Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Categoria

Sonhos

Além do Céu

ALÉM DO CÉU
Há dias que parecem tão longos
Nada do que queremos acontece
O viver parece meio amortecido
Corpo fica sem lugar, padece
Coração ora cheio, ora vazio, dolorido
Desejos que não se materializam
Sensações indefiníveis, amortizam
Parece perdida nessa dimensão
Tudo que se quer é que algo bom aconteça
Que preencha alguma lacuna em branco
Que faça com que essa viagem seja proveitosa
Estende-se ao ar livre, de tardezinha
Olha para o céu de azul intenso
Raios solares atravessam entre os galhos das árvores
Um avião passa longínquo, quase não se nota
Será que haveria nesse espaço outras naves, outros seres
E num desvio sensacional de rota
Trariam para nossa órbita terrestre
Mais amor, paz, esperança, uma vida mais campestre
Vê uma luz riscar o céu em resposta
“Oh, oh, seu moço do disco voador
Me leve com você pra onde você for”…

Alda M S Santos

Faça três pedidos

FAÇA TRÊS PEDIDOS
Não encontrei a lâmpada de Aladim
Tampouco um gênio a me conceder três pedidos
Mas ele me disse: meu amor te concederá três desejos
Olhei para ele e não consegui identificar de onde o conhecia
Tinha um olhar terno de imensa bondade
Olhava fundo em meus olhos
Havia muito amor ali, parecia me conhecer até a alma
Eu não precisaria nada pedir
Ele chegou e me deu um longo abraço apertado
Daqueles que matam saudades seculares
“Este pedido não vale”- ele disse
“Não quero mais nada”- beijou as lágrimas que escorriam
Deu-me as mãos, levou-me com ele
Como se asas brotassem em mim
Voei alto, bem alto, tudo apreciando
Sentindo-me tão à vontade, total sintonia
Não havia medo, tampouco ansiedade
Sentamo-nos no alto de uma montanha
Da altura das nuvens, cachoeiras em cascata ao redor
Pássaros pousavam nas nossas mãos
“É sonho? Não quero acordar!”- afirmei
Uma veste branca, fina e leve cobria meu corpo
Balançava todo o tempo como um halo de luz
Eu flutuava, levitava, cheguei a uma imensa porta
Estendi as mãos para ele
“Não! Ainda não! Virei te buscar na hora certa”
Deu-me um longo beijo e me colocou de novo lá embaixo
“Siga seu caminho, você está indo bem”!
Falei que meu único pedido era ir com ele
“Ainda não é chegada a hora”
Soprou-me um beijo e sumiu…
Fiquei ali com meus três desejos
Fé, esperança e amor renovados…
O outro teria que esperar!
Alda M S Santos

Sonhos

SONHOS

Muitos têm, outros não

Uns dispensam, outros reivindicam

Dormindo ou acordados

São inspiradores…

Partilháveis ou não,

Dão forças, geram energia

Sem eles é estagnação

Com eles vamos avante

Mantê-los é saudável

Lutar por eles é promissor

Realizá-los é o paraíso!

Alda M S Santos

Sobre as águas

SOBRE AS ÁGUAS

Queria ser capaz de correr sobre as águas

Com toda a confiança de nunca afundar

Até chegar do outro lado do horizonte

Onde o mar se encontra com o céu

Ou sobrevoar as águas tal qual pássaro

E mergulhar vez ou outra em busca de um peixe

Num barco também não seria nada mal

Numa maré baixa deixar-me levar

Debruçar sobre ele e jogar água para todos os lados

Sei lá!

Sinto uma atração irresistível pela água

Uma atração que causa-me medo e prazer

Parece que ela me chama todo o tempo

Será que se eu atendesse esse chamado seria capaz de voltar?

Conseguiria? Quereria?

Daqui fico a observar, a sonhar, a imaginar

Com os pezinhos na areia

Na beira do mar…

Alda M S Santos

Sonhos…

SONHOS…

Sonhos…tão nossos, só nossos…

Sonhos “presos” no âmbito do in(consciente)

Estão protegidos em sua irrealidade

Trancados atrás das telas frias da impossibilidade

A partir do momento que ousam ser compartilhados

Cruzam uma fronteira perigosa e audaciosa

Passam a correr dois riscos:

Tornar-se reais, ainda que diferentes do sonhado

Transformando-se em realidades lindas, leves e doces como voo de beija-flor

Ou morrerem, em pesadelos escabrosos, sufocados pela grossa nuvem de poeira do mundo real

De um modo ou de outro deixam de ser sonhos

Daí tantos humanos cautelosos preferirem manter sonhos como sonhos

Guardadinhos na mente, na alma, no coração, protegidos…

Alda M S Santos

Acertando as contas

ACERTANDO AS CONTAS

Ela chegou ali de um modo nada louvável: à força

Abdicando da própria vida

Logo foi questionando para uma imagem amigável: por que me abandonou?

Levada para uma biblioteca gigante de luz

Lindos e variados livros, de todos os tamanhos e espessuras

Alinhados nas prateleiras, pareciam ter vida

Nas lombadas, os nomes de todas as pessoas, biografias

Autorizada, escolheu alguns nomes conhecidos e folheou

Uns eram finos, outros com interrupções, espaços em branco

Vários com mais de um volume

Histórias de vidas acompanhadas em tempo real

Buscou pelo que continha seu nome, não encontrou

“Você escolheu não estar aqui”!

Em salas contíguas, outros livros, outras vidas

Uma delas de pessoas que já tinham partido

Na outra, pessoas em estágio “terminal”, tratamento intensivo

Encontrou seu nome, pegou sua história

Ali, todos os momentos de sua vida e todos que dela participaram

Os momentos difíceis em que pessoas anjos preciosas apareceram

-“Eu não te abandonei, veja!”-o olhar era de puro amor

-“Mas muitos foram embora”-ela disse, chorando.

-“Ficaram pelo tempo necessário, enquanto podiam te fazer bem”!

Olhou mais alguns livros de “histórias amadas”

Notou que seu livro ainda possuía páginas em branco

Uma página arrancada, ela observou que estava escrito “fim”.

-“Volte! Sua história não acabou. Você ainda é necessária na história de muita gente”!

Ao lado do seu, todos os livros nos quais era personagem

Histórias de amor entrelaçadas…

Recebeu um abraço de amor intenso,

Forças renovadas, voltou…

Iria preencher aquelas páginas em branco…

Alda M S Santos

Aniversários

ANIVERSÁRIOS

Quando somos meninas, tudo que queremos é ter 14, 18, 20 anos…

Realizarmos tudo que queremos, grandes sonhos, grandes projetos.

Conquistamos o mundo, conquistamos a admiração dos outros, alçamos voos altos, realizamos nossos sonhos.

 Um pouco mais para a frente, percebemos que o mais valioso é conquistarmos a nós mesmos,

Mantermos nossa própria admiração, nosso próprio respeito, nossa essência.

O mais interessante é que, mantendo isso, conquistamos o amor de quem, verdadeiramente, vale a pena.

Percebemos que o melhor e mais valioso voo é que nos mantém próximos de quem amamos e não nos afasta de nós mesmos.

E, isso, ninguém nunca poderá nos tirar. 

Alda M S Santos

Bola pra frente

BOLA PRA FRENTE
A maturidade diminui nossas urgências em algumas coisas. Porém, se algo estiver fora dos eixos, essa urgência só aumenta com a ideia de que o tempo está ficando mais e mais curto…
Algumas coisas queremos para agora, outras para ontem, e há ainda aquelas que para nunca!
Só nós podemos fazer essa escolha!
Escolha feita, agir, curtir e “bola” pra frente, pois o jogo só acaba aos 45′ do segundo tempo.
Alda M S Santos

Acertando o passo

ACERTANDO O PASSO
Olhar sempre pra frente
Para onde queremos ir
Algumas vezes, olhar para trás
Para aproveitar o que foi bom e descartar o que não valeu a pena.
Mas, sobretudo, olhar para o lado
Para amar, valorizar e acertar o passo
Com quem caminha conosco
Sendo o amor e amizade no momento,
Ou todo o tempo…
Alda M S Santos

Quando o amor não é o bastante

QUANDO O AMOR NÃO É O BASTANTE

Quando vemos tantas pessoas que amam e, ainda assim, sofrem, podemos chegar a uma difícil conclusão: o amor é supervalorizado.

Vejamos uma mãe que luta dia após dia por um filho dependente químico, que o ama, acredita, investe, recomeça incansavelmente e, ainda assim, ele retorna ao vício, maltrata-a, maltrata-se. O amor dela se mantém, porém, nem sempre alcança seu objetivo.

O amor de um filho pelos pais que o ignoram, que não assumiram a função tão sublime recebida de Deus, deixando-os crescer à própria sorte. Mesmo assim, tantos filhos tentam, pelo amor, tirar os pais de vidas desregradas e infelizes.

Uma esposa que, independente dos adjetivos que receba de todos, insiste no amor ao marido que em nada a dignifica, que trai, que ofende física e psicologicamente, que não a completa, ou em nada ajuda relacionado aos filhos, ao lar ou à família.

Uma pessoa que trabalhe num asilo, que dedique seus dias a dar amor, atenção, carinho, e só vê simples rasgos de brilho naqueles olhos cansados e nebulosos pela tristeza do abandono.

Finalmente, talvez o maior de todos, alguém que ame outro alguém, romanticamente, e espera que esse amor seja o bastante para fazê-los estar juntos, porém, não é o que acontece. Muitas vezes não há reciprocidade, noutras há empecilhos diversos que impedem a aproximação. Tantas vezes o momento não é o adequado, ou a distância, a saúde, as famílias, o trabalho…

Certo é que o que mais vemos, até mais que amores plenos, são amores frustrados. Será que isso acontece porque supervalorizamos o amor, ou porque esperamos que ele faça milagres?

Avaliando essas situações chego a três conclusões.

Primeiro, o amor não poderia resolver tudo sozinho. Não salva um filho das drogas, os pais da infelicidade, os idosos do abandono, a esposa amargurada ou os amantes frustrados.

Segundo, o amor faz, sim, muitos milagres. O filho drogado, os pais desregrados, os idosos abandonados, os amantes, todos estariam muito piores se não fosse o amor que recebem, sentem ou distribuem.

E terceiro, quem recebe amor é privilegiado, mas quem é capaz de senti-lo ou doá-lo é quem sai no lucro, verdadeiramente. Pode até não obter grandes resultados, pois depende de vários sentimentos que estão no outro, dos quais não tem controle, mas impede que a situação do outro seja ainda pior.

Há também muitos que se salvaram com o amor recebido; pais, filhos, cônjuges, idosos, amantes. O amor é incansável!

Jesus sempre pregou o amor acima de tudo. Sempre sofreu e deu o máximo do amor por nós: Sua Vida.

O amor que se doa sempre retorna em dobro. Coração que ama está sempre cheio, vivo, vibrante, ainda que seja de lágrimas ou saudades.

Supervalorizar o amor pode parecer ingênuo, porém, subestimar sua força e seu poder certamente não é muito inteligente!

Alda M S Santos

Mais no meu blog http://www.vidaintensavida.wordpress.com

Só o Amor

Trocas

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: