NÃO ARROMBA!
Dizem que a felicidade não entra em portas trancadas
Mas ela também não arromba
Ela entra conquistando espaços devagarzinho
Respeitando as manhas da fechadura
As chaves que talvez estejam gastas
Ou a ferrugem que já corroeu o tambor
A felicidade que arromba portas é traiçoeira
Do mesmo modo que entrou causando estragos
Sai deixando rombos por onde passa
A felicidade que vale a pena não arromba
Ela pega a chave certa e vai limando com cuidado
Com jeito e perícia, abre a porta de nossos corações
Entra, senta, toma um café
Nos faz um cafuné
Nos ama sem medidas
E ocupa um lugar especial
Pra nunca mais sair…
Alda M S Santos