Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Categoria

sonhos

Qual o tamanho do seu sonho?

QUAL O TAMANHO DO SEU SONHO?

Como medir um sonho que se tem?

Como fazer para bem dimensionar

Dá para mensurar pela (im)possibilidade de realizar?

Qual o tamanho do seu sonho?

É maior o que mais dinheiro gastaria

Ou aquele que mais abrir mão exigiria?

É de bom tamanho o que aproxima da realidade

Ou aquele que traria mais felicidade?

Qual o tamanho do seu sonho?

É maior o que for justo sem onerar ninguém

Ou aquele que engrandece a alma de quem o obtém?

É grande o bastante o que gera prazer e paz

Ou o que não se esvai, se eterniza, não é fugaz?

Qual o tamanho do seu sonho?

Alda M S Santos

Faça três pedidos

FAÇA TRÊS PEDIDOS

Não encontrei a lâmpada de Aladim

Tampouco um gênio a me conceder três pedidos

Mas ele me disse: meu amor te concederá três desejos

Olhei para ele e não consegui identificar de onde o conhecia

Tinha um olhar terno de imensa bondade

Olhava fundo em meus olhos

Havia muito amor ali, parecia me conhecer até a alma

Eu não precisaria nada pedir

Ele chegou e me deu um longo abraço apertado

Daqueles que matam saudades seculares

“Este pedido não vale”- ele disse

“Não quero mais nada”- beijou as lágrimas que escorriam

Deu-me as mãos, levou-me com ele

Como se asas brotassem em mim

Voei alto, bem alto, tudo apreciando

Sentindo-me tão à vontade, total sintonia

Não havia medo, tampouco ansiedade

Sentamo-nos no alto de uma montanha

Da altura das nuvens, cachoeiras em cascata ao redor

Pássaros pousavam nas nossas mãos

“É sonho? Não quero acordar!”- afirmei

Uma veste branca, fina e leve cobria meu corpo

Balançava todo o tempo como um halo de luz

Eu flutuava, levitava, cheguei a uma imensa porta

Estendi as mãos para ele

“Não! Ainda não! Virei te buscar na hora certa”

Deu-me um longo beijo e me colocou de novo lá embaixo

“Siga seu caminho, você está indo bem”!

Falei que meu único pedido era ir com ele

“Ainda não é chegada a hora”

Soprou-me um beijo e sumiu…

Fiquei ali com meus três desejos

Fé, esperança e amor renovados…

O outro teria que esperar!

Alda M S Santos

Dentro do coração

DENTRO DO CORAÇÃO

Afixados nas paredes de um lar de idosos

Acima de cada cama, estão ali, à mostra

Uma colagem dos sonhos de cada um

Feita de recortes de revistas e um bom papo

Sonhos não têm idade

Nascem e crescem dentro do coração da gente

Uns tornam-se realidade

Outros existem para fazer brilhar a luz do olhar

De quem insiste em viver nesse lugar…

Ali para todos verem, expostos em papel

Os sonhos desses idosos falam, gritam

“Tenho muitos anos de vida

Mas nunca deixarei de sonhar

Pois quando isso acontecer

Já terei deixado de viver…

Alda M S Santos

Faça seu pedido

FAÇA SEU PEDIDO

Fonte dos desejos: faça seu pedido

Algo material, profissional, familiar, emocional

Que pedir?

Será que algum desejo será impedido

Ou a fé que tenho nele

É o bastante para ser validado?

A quem vou dirigir meu desejo

Onde vou cobrar resultado?

Fonte dos desejos: faça seu pedido

Águas transparentes, belas e convidativas

Busco lá dentro algo que prove

Que tudo isso não é embromação

Que tenha mesmo poderes de realização

Fonte dos desejos: faça seu pedido

Descrente, mas com vários desejos no coração

Debruço-me para melhor enxergar e não me enganar

E tudo que vejo é meu reflexo distorcido a me encarar

Fonte dos desejos: faça seu pedido

Enfim, entendo o que realmente é a fonte dos desejos

A fonte que tem poder de nos despertar

Mostrar que qualquer desejo é possível

Que só depende de nós mesmos realizar…

Fonte dos desejos: faça seu pedido

Jogue uma moeda, por desencargo de consciência

Corra atrás dele, tenha paciência

Mas nunca desista de sua existência…

Alda M S Santos

Quimeras

QUIMERAS

Quiséramos ter estendido mais nossa infância

Ter congelado amigos dentro da gente

Do jeitinho que eram

Para nunca mais deixá-los partir

Quimeras…

Quiséramos ter curtido mais nossa adolescência

Sem tantos desejos de crescer

De ser independente, de acelerar o tempo

Apenas abraçar nossos “amigos para sempre”

Sermos apenas jovens desabrochando

Quimeras…

Quiséramos ter nos dedicado mais a nossos amores

Atendido mais nossos familiares

Prolongado sorrisos e abraços

Ter feito mais amor com a vida

Podido ser mais que simples adultos preocupados

Tendo sido mais leves em brancas e suaves nuvens de paz

Quimeras…

Quiséramos ter sido mais nós mesmos

Atendido mais nossas próprias vontades

Sem invadir as vontades e espaços dos outros

Cuidado melhor do que realmente importa

Sem contudo sermos egoístas,

Porque, afinal, sem desconsiderar tudo que conquistamos

E que faz parte de nós também

O que temos de real e verdadeiro, sempre

Somos nós mesmos…

Quimeras…

Meras quimeras…

Mas quiséramos…

Alda M S Santos

Devaneios

DEVANEIOS

Vou escrever uma história

Daquelas bem bonitas

Real ou imaginária

Talvez mesclada, realizada e sonhada

E colocar numa garrafa de vidro

Enrolada tal qual pergaminho

Exalando um pouco de perfume suave

Um beijo de batom rosa

Umas lágrimas desobedientes

Muitos sorrisos de satisfação e amor

Colocar uma rolha fechando a vácuo

E lançar no oceano…

Quem sabe um dia, décadas à frente, alguém a encontre

A esfregue para retirar marcas do tempo

E, tal qual gênio da lâmpada de Aladim

De lá de dentro a história se materialize novamente

Rica em detalhes e melhor vivida

Ou que apenas deixe para a posteridade

O registro de uma história de vida bonita

Espero que seja a nossa…

Alda M S Santos

Olhar opaco

OLHAR OPACO

Encontraram-se muito tempo depois

Num espaço além-terra, fora da galáxia

Abraçaram-se longamente, sem nada dizer

Palavras desnecessárias, supérfluas, troca de calor

Encontro de corpos onde já havia afinidade de almas, intimidade de ideias

Sabiam de que barro foram feitos todos os humanos

Nem a troca de olhares era possível, córneas opacas, cegas

“Não posso mais te ver, mas posso te sentir”

“Sinto seu cheiro, ouço sua voz, o carinho que sempre me dedicou”

“Não preciso dos olhos para saber que é você, amor inigualável que recebi”

“Não chore! O amor tem muitos meios de se fazer marcante, presente”

O abraço longo, saudoso, de outra vida comprovava tudo

Em sonhos…

Alda M S Santos

Para viver é preciso sonhar

PRA VIVER É PRECISO SONHAR

Não há vida sem sonhos, há apenas a seca sobrevivência

Pra manter-se vivo de verdade, vibrante, é preciso sonhar

Mas há que se ter equilíbrio, saber dosar a água e o fubá

Um sonho sozinho não se sustenta por muito tempo

Desfaz-se feito nuvens negras em dias de verão

Tampouco a dura realidade se mantém íntegra sem a liga dos sonhos

Quem vive sem sonhos amarga duras realidades

Quem vive só de sonhos amarga dolorosas decepções

Até mesmo um sonho precisa de umas pitadas de realidade, vez ou outra

Para temperar a vida,

Para poder sobreviver…

Alda M S Santos

Hipoteticamente

HIPOTETICAMENTE

Hipoteticamente, poderíamos ser proprietários de uma indústria internacional com milhares de funcionários

Mas preferiria exercer com amor e tranquilamente a profissão que escolhi

Hipoteticamente, poderíamos viajar e conhecer o mundo inteiro

Mas me contentaria em viver num lugar que gostasse e conhecer poucos outros que me fizessem feliz

Hipoteticamente, poderíamos conquistar todos os amores do mundo

Mas preferiria um único, só meu, verdadeiro, real, que me tivesse como alguém especial

Hipoteticamente, poderíamos ter milhares de amigos a nos saudar todos os dias

Mas preferiria apenas alguns que de perto me abraçassem e me acariciassem com palavras, com o olhar

Ou de longe pensassem em mim com carinho e me dedicassem orações sinceras

Hipoteticamente, poderíamos viver com familiares numa mansão luxuosa no primeiro mundo

Mas me bastaria uma casinha simples no meu país com uma família amorosa e presente

Hipoteticamente, poderíamos ajudar e fazer o bem a milhares de pessoas

Mas ficaria feliz se conseguisse ajudar aos mais próximos e não prejudicasse a vida de ninguém

Hipoteticamente…deixemos pra lá

Sonhar é bom, mas fazer da realidade nosso sonho mais lindo é carícia na alma.

Alda M S Santos

Na madrugada

NA MADRUGADA

Ausência de luz, a cidade descansa

Sombras escuras se agigantam nas luzes artificiais

Shshshshsh, silêncio total

Crianças, jovens, famílias inteiras adormecidas

Os males, o medo, parecem muito maiores na madrugada…

Escondidos durante o dia, disfarçados na luz, de luz

Buscam os desprevenidos…

À noite parecem ganhar força

Sorrateiros, entram em lares, nas pessoas, nos corações

Se escondem, disfarçam, crescem, assustam

Invadem, arrombam, pilham, roubam,

Bens materiais, a família, a paz, o sossego, a vida…

Distraídos, por descuido ou enganados,

Muitas vezes cedemos a chave

Sonhos, pesadelos e realidades se misturam

E nossos anjos têm muito mais trabalho para nos salvar

Inclusive de nós mesmos

De nossa “escuridão” interior…

Mostrando que a luz é mais forte

E brilha imperiosa como o sol da manhã

Para aqueles que a querem ver…

Alda M S Santos

Se eu faltar pra você…

SE EU FALTAR PRA VOCÊ…

Se eu faltar pra você, quanto tempo sofrerá por mim?

Ficará revoltado, achando que a vida foi injusta, que merecia mais?

Será daqueles que mergulham em histórias e mais histórias pra esquecer minha partida?

Escreverá um livro contando nossa história para relembrar, não me apagar da sua mente?

Sentirá falta do quanto te amei, de minha companhia diária, do quanto nos fizemos bem?

Ou será do tipo que procuraria exatamente por quem disse que nunca faria, por pura rebeldia?

Seria capaz de me responsabilizar pelo que não foi culpa minha?

Saberia ser agradecido a Deus pela vida que compartilhamos, ou revoltado pelo fim?

Seguirá em frente, amará outra mulher logo, pois acostumou-se a uma vida de amor?

Não sei o que você faria…

Soubesse com antecedência da minha partida poderia até levar você…

Mas não seria justo! Você tem direito à sua vida!

Afirmo apenas que levaria você comigo para sempre:

No coração e na alma para qualquer dimensão…

Alda M S Santos

Sonho que sonhei

SONHO QUE SONHEI

Um sonho dos mais antigos: ser bailarina!

Desde pequerrucha sonhava com tudo que envolvia a dança

Particularmente o balé.

As músicas, o figurino, a leveza das bailarinas

Sempre foram um mundo mágico e encantado para mim.

Sonho não realizado, mas a fantasia permanece…

Vez ou outra ainda faço de conta que sou bailarina

Acho que teria tentado “realizar” esse sonho numa filha,

Se tivesse tido uma, ao invés de filhos.

Mas o gosto pela dança é constante, pulsante.

Desde então, muitos outros sonhos vieram,

Aqueles que dependem de nós, dos outros, das circunstâncias

Uns realizados, alguns em partes, outros não.

Mas a fantasia não pode morrer

Ela que dá sentido ao viver.

Uma vida repleta de sonhos pelos quais lutar

É sempre uma vida rica!

Alda M S Santos

Sonhos e pesadelos

SONHOS E PESADELOS

Se os sonhos e pesadelos existem para resolvermos algo no inconsciente

Que o consciente não dá conta de resolver

Sou uma pessoa muito mal resolvida, de consciente problemático.

Se por outro lado, existem para acelerar algumas soluções

Eu não deveria ter qualquer pendência!

Entre sonhos espetaculares e dignos de se tornarem reais,

E pesadelos escabrosos, de tirar o sono e deixar uma sensação ruim o dia todo,

Transitando da consciência à inconsciência, do real ao imaginário,

Pintando o rosto, sorrindo ou chorando,

Feliz ou sofrendo,

Vou vivendo…

Alda M S Santos

Balanços da vida

BALANÇOS DA VIDA
Não há quem não se encante com um balanço, uma gangorra. Eles nos remetem à infância, a brincadeiras, sorrisos, amigos, frio na barriga.
Os melhores são aqueles de madeira e corda amarrados numa árvore bem alta num quintal de terra batida. Se não for possível, um de ferro numa praça urbana também é válido.
A cada ir e vir da gangorra a árvore chia, folhas caem, pássaros revoam, a gente geme e gargalha. Por vezes, um amigo empurra.
Vejo nossa vida assim: um grande balanço.
Ora estamos no alto, ora embaixo, outra vez no alto…
Algumas vezes estamos sós, muitas vezes acompanhados. Tantas vezes precisamos de um empurrãozinho amigo para nos manter no ar!
Nisso consiste o viver. Derrubaremos folhas, afastaremos pássaros, faremos nossa árvore chiar, atrairemos amigos querendo brincar, amores para balançar junto, teremos muitos gemidos e gargalhadas, de prazer ou dor.
Só altos ou só baixos não é gangorra. Balanço não foi feito para ficar parado.
Quando a inércia, a letargia ou apatia quiserem de nós se apossar, além de um simples momento de descanso, devemos nos lembrar que balanço bom é o que está em constante movimento.
Portanto, inclinemo-nos para trás, estiquemos as pernas, olhemos para o alto, fechemos os olhos, se preferirmos…
A emoção toda consiste em balançar-se, sorrir, gritar e se entregar!
Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: