Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Categoria

cuidado

Um caso de amor

UM CASO DE AMOR

Vivo um caso de amor

Às vezes o deixo meio abandonado

Mas mesmo quando parece descuidado

Ele é antigo, eterno, apaixonado

Vivo um caso de amor

Esse amor é leal, pede atenção

Fica mais bonito com disciplina e dedicação

Corpo, mente e alma em busca da harmônica condução

Vivo um caso de amor

É comigo meu caso de amor mais intenso

Tem desejo, tem paixão, bom senso

Falhas, admiração, perdão, consenso

Meu caso de amor maior é assim

Cercado por anjos: Querubim, Serafim

Saúde, cuidado, começa e termina em mim

Aí, sim, quem sabe venha a ter no outro algum fim…

Alda M S Santos

Doçura a várias mãos

DOÇURA A VÁRIAS MÃOS

Um alguém que se encontra além-mar

Com saudades de um alguém do lado de cá

Num desconhecido brasileiro passeando por lá

Encontra a oportunidade de uma lembrança para cá enviar

Da França para o Brasil

De Rennes para Beagá

Um carinho em vidros de geleia

Atravessa o oceano para alguém alegrar

Passando por minhas mãos

Chega às mãos do irmão no hospital a se curar

E aquele sorriso largo de satisfação a lembrar

Da irmã que está há tanto tempo tão longe, noutro lugar

Uma conversa, lembranças, atenção

E um coração hospitalizado mais alegre ficou…

Quantas mãos são necessárias

Para tornar um pouco mais doce e feliz um coração?

Feliz por fazer parte, ser uma das mãos…

Que Senhor Tadeu encontre logo a recuperação

E possa logo num voo passear

Para comer geleia e sorrir com a irmã Theda Mara além-mar…

Alda M S Santos

Quem ama (se)cuida!

QUEM AMA (SE)CUIDA!

Quem ama cuida, protege, defende

Não quer ver o outro sozinho, desamparado ou entristecido

Quem ama quer estar junto

Salvar dos riscos, iluminar os caminhos

Quem ama quer regar e fazer brotar sorrisos

Quer enxugar as lágrimas, dar o colo, o ombro, ser amigo

Quem ama vigia o sono, afasta os monstros, faz um despertar feliz

Acolhe nos pesadelos, realiza os sonhos, sabe o que diz

Quem ama guarda lembranças, um verso, um presente

Um cartão, uma joia, flores desidratadas, não mente

Quem ama compra briga para defender o outro, não se alia ao “inimigo”

Quem ama honra a palavra dada, não foge, é abrigo

Quem ama troca abraços, divide a cama, partilha desejos

Escreve poemas, fala bobeiras, faz serenatas, pede beijos

Quem ama quer viver o amor, confia, não tem ou mete medo

Quem ama não quer privar-se ou privá-lo do amor

Diz bem alto “te amo”, não quer segredo

Quem ama cuida do outro

Quem ama também se cuida!

Alda M S Santos

Redoma de vidro

REDOMA DE VIDRO

Não podemos colocá-los numa redoma de vidro, isolando-os do exterior

Não podemos embalá-los à vácuo, engaiolá-los

Não podemos fechá-los numa bolha, protegendo-os

Tampouco podemos voar por eles

Ou tapar todos os buracos e retirar as pedras do caminho

Mas podemos plantar flores perfumadas em canteiros centrais

Cultivar árvores frondosas para dar sombra à caminhada

Para que façam seus ninhos, repousem

Podemos falar sobre trilhas que não levam a lugar nenhum

Podemos alertar sobre os becos sem saída

Sobre voos em áreas turbulentas

Podemos prevenir sobre os “encantos” e estratégias dos inimigos do bem

Aqueles que devagarzinho invadem nossas contas,

Presencialmente ou virtualmente,

Bancárias, físicas, mentais, emocionais, psicológicas

E nos deixam no vermelho com dívidas a pagar

Sem asas para voar…

Não podemos viver pelos outros, nem por quem amamos

Mas àqueles que nos foram confiados

Devemos proteção e cuidado, somos responsáveis!

Alda M S Santos

Pilateando

PILATEANDO

Quando o que aparenta ser pesado

Pode se tornar bastante leve

Quando o que aparenta ser um aprisionamento

Traz uma sensação de liberdade

Quando o que parece ser fácil

Exige força, concentração e disciplina

Quando o que aparenta ser prejudicial

Fortalece músculos de forma gradativa e divertida

Quando o que aparenta ser doloroso

Na verdade ameniza e cura a dor

Quando acreditamos que não daremos conta

Desenvolvemos equilíbrio, capacidade respiratória, autoconfiança

Integramos melhor corpo e mente

E nos sentimos voar…

Isso é “pilatear”, isso é Pilates!

Alda M S Santos

Caiu, quebrou…e agora?

CAIU, QUEBROU…E AGORA?

Bela, frágil, delicada

Caiu, quebrou, vários pedaços cortantes

Entornou, molhou, feriu, machucou, sangrou

E agora?

Junta tudo, enrola num jornal, põe para o lixeiro

Cristal quebrado não tem conserto!

Caiu, quebrou…e agora?

Guarda todos os cacos num cantinho como lembrança, revisita, faz um concerto dentro de si

Afinal, teve seus dias de glória, conta uma história especial e bonita

Caiu, quebrou…e agora?

Segue faltando pedaço, adapta-se ao que restou, meio vazio, meio cheio, entornando por aí

Caiu, quebrou…e agora?

Cola cada pedacinho como der, com cuidado para não mais se ferir

E continua a servir o doce vinho, o amargo Campari

Ou a borbulhante champanhe

Celebrando a vida…

Cada “cicatriz” a torna única, original, ímpar

Sinal de queda, mas também de vitória, aprendizado e sobrevivência…

Caiu, quebrou…e agora?

Cole! Seja o cristal ou a vida!

Alda M S Santos

Blindagem

BLINDAGEM

Não existe blindagem que ofereça proteção total

Que permita exposição ao risco e aos “tiros” da vida

Quer seja a animais peçonhentos, às intempéries da natureza

Ou à maldade e irracionalidade humanas,

Particularmente quando se trata de blindagem emocional

Existe autoconfiança, amor próprio, fé em Deus

Fé no amor e respeito do outro

Mas o que nos mantém minimamente protegidos

É o cuidado e respeito que temos conosco mesmos

Baseados no autoconhecimento, sabedores de nossos limites e fragilidades

No aprendizado adquirido com os erros, as quedas sofridas ou causadas

Ninguém está livre de ser atingido pelas mágoas e decepções

Pela confiança excessiva no outro, na humanidade, pelas perdas dolorosas

Pelos percalços que só quem não tem medo de viver enfrenta

A melhor blindagem é conhecer mais e mais o mundo e seus habitantes, seu habitat, hábitos

Mas, principalmente, conhecer a nós mesmos

Saber onde pisar, onde andar, até onde voar, quais limites respeitar

Para não nos ferir e tampouco ferir ao nosso próximo…

Alda M S Santos

É preciso ter amigas!

É PRECISO TER AMIGAS!

Amigas são primeira necessidade, a mais duradoura

Fazem -nos rir de nossas lágrimas

Ao nos mostrar que elas não minam só de nossos olhos

Brincam com nossas mazelas, nossas fragilidades

Nossas rugas de dentro e de fora, nossos cabelos brancos ou humor negro

Entendem nossos silêncios gritados, nossos gritos calados

Aqueles que à primeira palavra dita fazem jorrar lágrimas

Compartilham dos mesmos medos, talvez culpas

Pelos filhos, companheiros, pais e familiares

Entendem nossa necessidade de falar e aliviar, rir e chorar

A dor por uma unha quebrada, cabelo que cai, uma cintura que não afina ou uma ingratidão

A saudade que nutrimos por tempos bons ou nem tanto

Não veem nossas angústias como tempestade em copo d’água

Sabem que podemos sentir raiva mesmo de quem amamos

Principalmente de quem amamos…

Dividem conosco a ansiedade de querer fazer tudo pelos outros

E a angústia de estar sempre sobrecarregada, mas não conseguir ser diferente

Reconhecem a frustração de nem sempre podermos salvar quem amamos apenas com nosso amor e esforços

Aliviam nossos pesos apenas com um sorriso de “estou aqui”

Capazes de puxar a orelha quando percebem uma má escolha

Ou de se unirem em bando para “vingar” quem machuca uma delas

Ora uma está mais forte, ora outra, revezando auxílio

Num rodízio de amor vamos alimentando umas às outras

Amigas não retiram nossos problemas,

Mas nos ajudam a desnutri-los

Alimentando nossas qualidades e pontos fortes

Protegem- nos até de nós mesmas

Quando acreditamos que não somos nada e erramos em tudo…

Companheiros, pais, filhos são muito importantes

Mas há coisas que só outra mulher, e amiga, é capaz de entender

Por nossa sanidade, é preciso ser e ter amigas…

Alda M S Santos

E se fosse com você?

E SE FOSSE COM VOCÊ?

Certo ou errado, bom ou ruim

O melhor jeito de saber é sempre se perguntar

E se fosse com você?

Um comentário de mau gosto, uma crítica em má hora

E a criatura, tão “sensível”, afastou-se magoada

E se fosse com você?

Uma mentira aqui, uma promessa ali, deprimiu-se, aquela vida cerceada

E se fosse com você?

Uma mão que não foi estendida, um pedido de socorro não ouvido, uma lágrima que não foi considerada

E se fosse com você?

Uma vida que foi invadida, uma personalidade não respeitada, fragilidade negligenciada

E se fosse com você?

Bens subtraídos, traição exercida, uma fraude aplicada

E se fosse com você?

Um sorriso apagado, tristeza não evitada, emoção roubada

E se fosse com você?

Sempre tão bons em julgar:

“Mas já foi comigo”

Responsabilidade maior ainda por ter aprofundado

Por saber e ter sentido na pele o certo e o errado…

Quer saber se é bom ou ruim?

Coloque-se no lugar do outro!

Não faça para ele nada mais nada menos do que gostaria que fizessem com você!

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: