Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Categoria

Vivências

Respeitável público

RESPEITÁVEL PÚBLICO

Respeitável público

Bailarinas ficam tontas, desequilibram, caem

Sem nunca perderem o encanto

Palhaços choram, fazem sorrir, gargalham e se entristecem

Sem nunca perderem a graça

Mágicos engolem e cospem fogo, duplicam objetos, fazem aparecer e desaparecer coisas, menos o sofrimento

Sem nunca perderem a magia

O circo da vida é assim

Bailarinas, palhaços e mágicos

Com encanto, graça e magia

Tudo fazem para animar o respeitável público

Do qual também fazem parte

Mesmo que nem sempre esse público seja tão respeitável assim…

Alda M S Santos

Não estamos sozinhos

NÃO ESTAMOS SOZINHOS

Somos humanos cercados por outros humanos

Numa casa rodeada por outras casas

Numa cidade fronteiriça de outra cidade

Dentro de uma nação que se avizinha de outras nações

Habitantes do planeta Terra, ao lado de outros planetas e astros

Membros de uma galáxia gigantesca

Não estamos sozinhos!

Mesmo quando não nos sentimos mais que pequeninos grãos de areia

E parecemos estar muito sós, não estamos

Em nossa mais intensa introspecção temos a nós mesmos

E quando encontramos a nós mesmos

Somos capazes de identificar o outro tão perto de nós

E estender a mão, pegar uma mão…

Alda M S Santos

Sempre em busca

SEMPRE EM BUSCA

Viver é estar sempre em busca

Ainda que não se saiba exatamente de quê

Mesmo que todos o vejam como preenchido

Aquele a quem nada falta

Por mais que sinta gratidão à vida

A tudo que foi permitido ter, ao que aprendeu a ser

Aquilo que foi conquistado, mantido, até mesmo aquilo que foi perdido

Aquilo que te fez o que hoje é

Tudo só foi e é possível por ter estado sempre em busca

Por nunca ter desistido ou estacionado na aparente completude

Só você sabe os motores que te movem

As necessidades que te (des)orientam, seus medos

Só você sabe seu tempos, suas urgências, suas carências

Ainda que não sejam verbalizadas ou compreendidas

São elas que te mantêm sempre em busca

São elas que dão a aparência de alguém a quem nada falta

Apesar de toda sua inquietude…

Todos veem “tudo” que você tem

São suas buscas e lutas que nem todos veem

Quem está vivo está sempre a buscar…

Alda M S Santos

Vai lá…

VAI LÁ…

Era chegada a hora

Um abraço de despedida

Um beijo de “até breve”

E ouvia as expectativas

“Você é forte, é capaz”!

Entre medos e receios de última hora

“Será que isso é mesmo necessário”?

Ou “não posso ficar mais um pouco”?

E ouviu mais um incentivo

“Foi uma escolha de amor. Vá”!

Angústia, medo de não ter forças, saudades antecipadas

“Estarei contigo e te tratei de volta na hora certa”!

Mais um abraço de puro amor

“Se precisar de Mim, ore, chame meu nome, Eu te ouvirei”!

E ela desceu pronta para a batalha

“Vai lá e arrasa! Faça valer a pena “!

E de passo em passo, uma oração

Entre erros e acertos, buscava por Ele

Tentando cumprir sua missão de amor…

Até breve!

Alda M S Santos

Dores e delícias do viver

DORES E DELÍCIAS DO VIVER

É dor ou delícia?

Dispor de um céu infinito para voar

E encontrar alimento num cativeiro alheio?

É dor ou delícia?

Ter asas leves e fortes capazes de alçar voo nos sonhos do coração

E precisar manter os pés firmes e pesados no chão?

É dor ou delícia?

Avistar um deslumbrante e convidativo horizonte além-mar a desbravar

E desejar um porto distante e inalcançável a um barquinho de papel?

É dor ou delícia?

Flutuar nas águas límpidas e leves do amor incondicional

E, afoito, se afogar nas águas turvas e densas da ilusão?

Viver é se molhar e se secar, tornar a se molhar e tornar a se secar

No brilho líquido e vibrante dos sorrisos e das lágrimas

Que nos tomam todo o tempo de delícias e dores….

É dor ou delícia?

Cada qual que responda por si…

Alda M S Santos

Medo? Que nada!

MEDO? QUE NADA!

Um pouco ansioso como em toda primeira vez

Afinal, isso é um “trem que voa” invenção de um mineiro

Boa expectativa, um voo curto de uma hora

Medos e receios do meu pai são vencidos

No alto, da janela passa a observar a pequenez do que fica pra trás

Admirado com as várias camadas de nuvens

Com o nublado lá de baixo

E o sol claro e céu limpo cá de cima

Quanto maior a altitude mais claro tudo se torna

Umas pequenas áreas de instabilidade

Sorriso de menino, “parece até que estamos no chão”

Nem o incômodo nos ouvidos ele sente

E papai abre aquele sorrisão satisfeito

Pousamos no aeroporto cujo nome homenageia o criador dessa grande invenção:

Santos Dumont

Voar é maravilhoso!

Alda M S Santos

Apenas um dia normal, mas…

APENAS UM DIA NORMAL, MAS…

O relógio despertou, o sol nasceu brilhante e forte do mesmo jeito

Um banho, a padaria, o café da manhã, trocar-se e se preparar para o trabalho

Um “bom dia” displicente, a correria de sempre

Era apenas um dia normal…

Nenhum aviso de que algo poderia ser diferente, nada

Um tchau apressado, um beijinho rápido

Nem um “eu te amo”, ou “se cuida”

Nem um olhar mais demorado para aqueles que queria bem

Tampouco um abraço apertado e quentinho

Apenas um “não se esqueça de passar no banco”

Afinal, era apenas um dia normal…

Nem uma mensagem ou cuidado especial ao longo do dia, não teve tempo

Apenas queria concluir tudo rapidamente e voltar para casa

O dia chegou ao fim, mas ele não chegou em casa, não na casa terrena

Não pôde mais rever os que amava,

Nada mais de abraços, beijos, cuidados, ou gastar os “eu te amo” economizados

Afinal, não era um dia tão normal assim…

Foi o último dia de vida desse amigo

E de tantas outras pessoas nesse mundo

Soubesse antes teria feito alguma diferença?

Coisas boas, coisas ruins, tragédias ou bênçãos

Todas acontecem em dias aparentemente normais

Como está nosso dia hoje?

Alda M S Santos

Perder é uma m*

PERDER É UMA M*

Dizem que o importante é o prazer de jogar

Ganhar ou perder é apenas detalhe circunstancial

Uma ova!

Saber jogar é importante, ganhar é o máximo

Mas perder é uma m*! Mesmo se for uma derrota honrosa

Tudo bem que quem não sabe perder perde duas vezes

O jogo, a moral, a simpatia, o nome, a autoestima

Fica com o coração na mão, apertado, triste

E cada derrota é uma derrota diferente, mas sempre dói

Pode-se perder muitas vezes e nunca a derrota se tornar mais fácil

Independe qual seja ela: no jogo, no amor, na vida…

Culpar o tempo, o rival, o juiz, o azar, a Deus, a vida

Desacreditar as habilidades e valor do adversário

Chorar até desidratar, rir de nervosismo, fazer piadas de frustração

Desistir do jogo, da luta, da vida

Tudo faz parte das fases da dor da derrota

Mas ela só produz algo de benéfico e produtivo

Só deixa de ser uma completa m*

Quando se assume a própria responsabilidade na perda

Quer seja no jogo, no amor, na vida…

Alda M S Santos

Aceito em mim

ACEITO EM MIM

Vou-me construindo dia a dia, parte a parte

À medida que, paradoxalmente, me desconstruo

Dermes e epidermes que se desgastam e se refazem

Pelo a pelo que cai e a vida se renova em cada bulbo

Tal qual fruto que, podre, se desfaz

E em semente recomeça…

Vida e morte convivendo lado a lado

Em variadas fases de viço e secura

Tal qual roseira que carrega em seus galhos, ao mesmo tempo,

Morte, vida, renascimento…

Aceito em mim a morte do que já não vive

Celebro a vida do que ainda tem brilho e perfume

(Des)construindo dia a dia um novo ser…

Alda M S Santos

Era apenas o tempo…

ERA APENAS O TEMPO…

Era apenas o tempo que passou…

Aquele que quase sempre torcemos para que passe rápido

Quando esperamos por algo que nunca chega

Era apenas o tempo que passou…

Aquele que passa veloz, matreiro

Quando o desejo é que se eternize em nós

Era apenas o tempo que passou…

Aquele que às vezes se arrastou, torturante

Quando a dor doía muito, sangrava, matava aos poucos

Era apenas o tempo que passou…

Aquele que gostaríamos de ter melhor observado, aproveitado

Quando olhando longe, para trás ou para frente, o perdemos

Era apenas o tempo que passou…

Aquele que queremos retomar, recuperar, reverter, consertar

Quando percebemos o quanto erramos conosco e com os outros

Era apenas o tempo

Quando percebemos, se foi…

Foi apenas o tempo que passou…

E nós aqui ficamos resgatando lembranças

As pequenas e saudosas migalhas que ele nos deixa

Para reconstruir, ainda que mentalmente,

Tudo aquilo que ele “levou” de nós…

Era apenas o tempo que passou…

Alda M S Santos

Saber ou não saber?

SABER OU NÃO SABER?

A ignorância ou o conhecimento, qual escolher?

Que a doença é incurável, que há pouco tempo?

Prefiro não saber!

Que sou importante, necessária, o amor de alguém?

Prefiro saber!

Que sou dispensável, indiferente, que não sou mais a razão daquela alegria, daquele sorriso?

Prefiro não saber!

Que os caminhos podem estar esburacados ou sem saída?

Prefiro não saber!

Saber ou não saber?

Que fiz o bem, que alegrei, que errei e acertei, que distribuí o amor?

Prefiro saber, sentir!

Fechar os olhos ou estar ciente de tudo?

Saber ou não saber?

Seguir sabendo “tudo” de antemão ou ser surpreendido pela emoção?

Há coisas que pela mágoa e paralisia que podem causar,

Melhor não saber, simplesmente, ignorar e mergulhar

Para manter um mínimo de sanidade e prazer de seguir, de viver…

Alda M S Santos

Sim ou não

SIM OU NÃO?

Se é sim tudo é animação

Se é não quase sempre é frustração

Mas não se deixe enganar, meu irmão

O sim quando precisa ser não

Ou o não quando deveria ser sim

Fazem muita confusão na mente de qualquer Cristão

Sim ou não?

Pergunte ao seu coração

E o ouça com ajuda da razão

Sim ou não?

Porque em quase toda situação

É você quem paga o alto preço, ouve o sermão

E aguenta-se nos rochedos a forte arrebentação…

Alda M S Santos

Nossa humanidade

NOSSA HUMANIDADE

Um ser humano, no ápice de sua capacidade mental, pode ser capaz de dominar altas tecnologias, ter inteligência de gênio, viajar a jato, quase na velocidade da luz, desbravar outros mundos, outras galáxias, decodificar o mapa genético, eliminar os males físicos e mentais, controlar e entender a complexidade dos seres animais, vegetais e minerais, prever o futuro, ignorar o passado, prolongar a vida…

Porém, se não tiver olhos, alma e coração para conhecer-se a si mesmo a fundo, e para sentir o que o outro sente, tocá-lo, corpo e alma, dar carinho, afeto, com o intuito de auxiliar o irmão tão próximo que necessita, infrutíferas serão todas as demais habilidades.

Todas elas só valem se servirem para melhorar nossas vidas e dos nossos semelhantes, sem danificar essa magnífica natureza, que é presente divino.

Como disse o maior Mestre, que tenhamos vida, e a tenhamos em abundância!

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: