Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

ganhos

Perder ou ganhar?

PERDER OU GANHAR?

Dependendo de quem ou do que ganha

É melhor perder…

Há vitórias que só trazem desilusão

Há derrotas que carregam em si muito mais honra

Mesmo que sejam dolorosas

E, com o tempo, acaba-se percebendo

Que o que é vitória ou derrota é muito relativo

O tempo atenua uma e engrandece a outra

É só se percebe mesmo vitorioso

Quem enfrentou a “derrota” com graça e sabedoria

Ainda que tenha caminhado por trilhas esburacadas e frias

Olha para trás e vê aprendizado

Olha para frente e vê o sol brilhar

Cedo ou tarde tudo se esclarece

Derrota? Vitória?

Quem poderá mesmo dizer?

“Sou um milagre estou aqui”!

Alda M S Santos

As folhas que perdemos

AS FOLHAS QUE PERDEMOS

Uma grande e frondosa árvore

Quantas folhas produziu, quantas flores e frutos gerou

Quantas folhas secaram, caíram, “perderam-se”?

Mas a cada folha seca que caiu

A cada estação ou jornada que enfrentou

Ela engrossou tronco, aumentou galhos

Fortaleceu e aprofundou raiz

Tornou-se mais copada e bela, mais resistente às intempéries

Não controlamos as folhas ou frutos que perdemos

Mas, como acontece com as árvores,

Onde folhas, flores e frutos

Caem aos seus pés, viram húmus e as nutrem através do solo

O mesmo se dá conosco…

Cada folha perdida, chorada, sentida ou não

Nos fortalece, firma nossa emoção

Nutre nossa alma e nos abastece de amor…

Na verdade, nenhuma folha se perde

Nunca!

Quanto mais folhas e frutos “perdemos”

Deixamos cair, irem “embora”

Mais fortes nos tornamos…

Somos árvores!

Alda M S Santos

Perdendo vida

PERDENDO VIDA

Perder documentos, óculos, carteira, chaves

Num bolso, na bolsa, no transporte público ou na rua

Talvez se recupere, talvez não

E a vida continua…

Mas perder ideias, sonhos, ideais, pessoas, sentimentos

Escondidos num coração ou numa alma

Que não se mostra para o mundo

Que teme a dor, a rejeição, o sofrimento

É muito mais danoso, é perder o rumo, é perder vida

E talvez de modo irreversível

Todo cuidado é pouco com o que deixamos se perder de nós por aí …

Alda M S Santos

A iminência da perda

A IMINÊNCIA DA PERDA

É na iminência da perda

Que enxergamos o que possuímos

É na possibilidade do fim

Seja ele do que ou de quem for

Que encontramos a humildade

É na incapacidade de lidar com a falta

Que a fartura ou presença se impõem, se valorizam

É na imaginação da destruição ou inexistência do habitual

Que percebemos que não somos indestrutíveis, que não somos infinitos

Aquela mania de notar apenas a parte vazia

Desaparece mediante o esvaziamento da parte cheia

A consciência de nossa finitude, paradoxalmente

É que nos torna capazes de nos eternizar…

Alda M S Santos

Tesouros

TESOUROS

De tudo que é passível de perdas na vida

Dinheiro, emprego, casa,

Carro, joias, objetos preciosos

Nada gera mais dor e arrependimento

Nada pesa mais nas costas e encurva o andar

Nada tira mais o brilho do sorriso ou ofusca o olhar

Que a perda dos tesouros que não têm preço

Cuja falta desvaloriza qualquer outro “bem” adquirido

E que muitas vezes foi oferecido gratuitamente, negligenciado

Ignorado, não conservado, inviabilizado

A saúde do corpo e da mente

A fé em algo maior e superior que olha por nós

A capacidade de ser grato à vida em nosso entorno

Nas mais variadas formas de luz e beleza

Um olhar de aceitação e bondade de alguém querido

A utilização de modo solidário dos dons

Uma amizade verdadeira, desinteressada e sempre solícita

Uma vida de dedicação e cuidado recebidos daqueles que nos cercam

Um amor incondicional, que sobrevive às adversidades

Utilizando-as como adubo para deixar o broto do bem fortificar

E gerenciar sabiamente, equilibradamente, a esperança

Apesar, ou por causa, dos balanços, do ir e vir

Dos ganhos e perdas que todos temos…

Os tesouros mais difíceis de se perder não se guardam em baús ou bancos

São aqueles que, bem leves, carregamos na alma e no coração…

Alda M S Santos

Perdas e ganhos

PERDAS E GANHOS

Uma vida, qualquer uma, é cheia de perdas

E acabamos nos acostumando a elas

Perdemos as chaves, os óculos, dinheiro, documentos

Perdemos o emprego, o viço, a energia

Perdemos amigos, familiares, amores

Perdemos a noção do certo e do errado, do bem e do mal

Fazendo com os outros o que não gostaríamos que fizessem conosco

Perdemos a saúde, a ilusão, a juventude, a fé na humanidade

Perdemos o tempo enquanto torcemos para que ele passe logo…

Quando estamos prestes a nos perder de nós mesmos

Quando ferimos nossa própria essência

Quando não percebemos que cobramos dos outros mudanças que deveriam ser nossas

Quando “sentamos em nossos próprios rabos e puxamos os rabos alheios”, como diria minha avó

Nós passamos a buscar no olhar do outro aquilo que tememos não ver mais em nós

Ou aquilo que precisamos para nos reafirmar e não vemos mais tão claramente em nossos espelhos

Toda e qualquer perda pode ser danosa ou proveitosa

Mas nada é tão desastroso e tão cruel

Quanto a perda da fé em nós mesmos

E da consciência de pouco fazer para melhorar nossas vidas e do próximo

Da nossa capacidade e esperança de gerar mudanças

A perda da sensibilidade de ver no outro, nas suas diferenças

Um ser humano como nós, que erra e acerta, perde e ganha

O bem e o mal nascem primeiro em cada coração como pequeno broto

Somos nós que os irrigamos, alimentamos e os trazemos à luz, às sombras ou à escuridão

Ele é nosso alimento diário

Ganhamos quando fazemos das perdas um grande aprendizado…

Aprendemos com elas quando cuidamos para não causar mais perdas para nós ou para os outros…

Alda M S Santos

Que eu não perca!

QUE EU NÃO PERCA!

Posso até perder o emprego,

Mas que eu não perca a vontade de trabalhar

Posso adoecer, às vezes,

Mas que eu não perca a saúde física, a sanidade mental

Posso perder amigos, companheiros, familiares,

Ver pessoas importantes se distanciarem,

Mas que eu não perca a boa lembrança de todos e o desejo do reencontro

Posso até me decepcionar, derramar rios de lágrimas,

Mas que eu não perca a esperança e a fé Naquele que cuida de mim diariamente

Posso ver diluir-se no tempo até 50% do prazer de viver,

Mas que eu não perca a gratidão pelos 50% que restarem

Finalmente, que possa sempre reencontrar em mim mesma

A vontade imperiosa de viver e fazer sempre o bem,

De proteger os que me cercam, que de mim se aproximarem,

Deixar Deus agir através de mim,

Até independente de mim mesma, se necessário

E, em qualquer circunstância, dar o meu melhor

Para os outros, para os que amo, para os que me amam

Para mim mesma…

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: