Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Categoria

sensibilidade

Tudo gera lágrimas

TUDO GERA LÁGRIMAS

Que há quando quase tudo

Nos toca, sensibiliza, emociona?

Se alguém querido diz algo que nos magoa

Nos debulhamos em lágrimas

Se a pessoa se toca, se justifica, se desculpa

As lágrimas rolam mais intensas ainda

Se alguém amado não nos valoriza, não se lembra de nós, choramos

Se tem carinho, cuidado, atenção, choramos também

Se os outros são desligados e indiferentes ao que fazemos, choramos

Se alguém demonstra gratidão, reconhecimento, as lágrimas brotam sem cessar…

O sol que arde, a chuva que cai

Alguém que sofre, outro que é feliz

O frio que martiriza, o calor que enerva

Uns que chegam, outros que se vão e deixam saudades

Uns que nos encantam, outros que nos decepcionam

A vida que segue indiferente a todos, implacável

Como ondas num mar gigante que vão e vêm

E as lágrimas sempre, sempre brotando…

Será que estão lavando o terreno das impurezas e parasitas

Para um novo broto renascer?

Alda M S Santos

Pedidos de socorro

PEDIDOS DE SOCORRO

O mundo pede socorro

Quem é capaz de ouvir?

Pedidos tão barulhentos quanto uma sirene

Ou tão silenciosos como uma lágrima que cai

Crianças precoces sempre de agenda lotada e irritadiças

Jovens perdidos em tantas “opções” de vida moderna

Trancados em seus quartos, “góticos”, marcas roxas debaixo de lenços

Idosos “protegidos” em suas fantasias e remédios

Sorrisos, lágrimas, saudades, abandono

Adultos espremidos entre a infância e a velhice

Solitários entre tantas obrigações e cobranças, entre tanta gente necessitada

Escondidos em suas tarefas, fugindo em seus smartphones

Atrás de amigos virtuais nas telas dos PCs na solidão da madrugada

Todos “gritando” por socorro

Quem é capaz de ouvir?

Cada qual gritando sua dor de um modo

No andar, no olhar, no se esconder, no se mostrar

Na solidão autoimposta, nas atividades excessivas

Nas rebeldias constantes, nas drogas lícitas ou ilícitas

Na irritação desmedida, nos vícios diversos

Quem é capaz de ouvir?

A dor atinge a todos, o grau é variável, de “normal” a patológico

No sentir e no demonstrar

Mas há sempre uma “droga” a nos salvar

Até que não haja mais salvação

Quem é capaz de ouvir?

“Ouvir” a dor do outro é um modo de nos enxergarmos também

E, talvez, conseguirmos nos salvar…

É preciso olhar devagar, demorar-se na dor do outro

Mergulhar fundo na própria dor

Até não mais temê-la, até conseguir diluí-la…

É preciso a pureza e confiança de uma criança para “herdar o reino do céu”

O mundo pede socorro

Quem é capaz de ouvir?

Alda M S Santos

Bosque particular

BOSQUE PARTICULAR

Se nossa vida fosse resumida num bosque, numa mata

Como ela seria?

Quantas árvores frondosas, antigas

De copa acolhedora, troncos maciços, galhos grossos e retorcidos teríamos conservado?

Seria fechada, cheiro de terra úmida, cantos de pássaros

Insetos, vento soprando suavemente?

Teria nesgas de luz do sol a passar insistente entre os galhos e iluminando o chão repleto de folhas e frutos?

Haveria árvores novas crescendo felizes entre as matriarcas?

Seria uma mata convidativa ou amedrontadora?

Teríamos arrancado alguma árvore antiga ou impedido uma nova de crescer?

A majestade de uma mata está na diversidade, na segurança

Na capacidade de acolhimento que nos fornece gratuitamente

Conservar árvores antigas é manter a possibilidade de se recostar e descansar

Cultivar árvores novas é a capacidade de seguir em frente, de nos renovarmos sempre

Natureza que sempre ensina…

Alda M S Santos

Ilha dos Desejos

ILHA DOS DESEJOS

Numa Ilha dos Desejos

Que buscamos?

Desejos que brotam, que crescem, sufocam, aumentam até o horizonte

Onde o mar encontra o céu

Numa linha azul que se funde, se confunde, degradè?

Ilha dos Desejos

Que buscamos?

Desejos que se suavizam, se arrefecem, se amortecem em ondas tranquilas

Até esmorecer e sumir na areia da praia?

Ilha dos Desejos…

Que encontramos?

Desejos despertados ou satisfeitos, realizados?

Olho para tanta beleza e impotência dessa ilha

Desse mar azul, céu anil, coqueiros ao sabor do vento

E constato, afinal, que a verdadeira Ilha dos Desejos

Capaz de fazer nascer e morrer todo e qualquer desejo

É aquela que só nós temos a chave

Mas que nem sempre controlamos a entrada:

Nossos corações!

Alda M S Santos

Estação das Águas

ESTAÇÃO DAS ÁGUAS

Não sei se é da época, das pessoas

Ou do que está mesmo dentro da gente

Uma palavra ríspida qualquer

Um mero descaso, pouco caso, mágoa

Até mesmo um gesto de carinho e cuidado

Sensibilizam, fragilizam, geram lágrimas…

Espírito de Natal, espírito próprio?

Sei lá!

Estação das águas….

Alda M S Santos

Dia Internacional do Voluntariado

DIA INTERNACIONAL DO VOLUNTARIADO

Temos certeza que é algo trabalhoso de realizar

Que exigirá disponibilidade de tempo e dedicação

Sabemos que é algo bom e até fundamental para quem recebe

Muitas vezes, sendo o pouco com que podem contar

Imaginamos que seja prazeroso para quem realiza,

Mas que o trabalho voluntário é viciante

Só descobrimos quando começamos…

E queremos ajudar mais e mais e mais!

Chegamos a um ponto em que, se pararmos

Sofreremos de grave crise de abstinência

E percebemos que o tempo aparece, a dedicação aumenta

Ajudar, ser voluntário, fazer parte de algo assim

Levar carinho, atenção, distração

Em forma de doações materiais e emocionais

Nos faz valorizar muito o poder do carinho, de um abraço…

Nos faz valorizar ainda mais a vida

A nossa, a dos outros…

Alda M S Santos

#carinhologos

Constelação

CONSTELAÇÃO

Tudo ainda parecia muito real dentro dela

Deitada na rede lá fora, encolhida, rosto banhado em lágrimas

Rezava, tomava um copo d’água e tentava afastar aquilo da mente

Pesadelos não são reais, repetia para si mesma sem parar

São apenas sua mente tentando trabalhar o que te faz mal, insistia ela

Na tentativa de neutralizar aquela imagem ruim.

Sabia que precisaria de tempo para voltar à realidade

Entender que pessoas que a amavam não seriam capazes daquilo.

Tentava identificar as constelações no céu

Eram tantas e tantas estrelas…

E como quando criança, queria acreditar que uma delas, apenas uma

Era alguém querido que lá de cima olhava por ela

E a protegia de todo mal.

Aos poucos ia se acalmando, despedia daquela estrela

Que de repente parecia brilhar mais que todas,

E voltava para dentro para dormir…

Alda M S Santos

Metamorfose

METAMORFOSE

Fechados num casulo invisível, isolados do mundo de fora

Consumindo aos poucos as reservas acumuladas em si.

Assim são todos em processos de transformação.

Metamorfoseando-se!

Trancados em si mesmos, vão evoluindo para emergir um novo ser.

Muitos têm barreiras que impedem o acesso às boas reservas,

Acessam apenas o negativo, as culpas, angústias e medos,

Deixam de lado o amor recebido, doado, os sorrisos, as vitórias…

Aqueles momentos pelos quais vale uma vida inteira.

E, assim, as boas energias evaporam, não são aproveitadas Ficam frágeis, o casulo murcha.

Esse casulo doente precisa de interferência externa.

Precisa de um toque de amor,

De um sopro de vida…

Precisa de metamorfose!

Alda M S Santos

Anestesiados 

ANESTESIADOS

Estamos todos insensíveis,

Ou a sensibilidade mudou de cara?

Estamos todos inertes,

Ou nosso movimento é que é parado mesmo?

Estamos todos anestesiados por medo da dor,

Ou é pura covardia mesmo?

Estamos todos imunes à dor e sofrimento do outro,

Ou apenas estamos usando de autodefesa?

Seja como for, insensibilidade, inércia, imunização não são infalíveis!

Podem apenas mascarar um problema que cresce a despeito da analgesia.

Quando passar, chegará o momento da dor…

Quem estará preparado?

Alda M S Santos

Se eu nascesse de novo

SE EU NASCESSE DE NOVO

Se eu nascesse de novo, o que gostaria que fosse diferente?
Talvez não ter nascido no Brasil, terceiro mundo, corrupção…

Ter a beleza da Penélope Cruz, a fama da Júlia Roberts?

Ser a amada do Antônio Banderas ou casada com Denzel Washington?

Ser dona da fortuna do Bill Gates?

Loucuras à parte, conformo-me com meu tipo físico, minha “pobreza”,

Meu país, meu anonimato, minha profissão, minha família, minha vida…

Mas eu bem que poderia nascer com desejo menor de me envolver nas coisas alheias!

Se fosse difícil, que eu pudesse mesmo ter a capacidade de ajudá-las, não atrapalhar a elas ou a mim mesma.

Na impossibilidade, que eu ao menos não me importasse ou me frustrasse tanto.

Ou, ao contrário, que me importasse tanto, tanto para me tornar uma Madre Teresa de Calcutá!

Já que nada disso é possível, um pouquinho de (in)sanidade agora não me faria mal.

Alda M S Santos

Sede de quê?

SEDE DE QUÊ?

Sedentos estamos todos

A água disponível não é a ideal

Parada, corrente, concentrada, com ou sem sabor.

Inúmeras opções de cores e odores.

E precisamos apenas da velha e boa H2O:

Insípida, incolor e inodora.

Mas perfeita no que lhe cabe: saciar a sede!

Alda M S Santos

Beija-flor

BEIJA-FLOR
Lindos, passam a vida a beijar
Nessa vida de carinhos
Alimentam-se por inteiro
A si mesmos e ao outro…
Tão perfeitos…
Tão lindos!
Cores e encanto.
Deixaram-me aproximar
Quis ser flor, fui flor
Senti a alegria da simplicidade e do amor.
Alda M S Santos

Quando tive saudades

QUANDO TIVE SAUDADES

Quando tive saudades, teu canto ficou mais harmônico e doce…
Quando tive saudades, teu cheiro foi mais forte e inebriante…
Quando tive saudades, teu gosto foi mais saboroso e suave.
Quando tive saudades, teu toque foi mais aveludado e macio.
Quando tive saudades, a beleza que emanas foi mais encantadora…
Quando tive saudades, com sentidos potencializados,
Eu a matei!
Alda M S Santos

Nossa luz

NOSSA LUZ
Nossos olhos captam tudo à nossa volta. Todos temos capacidade para enxergar de tudo.
Alguns de nós focam e percebem mais o lado escuro, triste, amargo de tudo que nos cerca.
Outros, mais seletivos, passam pela tristeza e nebulosidade para enxergar o brilho, as cores, a alegria.
Como não deveria deixar de ser, esses são mais felizes que aqueles, pois entram em sintonia com o que veem.
Já aqueles, atraem para si o nebuloso, o negativo e têm mais dificuldade para interagir com a luz.
Cuidemos de onde repousam nossos olhos. Eles são o canal que levam beleza e encantamento à nossa alma.
Alda M S Santos

O som do silêncio

O SOM DO SILÊNCIO
O som mais alto que existe é o do silêncio. Sim! A frequência de seus decibéis não é para qualquer audição! É preciso, além dos sentidos usuais, um sexto sentido para ouvi-lo!
Quando o silêncio fala, ele isola tudo dentro da gente. Forma-se um vácuo. Nosso interior parece oco. O eco é constante. Tudo é mais!
Nossa sensibilidade fica à flor da pele, da audição, da visão. Percepções fora de nós são potencializadas.
O som das folhas que pisamos arranha os tímpanos. O brilho do sol arde por dentro. A aspereza das palavras machuca. O olhar frio fere. Uma música fala.
E isso extravasa em nossos poros, em nosso olhar, em nosso silêncio.
Poucos percebem, pois o sentido mais apto a ler o silêncio é pouco usado, vem da alma. É ele que capta essa sensibilidade exacerbada, essa tristeza calada, essa angústia que aperta, esse grito que reflete no olhar num mudo pedido de socorro, no modo de andar, no sorriso sem brilho, nas palavras forçadas, nas lágrimas contidas.
Quase sempre esse silêncio é rompido quando encontra quem o lê, para além das palavras não ditas.
Quem lê o silêncio, sabe que não precisa falar. Palavras são desnecessárias. Os olhares se entendem. Um abraço sela o acordo: estou aqui!
Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: