Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

espelho

O melhor amigo

O MELHOR AMIGO
O melhor amigo te olha nos olhos
Encara, enfrenta, diz a verdade
Diz que tem saudade do que você era
Daquilo que você tem deixado de ser
O melhor amigo não desvia os olhos
Fala onde você errou, te ampara nos seus medos
Ralha com você, mas te dá carinho e atenção
O melhor amigo não te deixa desviar o olhar
Está presente, não foge, te cobra presença
Diz que se orgulha de você, não te deixa esmorecer
O melhor amigo sabe tudo de você
Não te deixa se tornar seu pior inimigo
Tampouco permite que você faça gol contra
Ou que seja atingido por fogo amigo
O melhor amigo te alertará se fizer mal aos outros
Mas, sobretudo, se fizer mal a si mesmo
O melhor amigo, se você permiti-lo agir, nunca deixará você cair
E, se isso acontecer, não te deixará lá por muito tempo
Ele te ajudará a se reerguer e seguir
Olhe para ele, não se esconda!
Seu melhor amigo está diante de você
Naquele espelho que você se olha todos os dias
E nem sempre se vê…
Dê um abraço apertado nele
E aquele sorriso que faz tudo se renovar…
Diga com convicção e sinceridade:
Eu te amo para sempre e nunca te abandonarei…
Alda M S Santos

Reflexos da alma

REFLEXOS DA ALMA

Sabe aquele olhar do qual você não consegue desviar
Ou aquele que, ao contrário, você não consegue enfrentar?
Devem-se à intensidade de sentimentos nele contidos
Olhares são reflexos do que vai na alma
São luz ou escuridão, toda a emoção
Nada escapa a um olhar atento
O que vai no outro olhar de sentimento
Falam de mágoa, de tristeza,  falam de dor
Falam de alegria, de desejo, falam de amor
Falam de esperança, de magia, falam da beleza da flor
Despertam a magia, acendem o calor
Podem provocar frio na barriga
Ou até criar uma briga
São diretos, certeiros, disfarçados ou sem pudor
Acabam com a letargia ou o torpor
São o modo que Deus criou
De nos fazer encontrar com quem Ele nos enviou
Para tornar nosso caminho mais suave
Enquanto estivermos por aqui nessa nave
Tentando ser e fazer feliz com um olhar que sorri
Que diz, “aconteça o que acontecer, estou aqui”
Que anda dizendo seu olhar por aí?

Alda M S Santos

Espelho, espelho meu!

ESPELHO, ESPELHO MEU!

Espelho, espelho meu, onde estarei eu?

Ela pergunta de pé diante do espelho inflexível

Encara seus olhos marcados pelo tempo

Carregados de histórias bonitas, finitas e infinitas, outras tristes ou estacionadas

Espelho, espelho meu, onde estarei eu?

Que, a bem da verdade, nunca fui a mais bela do reino…

Os olhos críticos descem para o corpo ainda esbelto e firme

As mãos acompanham, derrapam numas curvas, noutras elevações

Espelho, espelho meu, onde estarei eu?

Procuram a esperança e disposição de outrora

Ainda carece de movimento, o prazer de dançar, de se entrosar, de amar

Dá um rodopio, joga os cabelos, suspira, sorri para o espelho

Espelho, espelho meu, onde estarei eu?

O espelho que não sabe mentir devolve o sorriso meio inseguro

“No lugar de sempre! Nem a mais linda, nem a mais inteligente, mas está aí…ainda há muito a ser feito”

Encarar a verdade de nosso espelho exige coragem!

Espelho, espelho meu, onde estarei eu?

Ela sabe, entende o recado, se veste, joga um beijo para ele e vai se encontrar…

Ela sabe! Está em tudo e todos que carrega com amor dentro de si…

Enquanto houver vida haverá reflexos nos espelhos da existência…

Alda M S Santos

Diante do espelho

DIANTE DO ESPELHO

Diante do espelho eis a questão:

Quem é essa que me retribui o olhar?

Que olha além do brilho úmido, do tom castanho?

Dos cílios negros, do piscar intermitente?

Que tenta atravessar, ver em 3D, do outro lado?

O que vê? O que quer? Do que precisa?

Corajosa, mantém o olhar fixo em mim.

Mergulho profundamente, navego ali, temo me perder.

Vasculho recantos escondidos, cutuco pontos doloridos

Áreas obscuras, fechadas, há muito trancadas.

Retiro descartes jogados num canto, recupero itens da lixeira,

Troco “objetos” de lugar, demoro-me junto a alguns sentimentos

Sento, converso com eles, negocio, tento compreendê-los,

Aceitá-los, aproveitá-los, reativá-los ou descartá-los.

Tanta gente que já se foi e está ali. Reencontros, sorrisos. Para sempre serão amadas.

Vejo muito, vejo tudo, entendo tanto!

Hora de voltar!

Ela continua a me olhar. Lágrimas escorrem ali…

Lubrificaram o caminho difícil.

 Encaram-se. Sorriem.

Não foi difícil encontrar o caminho de volta.

Bastou seguir o amor, como migalhas de pão, deixado nas trilhas.

Apesar de tudo, são vitoriosas.

Lembram de um verso que leram:

  “Perdoa o que tiver que perdoar, abrace o que tiver que amar e o resto deixa, que a vida se encarrega de afastar”- (Tati Zanella)

Ou trazer de volta. 

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: