Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

escolhas

Porteira fechada

PORTEIRA FECHADA

A vida nos é dada de porteira fechada

Como propriedades negociadas com tudo que carregam porteira para dentro

Recebemos ao nascer um pacote pronto, sem escolhas

Mas não precisa ser assim para sempre

Aos poucos vamos “negociando” o que ela nos deu

Fazendo trocas, descartes, novas aquisições

Vamos fazendo valer nossas escolhas, desejos

Descobrindo o que nossa “terra” produz melhor

Ou aquilo que ela não é boa em cultivar

Adubando o que cresce, enriquece, matando pragas

E dando a essa “propriedade” chamada vida

Que é só nossa, querendo ou não

A nossa cara, nossas características

Tudo que temos ou somos é resultado de nosso trabalho

Na propriedade que recebemos a princípio

Há alguns anos ou décadas…

A porteira veio fechada

Abri-la e fazê-la crescer cabe a cada um de nós…

Alda M S Santos

Talvez

TALVEZ

Talvez um dia eu possa me arrepender

Talvez no futuro tudo venha a ser diferente

É até bom mesmo que seja, que mude

Mudança gera força, crescimento

Mas, hoje, é o que tenho

E, hoje, posso agir, escolher um caminho do qual me orgulhe

Talvez não saiba ao certo como agir

Mas sigo minha intuição, meu coração

Se ele dói, se aperta, é porque o caminho não é o melhor

Tem pedras, buracos, posso cair, me machucar

Ou não conseguir impedir a queda de alguém querido

Mudo a rota, a altitude, o voo

Balanço, fico insegura, nem sempre tranquila, tenho medos

Mas sigo em frente no hoje, mantendo o equilíbrio

Talvez amanhã nem esteja mais aqui

Mas quero levar comigo e deixar por aqui

A lembrança de alguém que fez tudo que pôde por amor

Talvez o amanhã mude, ou seja ainda melhor

Creio nisso e sigo…

Talvez…

Alda M S Santos

Se eu puder escolher

SE EU PUDER ESCOLHER

Se tudo na vida nos rouba tempo

Que eu possa escolher como ser roubada

Que meu tempo seja subtraído

Fazendo coisas que me dão prazer

Que dão prazer aos outros, aos que me fazem bem

E quando eu não puder impedir lágrimas e decepções

Que ao menos possa ter quem enxugá-las

E, para cada lágrima que porventura eu venha despertar em alguém,

Que tenha, em contrapartida, deixado a lembrança de um sorriso, um abraço, um beijo, um cuidado

Que logo roube seu lugar e faça o tempo ser precioso

Se eu puder escolher

Escolho focar e ficar no que fez e faz bem

De perto ou de longe…

Alda M S Santos

Humanos aranhas

HUMANOS ARANHAS

Somos humanos aranhas a tecer

Alguns tecendo teias fortes como o aço

Outros teias frágeis, mas impregnantes

Há os que tecem, sem objetivos de captura, apenas proteção

E ainda aqueles que sequer são capazes de construir teias

Esses, especialistas em se tornar presas de outras aranhas

Grudados em outras teias…

Há também as “aranhas” que buscam presas em outras teias

Já capturados por outras aranhas

Estamos, de todo modo, presos em alguma teia

De seda ou de aço, não importa

Cuidando da que construímos e de quem “capturamos”

Ou nos adaptando à teia em que fomos capturados

A liberdade consiste em escolher a “prisão”

A teia na qual estaremos nos fazendo de livres…

Alda M S Santos

Destinos

DESTINOS

Destinos: pré-estabelecidos ou construídos?

Um caminho que vem definido a priori

Do qual passamos a vida a buscar ou desviar

Ou um ponto de chegada que nem sempre podemos identificar?

Destino: o objetivo final dessa jornada, imutável

Ou o caminho que por nós é construído, aleatoriamente

Nas lutas e labutas diárias de nossas vidas entrelaçadas às dos outros

Buscando o que acreditamos ser o melhor para todos

Destinos: uma justificativa para o mal e a inércia

Ou um motivo a mais para abrir trilhas melhores na mata densa do viver?

Destino: nos paralisa ou nos move?

É possível evitá-lo ou qualquer caminho leva a ele, sem escapatória

Sendo tudo aquilo que vivemos por escolha?

Parafraseando Jean de la Fontaine

“Muitas vezes, encontramos o nosso destino por caminhos pelos quais enveredamos para o evitar”…

Qual tem sido nosso destino?

Alda M S Santos

Marcas do caminho

MARCAS DO CAMINHO

Há caminhos que escolhemos

Bonitos, diversos, floridos, claros, com fontes refrescantes

Mas que apresentam pedras e buracos a transpor

E há caminhos que nos escolhem, se impõem

Por vezes tranquilos, em outras verdadeiras provações

A ambos imprimimos nossas marcas, deixamos nossas pegadas

Leves, fáceis ou nem tanto para quem vem atrás

Ou pisamos nas pegadas alheias, apagando-as

Preguiça de construir as próprias marcas, dar os próprios passos

Destruindo o que outro construiu com sacrifício

Ou, ao contrário, completando as pegadas alheias

Com sabedoria, amor, perdão e generosidade

Construindo um mundo melhor…

Esses caminhos são os mais gratificantes!

Alda M S Santos

Livre arbítrio

LIVRE ARBÍTRIO

Ver alguém querido cometendo os mesmos erros seguidamente

Erros que sabemos onde vão dar, e o que vão levar

Por experiência própria, por vivências de outros

Por conhecimento dos obstáculos da vida, por maturidade

Dói!

Interferir é uma opção: falar, orientar, guiar

Até tentar desviá-lo dali, levá-lo pelas mãos a outro lugar

Impedi-lo de destruir a saúde física, mental, social, amorosa

Profissional, familiar, sua e dos outros

Até mesmo usando de autoridade e imposições

Mas onde fica o livre arbítrio?

Até que ponto podemos interferir na vida dos outros

Sem ferir o livre arbítrio, direito de todos?

Até que ponto podemos nos eximir de um posicionamento

Sem caracterizar abandono, covardia, fraqueza, comodidade?

Até que ponto o outro pode responder por si ou deveria ser “interditado”?

Até que ponto somos responsáveis devido ao conhecimento que temos?

Até onde o respeito pode ir sem se transformar em omissão?

Onde fica a linha tênue que separa o carrasco do Pilatos?

Podemos lavar as mãos?

De todo modo, dói!

Alda M S Santos

O dia em que a terra não parou…

O DIA EM QUE A TERRA NÃO PAROU…

Quando não nos posicionamos perante a vida

Quando não escolhemos caminhos ou não fazemos opções

Por inércia, ignorância, covardia, dúvidas ou medos

A vida não deixa de acontecer, o planeta não deixa de girar

A Terra não para pra nos esperar

As pessoas seguem as trilhas que escolheram

A vida se impõe, alguém “escolhe” por nós

E somos “obrigados” a aceitar a escolha de outros que caiu em nosso colo

O caminho a nós imposto, bonito ou feio, plano ou cheio de aclives

Sem nossa análise, avaliação ou aprovação

Delegamos a outros, por inércia ou inaptidão, o controle de nossas vidas

E percebemos que aquele “dia em que a Terra parou”

Existiu apenas na canção, nos sonhos loucos de Raul Seixas

Ela seguiu em ensandecida rotação e translação e fomos lançados fora de órbita

Para um lugar melhor ou pior…

A Terra, indiferente à nossa “preguiça”, continuou a girar…

A Terra continua a girar…

Alda M S Santos

Preferências

PREFERÊNCIAS

Há quem olhe para a poeira e feiúra das ruínas

Mas há quem veja nelas a possibilidade de encontrar um baú de tesouros

Há quem se assuste com os barulhos e destruição das tempestades

Mas há os que aguardem ansiosos o arco-íris que a elas se segue

Há quem veja naufrágio, sombra, afogamento e terror nas ondas revoltas do mar

Mas há quem veja sossego e paz em suas águas verdes e espuma branca que lavam e levam embora o indesejado

Há quem veja numa árvore frondosa muitas folhas a sujar o quintal ou a rua

Mas há quem veja galhos para subir, flores e pássaros para admirar, frutos para se alimentar

Há quem se enfeze com os espinhos, pragas e ervas daninhas dos jardins,

Mas há quem se alegre e sinta o perfume, as cores e músicas encantadores

Há quem reclame do cansaço do trabalho ou dos estudos

Mas há quem se fixe no bem que essa dedicação pode trazer

Há quem se põe, rabugento, inerte, a criticar os corajosos, alegres e afoitos

Mas há aqueles que, apesar de joelhos esfolados, cara quebrada, mantêm o sorriso pedalando sua bicicleta

Há quem evite amar, confiar, por medo de ter o coração partido

Mas há os que amam, se arriscam, ganham ou perdem, sorriem, choram, sofrem, têm saudades, vivem…

E há aqueles que percebem-se de coração partido por falta de uso, de vida.

Todos podemos ter medos, nos assustar, nos acovardar, desconfiar, entristecer, fraquejar, reclamar das dificuldades…

Mas o que fazemos com esses sentimentos tão humanos,

É que dá o tom diferencial de nossas vidas….

Alda M S Santos

Liberdade

LIBERDADE

Pseudo liberdade é quando escolhemos

As grades de nossa prisão.

Ou quando não as identificamos,

Mas estamos atrás delas,

Sempre nos cerceando.

Alda M S Santos

Você (es)colhe!

VOCÊ (ES)COLHE!
“Você (es)colhe o que planta”. Parece simples.
Escolhe bem, planta e colherá o que plantou…
Felicidade certa. Afinal, ninguém escolhe plantar semente ruim.
Mas na verdade não funciona bem assim.
Quando escolhemos entre uma semente entre tantas, nem sempre temos clara como se dará a germinação e o crescimento.
Muitas são as sementes. Muitas são as variáveis que atuam nesse processo: terreno infértil, aridez, seca, geada, tempestades…
Daí tantas vezes a colheita ser perdida, mirrada ou insatisfatória.
Quando escolhemos ser professores e não médicos, entre viajar ou comprar um carro, entre ter uma profissão ou um filho, entre um amor e não outro, entre casar ou ficar solteiro, estamos escolhendo o que nos parece melhor no momento.
Dizemos sim para uma semente e não para a outra.
Se ela será produtiva só o tempo e os cuidados que receberá poderão dizer.
Felizmente, Deus, nosso maior “agricultor”, sempre nos ajuda a nos desfazer da colheita ruim, permite-nos escolher novas sementes, possibilita-nos novos terrenos, nova colheita, com os conhecimentos adquiridos anteriormente.
Ele é a videira que nunca morre, que sempre produz.
A única semente certa, pois é a semente do mais puro amor.
Vamos (es)colher Jesus! Sempre!
Alda M S Santos

Vida infinita

VIDA INFINITA

Já pensou se pudéssemos escolher

O que tornar infinito em nossas vidas?

O que seria fundamental?

A saúde, a beleza, a juventude?

A inteligência, a lucidez, a memória?

A bondade, a fé, o amor?

O desejo, a vontade, o prazer de viver?

Um pouco de tudo?

Quero uma vida intensa no que tiver que ser…

Que seja infinita, mesmo finita.

E que o amor prevaleça.

Alda M S Santos 

Deixando brotar

DEIXANDO BROTAR

De onde menos se espera surgem grandes coisas, improváveis…

Num corpo frágil e pequeno está o coração mais solidário e altruísta que existe: Madre Teresa de Calcutá.

De uma simples ostra surge uma peça dura, resistente e linda como a pérola.

Das mãos defeituosas de Aleijadinho surgiram as mais lindas obras e esculturas de imagens Cristãs.

Mesmo com sua surdez, Beethoven criou maravilhas musicais.

De mentes “débeis” na infância surgiram gênios, o maior físico existente: Einstein.

O maior genocida de todos os tempos: Hitler.

Da “guerra ” sem violência surgiu a luta pela desigualdade racial de Martin Luther King, Nobel da Paz. 

De uma simples manjedoura surgiu o Salvador do Mundo: Jesus.

Muitas são as histórias de luta, superação, vitórias e solidariedade pós decepções e limitações.

De toda dor, de toda lágrima, de toda dificuldade, de todo problema,

Algo sempre irá brotar, irá renascer, irá crescer.

Bom ou ruim, produtivo ou não…

Somos nós que decidimos o que fazer com elas.

Cuidemos do que andamos regando em nossas mentes, em nossos corações,

Plantando em nossa alma…

Alda M S Santos

Parceiros de caminhada

PARCEIROS DE CAMINHADA
Nós, humanos, somos praticamente “iguais” fisicamente. Pouquíssima coisa nos diferencia uns dos outros.
O corpo é formado das mesmas partes, para as mesmas funções…
Então, o que faz com que achemos algumas pessoas mais belas, tenhamos mais afinidades, prazer na companhia, numa conversa, num carinho de umas do que de outras?
O que nos faz precisar uns dos outros?
O que determina que algumas sejam tão necessárias e outras até dispensáveis?
Qual a beleza que tanto atrai e realmente importa?
É aquela que vem de dentro, as emoções, a luz que cada um irradia, a simpatia, o carisma, a espontaneidade, o sorriso, o prazer em viver.
E isso é único em cada uma, como uma digital.
Por isso, sentimo-nos atraídos pelas qualidades que nos são afins.
Essa escolha é inconsciente, não se explica. A gente sente e só.
Por isso, as pessoas precisam-se, sim. Precisam-se para trocar amor, carinhos, alegrias, boas energias, sonhos, divergências que possibilitem crescimento, paz…
Para trilharem juntas um caminho que, sozinho, não teria a menor graça.
Alda M S Santos

Consciência

CONSCIÊNCIA

Consciência: Firme ou flexível, nós a formamos ao longo da vida a partir de nosso ser social. Até que ambos estão tão misturados tão incutidos um no outro, que não sabemos mais quem comanda quem. 

Quanto mais maduros formos, mais a sentiremos falar conosco.

Nossos desejos, nossos anseios, nossos medos, nossos erros e acertos, tudo passa por ela. 

Prestamos contas, sem perceber, a vários seres sociais e segmentos nessa vida, mas somente a ela deveríamos fazê-lo. 

Somente nossa consciência pode nos orientar. Se ela doer, pesar, algo vai mal. Se estiver leve e pacífica, tudo vai bem.

Tentar enganá-la é perda de tempo. Até podemos enganar aos demais, mas a nossa consciência não somos capazes de fazê-lo. Cedo ou tarde ela dará o grito e nos trará de volta à realidade. 

Muitas vezes pode parecer que ela nos acovarda, que nos impede de agir.

Porém, nossa consciência é o que somos, é a voz de nossa alma. 

Ninguém é tão forte para suportar o peso de uma consciência pesada. 

Atingi-la é nos descaracterizarmos. 

Feri-la é nos ferirmos de morte. 

Nada reflete tanta beleza quanto uma consciência limpa e uma alma em paz. 

Precisamos delas leves e delicadas como uma flor! 

Alda M S Santos

Entre isso e aquilo

ENTRE ISSO E AQUILO

Fomos concebidos de uma escolha, nascemos de uma escolha, vivemos sob o jugo de nossas escolhas. 

O tão falado livre-arbítrio, decisões de nossas mentes, nossos corações, com implicações diretas em nossas almas. E, muitas vezes, nas vidas de todos que nos cercam. 

Trabalhar ou descansar, estudar ou divertir, casar ou ficar solteiro…

Todo o tempo fazemos escolhas, até mesmo sem perceber. Umas mais leves, outras mais duras, sérias, pesadas, dolorosas. 

E o peso delas será sentido. Sempre.

Quantas vezes queremos, ansiamos, pedimos pra voltar atrás, ter nova chance, nova oportunidade? 

Essa é uma escolha que não temos. Além dela, só a derradeira.

A vida caminha sempre pra frente. Independente do que deixamos para trás. 

Onde temos poder é no hoje, nas decisões do hoje, nas escolhas do agora. Mesmo que a gente não escolha, escolhemos por inércia. Deixando o barco rolar. 

Fácil? Não! Cecília Meireles já dizia há muito tempo no seu “Ou Isto ou Aquilo”: “Quem sobe nos ares não fica no chão, quem fica no chão não sobe nos ares. É uma grande pena que não se possa estar ao mesmo tempo nos dois lugares!”

E, fazendo escolhas, entre erros e acertos, sorrisos e lágrimas, confiando no Pai, vamos seguindo por esse caminho que construímos passo a passo, pedra a pedra, flor a flor…

Até sermos chamados de volta para casa.

Alda M S Santos

Somos marginais

SOMOS MARGINAIS

Somos marginais quando deixamos os medos nos travarem.

Somos marginais quando a culpa nos paralisa.

Somos marginais quando não enxugamos as lágrimas que fazem-nos derrapar nessa estrada.

Somos marginais quando deixamo-nos ser jogados para fora. 

Somos marginais quando os sorrisos não nos atingem, palavras não nos direcionam, a beleza não nos encanta, a bondade não nos empolga, o amor não nos cativa, a fé não nos move. 

Somos marginais quando aceitamos o nocaute da vida passivamente…

Estaremos sempre às margens enquanto não decidirmos assumir a direção desse “barco” e tomarmos a via principal de nossas vidas…

Alda M S Santos

No alvo

NO ALVO
Em nossas vidas, sempre estamos em busca de algum objetivo.
Seja material, pessoal, profissional, espiritual ou amoroso…
Sempre temos um alvo no qual miramos nossas flechas.
Nossa capacidade de atingir as flechas nesse alvo vai depender de fatores diversos. Porém, nossa técnica vai sendo aprimorada ao longo desse esporte chamado vida. E passamos a acertar mais.
Aprendemos a nos posicionar melhor, a manter o equilíbrio, a esticar mais a corda, a manter a concentração e o foco, a calcular a interferência dos ventos, a regular a intensidade e potência dos disparos, dependendo de cada alvo e campo de tiro, a cuidar de nosso arco e flecha. Equipamento danificado não acerta o alvo tão facilmente.
Precisamos, acima de tudo, escolher melhor os alvos que iremos mirar e saber qual flecha usar para cada um.
Importante também é saber que todo o possível se faz antes do lançamento da flecha. Disparada, é torcer e aguardar. Se obtivermos êxito, ótimo. Caso contrário, novas flechas, novos alvos, novas posturas…
O esporte não termina porque uma ou duas flechas erraram o alvo. Talvez ele nem fosse tão interessante assim! E a experiência será válida para a próxima tentativa.
Lembremos disso quando não conseguirmos algo tão sonhado! Abandonar o esporte não é uma opção!
Alda M S Santos

Ainda não sei

AINDA NÃO SEI…
Ainda não sei…
Sou apenas um ser errante perdido nessa galáxia. Talvez fosse perfeita noutra dimensão.
Ainda não sei …
Se inferior ou superior a esta. Sei apenas que tantas vezes me sinto perdida por aqui.
Ainda não sei…
Sobra-me algo? Falta-me algo? Sei apenas que minha “kriptonita” não vale de nada por aqui, exceto como arma contra mim mesma.
Ainda não sei…
Tantas diferenças com meus iguais, tantas semelhanças com meus desiguais!
Onde está o “erro”?
Ainda não sei…
Igualo-me a eles? Peço que se igualem a mim?
Ainda não sei…
Precisamos ser iguais?
Sei apenas que não saber, dói! Angustia!
Mas sei de uma coisa importante: sendo ou não daqui, é aqui que estou.
Enquanto estiver por aqui, darei o melhor de mim. E tentarei obter o melhor dos outros.
Alda M S Santos

O quebra-cabeça e os relacionamentos

O QUEBRA-CABEÇA E OS RELACIONAMENTOS

Observando os relacionamentos à minha volta chego à seguinte conclusão: nós, e a pessoa que nos é destinada, somos compostos pelas peças de um mesmo quebra-cabeça. O objetivo na vida é encontrar qual pessoa tem as peças que irão nos completar e vice-versa.

Passamos a vida montando esse quebra-cabeças, encaixando as peças em lugar errado, retirando, tentando de novo, acertando e tornando a errar. O problema é que, às vezes, passamos boa parte da vida tentando encaixar peças erradas, peças que não se completam.

Imagina um cachorro tentando encaixar uma perna de gato. Fica manco! Por isso existem relacionamentos tortos! Passam a vida forçando peças não afins a se completarem.

Quando veem que não vai dar, partem para outra. Aí, as peças já estão desgastadas, desbotadas, e, ainda assim, lutam para se encaixar em outro quebra-cabeças…

Devemos fazer como as crianças que misturam peças de quebra-cabeças diferentes. Dá trabalho, mas vale a pena separá-las para poder brincar direito.

Resumindo: o que vale é se divertir nessa brincadeira. Rir e aprender juntos com os erros e comemorar os acertos. Como em toda brincadeira, se deixou de ser divertido é hora de parar de brincar antes de começar a briga…

Alda M S Santos

 

Há receitas?

HÁ RECEITAS?

Para estar de bem com a vida
Não há receitas, não há tutoriais.
Cada pessoa exige ingredientes diferentes
O “ponto” de cada massa é diverso
O tempo que se leva para “assar” é variável
Mas há ingredientes que são unanimidade:
Boas companhias, um lugar agradável e Deus.

Alda M S Santos

Eleições: hora de escolher

ELEIÇÕES: HORA DE ESCOLHER
Escolher sempre é difícil, visto que escolha implica abrir mão de várias coisas em detrimento de outra.
Escolher entre tantas boas opções é doloroso. Sempre haverá a sensação de perda.
Porém, ter que escolher entre tanta “falta” de opção é terrível.
Saber que é necessário optar, averiguar, analisar, investigar e não ter certeza da veracidade de nada é muito difícil!
Assim estão essas eleições municipais. Tanta gente dizendo que anulará o voto ou escolherá o menos pior. Lamentável situação da democracia! Sabermos que precisamos passar a limpo toda a classe política dessa nação e não encontrarmos substitutos!
O mais trágico é que, na maioria das vezes, estamos tão descrentes que colocamos todos no mesmo saco da falsidade e corrupção e perdemos a chance de ouvir e conhecer alguém bom.
Acredito que haja alguém à altura por aí! Precisamos dar uma chance de se manifestarem. Parto do princípio que escolher um que acredito, mesmo levemente, é melhor que deixar que outros o façam por mim.
Sigo apenas um critério que estabeleci: quero gente nova! Renovação deve ser a cara da nossa política.
E que Deus nos abençoe!
Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: