segredos, respeita meus medos

Cuida de mim com carinho

Enquanto a dor não passa?

Alda M S Santos

No mesmo lugar

NO MESMO LUGAR

São seis filhos, tantos netos

Vários bisnetos e até uma tataraneta

Mas ela não queria ir com eles morar

Dizia: “aqui é meu lugar”

Agora, 96 anos, não teve jeito

Foi com uma das filhas ficar

Lúcida, esperta, mas nesse mundo tão mau

Não dá pra facilitar!

Tantos queriam levá-la para perto

Poder dela com carinho cuidar

Mas nenhum podia ir com ela morar

A casa ainda está no mesmo lugar

Mas falta vida ali

Ela não mora mais lá

Mas a sentimos em todo lugar…

Salvo quando vem filho de longe visitar

Aí ela vem para sua casa cuidar

Mas o terreiro não é mais o mesmo

Aquele que sempre me encantou

Está tão árido!

A fonte secou, a cacimba soterrou

Roseira reclamou, o galo não cantou

Galinheiro caiu, a horta murchou

Ainda há uns pássaros na goiabeira

Que se adonaram do lugar

E reclamam quando a gente vem passear

Mas agora vou aproveitar

Estamos aqui, ela também

E aqui ela veio conosco ficar…

Assim será até quando Deus nos permitir

Poder em seu colo descansar

E, a bem da verdade, nosso coração é que é seu lugar..

Alda M S Santos

Nunca desistir de mim

NUNCA DESISTIR DE MIM

Seguir em frente, lutar sempre

Essa é minha promessa

Nem sempre fácil de manter

Curtir um dia de raios de sol que me aquecem

Mas também aceitar quando meu sol se esconder

Amar sob um céu estrelado e inspirador ou sobre nuvens de algodão

Mas aproveitar quando a Lua não aparecer e tudo for escuridão

Dançar na chuva entre abraços apertados e beijos molhados, aquecida

Mas saber suportar as fagulhas ameaçadoras das tempestades de gelo, sofrida

Enquanto nova alvorada não surge em mim, renascida

Retribuir o amor e carinho daqueles que me cercam e apoiam

Mas aceitar e respeitar o direito daqueles que não me querem por perto, não me amam

Sobretudo, amar a mim mesma, sempre

Ainda ou principalmente quando outros me abandonarem

Mesmo em minhas fragilidades, medos e carências

Ainda que erre, caia e não consiga levantar tão facilmente

Ou que nem sempre seja minha maior fã

E queira ficar escondida debaixo das cobertas…

Pois a promessa fundamental é, independente do que acontecer,

Cuidar do meu coração

E nunca desistir de mim mesma!

Alda M S Santos

Quem ama (se)cuida!

QUEM AMA (SE)CUIDA!

Quem ama cuida, protege, defende

Não quer ver o outro sozinho, desamparado ou entristecido

Quem ama quer estar junto

Salvar dos riscos, iluminar os caminhos

Quem ama quer regar e fazer brotar sorrisos

Quer enxugar as lágrimas, dar o colo, o ombro, ser amigo

Quem ama vigia o sono, afasta os monstros, faz um despertar feliz

Acolhe nos pesadelos, realiza os sonhos, sabe o que diz

Quem ama guarda lembranças, um verso, um presente

Um cartão, uma joia, flores desidratadas, não mente

Quem ama compra briga para defender o outro, não se alia ao “inimigo”

Quem ama honra a palavra dada, não foge, é abrigo

Quem ama troca abraços, divide a cama, partilha desejos

Escreve poemas, fala bobeiras, faz serenatas, pede beijos

Quem ama quer viver o amor, confia, não tem ou mete medo

Quem ama não quer privar-se ou privá-lo do amor

Diz bem alto “te amo”, não quer segredo

Quem ama cuida do outro

Quem ama também se cuida!

Alda M S Santos

Vira-latas

VIRA-LATAS
Somos mestiços, oriundos de várias raças
Uma mistura que nos torna SRD
Sem raça definida, carregamos características de vários povos
Ora somos fortes, resistentes e adaptáveis 
Pés-duros, confiáveis, amigos
Ora somos frágeis e de baixa autoestima
Acusados de tudo fazer, de virar latas por um pedaço de pão
De nos rebaixarmos para receber um carinho na cabeça
Dependentes da aprovação daqueles que consideramos mais, superiores
Mas carregamos conosco as misturas de uma raça não definida, híbrida
E o que de bom ou ruim isso possa acarretar
Com toda a força, fidelidade, inteligência, confiabilidade e resistência
De quem tudo já enfrentou
E de quem não se entrega assim tão facilmente
Um vira-latas morre lutando, acreditando na vida
Nunca deixando de amar…
Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: