A CASA
Era uma casa tão linda, iluminada, acolhedora
Ajudou a construir, tijolo a tijolo, decorou
Conhecia cada detalhe, cada recanto, cada morador
Cada espaço especial, cada fresta
Pontos fortes, fragilidades, a tudo amou
Abriu janelas, escancarou portas
Plantou flores, distribuiu perfume, delicadezas espalhou
Regou todos os canteiros do jardim com cuidado
Ajeitou as imperfeições do telhado
Grandes festas houve ali, bem animadas
A Lua refletindo na linda casa do lago testemunha dos afagos
Algumas tempestades enfrentou, ventanias acalmou
Ir e vir de visitantes encantados superou
Tinha naqueles corredores livre trânsito
Mas agora a chave se perdera, não a possuía
Já não tinha mais fácil acesso ali
De fora tudo parecia diferente, nada se apresentava do mesmo modo
A casa permanecia perfeita, cada dia mais formosa
Entre tantas outras na rua, bem parecidas, era a mais linda, tinha história
Sentia-se orgulhosa com tão linda construção
Morada que sempre faria parte de seu coração
Se quisesse entrar precisaria bater à porta
Aguardar permissão para estar em comunhão
Era um novo modo da vida seguir, continuar
Novas paredes construir, se proteger, telhados levantar
Sempre, sempre plantar belos jardins, cuidar, enfim
E jamais se esquecer que nunca, nunca se perde na vida por amar

Alda M S Santos