NOSSOS DESERTOS

Em nossos desertos internos

Pode faltar água

O sol castigar a pele

A aridez do solo queimar os pés

As tempestades de areia machucarem o corpo

O calor excessivo do dia causar alucinações

A friagem congelante da noite paralisar a emoção

Mas nunca se perde a esperança

De descansar à sombra de um arbusto

De encontrar vida ativa

De encontrar um oásis…

Essa espera que nos faz enfrentar todos os medos

Toda a secura de nossos desertos internos

O desejo de sobreviver é maior

Mas é a expectativa e a visão de um oásis mais à frente

Que nos alimenta nesse duro caminhar

Que abastece o coração de vida

Que mantém a alma em atividade e estado de espera…

Não importa quando

Apenas sabemos que o oásis irá chegar…

Isso basta!

Alda M S Santos