Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Categoria

Saudades

Deixando saudades

DEIXANDO SAUDADES
Onde não há vícios do olhar
Quando não estamos anestesiados pela mesmice
Onde nossos olhos repousam e se encantam
Onde nosso coração sente prazer em estar
Onde a respiração é longa, suave e doce
Onde o carinho vem natural, nas palavras e nas atitudes
Onde nossa alma sente-se acolhida, em casa
É de onde sentimos saudades, deixamos saudades
É onde reabastecemos nossa energia vital
É onde o amor se faz essencial
Alda M S Santos

A semente da saudade

A SEMENTE DA SAUDADE

Saudade é semente que o outro semeia no coração da gente

Que só brota, cresce, vira uma plantinha

Quando o semeador vai embora, deixando-nos sozinhos

Sem saber dela cuidar…

Ainda assim, ela cresce, se desenvolve, vira árvore

Cria raízes e tronco forte

É alimentada pela natureza

Pela chuva, pelo sol, pela lua e pelas estrelas

É abastecida pelas lembranças boas ou nem tanto

Escorre em lágrimas ou sorrisos como rio nas pedras

Saudade é planta que só cresce alimentada pelas recordações

Aquelas doces memórias que mesmo dolorosas

Fazem nosso viver mais bonito

Sabendo que ele foi rico de coisas boas

Que fincaram em nós suas raízes

E não querem mais ir embora

Isso é saudade!

Você já cuidou hoje da sua saudade?

Qual é a saudade que você gosta de ter?

Alda M S Santos

Mais no meu blog vidaintensavida.com

Para a Tarde de Poesias do grupo Pedaços de Amor em poesias Tema: Saudades

Ah, saudades, há saudades…

AH, SAUDADES, HÁ SAUDADES…

Saudades que fixam o olhar no infinito

Querendo trazer de volta algo tão bonito

Ah, saudades, há saudades…

Saudades que olham ao longe

Mas na verdade enxergam mesmo é dentro de si

Vasculham em seu interior

Mexe, remexe, revive, tempos que não voltam mais

Faz e refaz, apaga e reescreve

Saudade é a vida passada a limpo

É a versão final de algo que já deixou de ser

Rascunhos fora, saudade é a parte bonita

Aquela que foi sorriso, foi amor

Saudade é a prova de que houve vida

Saudade é testemunho vivo de algo que adormeceu para o mundo

Mas permanece bem acordado dentro da gente…

Ah, saudades… há saudades!

Alda M S Santos

Nostalgia

NOSTALGIA
Nostalgia é morada da saudade
É tempo que para no tempo
É vida presa nos laços da felicidade perdida
É desejo de retornar a um ontem sonhado, idealizado, quase irreal…
Nostalgia é melancolia profunda
Que entende o presente como alegria artificial, forçada
E perde a visão de um amanhã real
Enquanto se agarra ao passado, sentimental
Nostalgia boa é saudade gostosa
Que deixa o passado em seu devido lugar
Mas o usa para alimentar e irrigar o hoje de força e fé
E planta um futuro com sementes de esperança
Retiradas dos frutos bons do passado
Formando o círculo completo da existência…
Alda M S Santos

Um grupo, um violão

UM GRUPO, UM VIOLÃO

Um grupo, várias vozes, um violão

Uma roda, ao ar livre, numa tarde gostosa no sabadão

Nem precisa ser muito afinado, não

Basta que tenha vontade, carinho, amor e atenção

Que as músicas sejam de uma época saudosa, refinada seleção

Que tragam boas lembranças e animação

Que despertem desejo de cantar, de dançar pelo salão

Que haja poesia nos versos singelos e amorosos da canção

Que sequer se importem com qualquer limitação

Que a gente perceba em cada voz que vibra o pulsar do coração

Em cada sorriso que se abre a luz que brota da gratidão

Em cada palavra terna a sincera satisfação

Em cada abraço, a troca do amor precioso, o amor irmão!

Alda M S Santos

#carinhologos

Onde está nosso coração

ONDE ESTÁ NOSSO CORAÇÃO

Não precisa procurar muito, bobagem ir longe

Parte de nosso coração sempre estará onde mais nos dedicamos

Onde derramamos nossos dons, nosso trabalho prazeroso

Nosso carinho, nossa amizade, nosso amor

Passe o tempo que passar, seja qual for a distância

Reencontrar pessoas, rever espaços

Lugares que passamos boa parte de nosso viver

Onde estão nossas digitais emocionais

Receber o carinho sempre tão especial

Daqueles pequenos seres que se doam sem medidas

Não tem como não sentir uma emoção, felicidade e saudade profunda…

Enquanto eu me emocionar numa escola

Enquanto me encantar com crianças aprendendo

Com o carinho tão espontâneo delas

Irei agradecer por ter podido ensiná-las e aprender com elas tanto tempo

Saberei que meu coração sempre estará “enterrado” ali…

E, principalmente, na marquinha especial que levam de mim no peito

E que eu trago delas comigo…

Vivemos nas marcas que deixamos nos corações alheios

E nas marcas que carregamos deles conosco…

Alda M S Santos

Não vai embora

NÃO VAI EMBORA

Não vai embora quem fincou em nós suas raízes de bondade

Não vai embora quem nos fez sorrir, nos permitiu servir

Não vai embora quem nos demonstrou amor na simplicidade

Não vai embora quem nos ensinou que gratidão é da vida o pão

Não vai embora o amor que é partilha, que irradia, que aquece

Não vai embora quem, sem perceber, ajudou a curar nossas feridas

E, acreditando ser ajudado, nos fez ser cada dia melhores

Não vai embora quem amou sem qualquer garantia, gratuitamente

Pois assim que deve ser todo amor: gratuito e incondicional

Até pode ir, mas sua luz é tão forte, que será presença constante em nós

Até pode ir, mas não vai só, leva parte de nós consigo, pra sempre

E deixa-nos com muitos vácuos, mas repletos de amor e saudade…

Alda M S Santos

#carinhologos

Uma brisa leve

UMA BRISA LEVE

Saudade só é boa quando a lembrança não dói mais

Quando traz alegria e não tristeza

Quando fazemos as pazes com quem ou o que foi embora

Quando a partida do outro ou de um tempo bom

Nos irriga de alegria, de gratidão, faz-nos bem por ter existido

Enquanto alimentarmos raiva, tristeza, revolta ou decepção

A saudade será como um desastre ambiental dentro de nós

Daquele tipo que percebemos a chegada

Mas não temos forças para evitar…

Saudade não pode ser uma tempestade destruidora

Saudade deve ser como uma brisa leve e suave

A balançar nossos cabelos, aquecer nossos corações

Arrepiar de prazer nossa pele, iluminar nosso sorriso de amor

Fazer brilhar nos olhos o reflexo de uma alma em paz…

Alda M S Santos

Que aroma tem sua história?

QUE AROMA TEM SUA HISTÓRIA?

Comida de fogão a lenha tem cheiro de casa de vó, de infância na roça

Plástico novo tem cheiro de surpresa, de expectativa, de brinquedo no Natal

Fumo de rolo tem cheiro do vovô, com seu lindo sorriso e olhos verdes por detrás da fumaça

Cachaça e rapadura têm cheiro da venda do meu tio, de homens cansados e suados

Velas queimando cheiram à igreja, ritos e celebrações

Terra molhada tem aroma de brincadeiras na rua até tarde

Alfazema tem aroma de sonhos da adolescência, de banho recém-tomado

Hortelã tem aroma e gosto de beijo, de timidez

Almíscar tem aroma de amor, de abraço, de entrega

Cheiros, perfumes, aromas e fragrâncias fazem nossa história

Nada fica tão marcado na memória como o que se assimila pelo olfato

Tudo isso remete a pessoas, lugares, tempos ou situações,

E atinge direto a emoção, boa ou ruim.

Ativa o coração, a alma.

São memórias, são histórias, são saudades,

Que a gente revive, querendo ou não…

Que aroma tem sua história?

Alda M S Santos

Saudades

SAUDADES

Não sentimos saudades de algo ou alguém

O que nos angustia é a saudade de nós mesmos

Daquilo que éramos, do que sentíamos, da leveza

Do que dávamos conta, do que produzíamos, da energia

Da alegria espontânea, do amor, da proteção

Do encantamento perante a vida

Da sensação agradável e preciosa

Em relação a algo ou alguém que passou, que ficou lá atrás, mas deixou um laço em nós

E vez ou outra volta e nos lembra do que vivemos

Saudades da infância, da terra Natal, dos avós, dos filhos pequenos, dos amigos do colégio, da faculdade, dos amores…

Nostalgia, saudades de nós mesmos em outras épocas

Em outras situações mais amenas, mais ilusórias, mais esperançosas

E que se foram belas e rápidas como águas de uma cachoeira

Saudades…

Alda M S Santos

Queria voltar àquele tempo

QUERIA VOLTAR ÀQUELE TEMPO

Queria voltar àquele tempo

Onde os desejos eram simples e facilmente satisfeitos

Chupar bala puxa-puxa, subir em árvores, andar descalça, brincar na rua, tomar banho de bacia, dividir a cama com o irmão

Tempo de sentimentos puros e perfeitos…

Queria voltar àquele tempo

Onde os amigos eram menos virtuais, mais reais

Estavam do outro lado da cerca de bambu

A apenas um abraço de distância

Tempo de amigos leais…

Queria voltar àquele tempo

Onde os amores eram mais verdadeiros

Confidências, sorvete na pracinha, beijos roubados, “pegas” no portão

Tempo de amores mais parceiros…

Queria voltar àquele tempo

Onde as músicas eram pura poesia

Dançantes ou não, tocavam corpo e alma

Tempo de melodias que refletiam o que a gente sentia…

Queria voltar àquele tempo

Onde até sofrer era uma forma “doce” de viver

Sem precisar recorrer a antidepressivos

Tempo de magia, encanto e prazer…

Queria voltar àquele tempo,

E me sentir plenamente reviver…

Alda M S Santos

Dia da Saudade

DIA DA SAUDADE?

Dia da saudade não existe

Existe motivo da saudade

E esse é apenas viver

Quem vive sente saudades

Deixa saudades,

E isso acontece dia após dia

Até sermos apenas saudade…

Alda M S Santos

Minha avó

MINHA AVÓ

Pequena, magrinha, miudinha mesmo

Um abraço parece que irá quebrá-la

Minha avó, cabeça branquinha até onde minha memória alcança

Ela tem 95 anos, 6 filhos, 19 netos, 18 bisnetos e uma tataraneta

Olhos fundos, uma vida de força escondida ali!

Geniosa, contadora de casos, vida sofrida, cismada

Sempre trajando saia e blusa de mangas compridas, trabalhadeira

Faça frio ou calor, sol ou chuva

Mora sozinha por opção, sempre na janela a olhar quem passa,

Cuida da horta, das galinhas, da casa

Deita-se junto com o sol e levanta-se com ele

Nunca tira fotos, dificilmente sai de casa

Não usa perfume, tem cheiro gostoso de vó, aroma da minha infância!

Econômica na demonstração de afetos, de emoções

Mas quem a conhece reconhece o brilho no olhar

Quando estão perto quem ela ama

E a opacidade que toma conta quando vão embora

Até a janela da frente se fecha em protesto

Junto com o semblante e o coração

Fala muito na morte para espantar o medo que sente dela, do desconhecido

Bem humorada, diz que tem três coisas: velhice, feiúra e ruindade recolhida

Pra mim tem outras: força, fé, coragem e muito amor contido

Nas minhas lembranças mais antigas de vida, ela está

E ficará para sempre…

Te amo, vó!

Alda M S Santos

Quem é ela?

QUEM É ELA?

Ela olha aqueles carros que se vão rua abaixo e acena

Levam consigo dois seres amados

Há pouco tempo desciam essa rua “quebrados” numa bike

Hoje seguem seu caminho sozinhos e ela fica

Coração apertado, lágrimas nos olhos

Tenta conciliar o orgulho pelos filhos bem criados e encaminhados

E a saudade da época em que estavam consigo todo o tempo

Pertinho, sendo cuidados, amados, protegidos…

É o caminho natural da vida, ela sabe bem

Difícil separar o que é, que sempre foi e está dentro de si

Do que ficou dentro deles e eles levam embora…

Sempre foi tantas mulheres, tantas coisas, que não sabe mais quem é de verdade!

Tenta não se abater, concentrar-se no orgulho de vê-los bem.

Não é mais tão necessária!

Precisa confiar, esperar e aceitar novos tempos

Eles sabem que sempre serão amados, protegidos e cuidados quando precisarem

A vida tem sua maneira de encaixar tudo em seus devidos lugares…

Alda M S Santos

Natal e Saudades

NATAL E SAUDADES

Percebemos que os filhos cresceram

Quando montamos sozinha nossa árvore de Natal

Ninguém cobrando, quebrando bolinhas, se encantando com o pisca

Fazendo a cartinha para o Papai Noel, contando os dias para o Natal…

Percebemos que o tempo passou quando

Não estamos mais respondendo como o Noel consegue atender a todos

Ou por onde passa quando não há chaminé

Ou se vai de avião quando não há trenós

Buscamos outras respostas, agora a nós mesmos:

Onde o tempo ficou, por que passou sem a gente perceber?

A mente passa da infância dos filhos para a própria infância…

Saudades imensas!

Volta para o ano que passou, revive tudo

Tanta coisa digna de sorrisos, lágrimas, superação, saudades…

Nota a presença de Deus em tudo, em cada detalhe

Não precisa de árvores, luzes ou enfeites

A luz está dentro de si, essa que precisa estar acesa!

Mas a árvore está quase pronta, seca as lágrimas…

Sempre amou essa época, alegra-se

Jesus vai nascer!

Que seja no coração de cada um de nós!

Feliz Natal!

Alda M S Santos

Saudades

SAUDADES…

Saudades…

Sentimento ambíguo, pois só se tem saudade do que é ou foi bom

Mas que dói, maltrata, machuca

Nostalgia, tristeza, desejo do reencontro

Bom mesmo é quando podemos saciá-la

Aí é euforia, prazer, êxtase!

Caso contrário, as lembranças tentam suprir a falta

Saudade vive da expectativa do reencontro

Saudade rima com esperança

Esperança rima com amor!

Alda M S Santos

Dor da ausência

DOR DA AUSÊNCIA

Ela queria um novo CD do meu aniversário

Gosta muito de cantar, tocar, voz linda, muito afinada

É deficiente visual, percepção auditiva muito apurada

“Sabe, tia Alda, cantar manda a tristeza embora, alegra a alma”!

Isso mesmo, tem toda razão!- digo admirada.

“Quando a gente tem a dor da ausência, da saudade, cantar cura!”

E a gente ainda pensa que criança não sabe o que diz!

Nem precisa ser afinadinho, não, basta cantar!

Se quiser chorar, chore! Não tem problema, lava tudo!

Muita umidade a gente corrige com humildade

Mudando de posição, girando, pedindo ajuda…

Alda M S Santos

Saudade não tem idade

SAUDADE NÃO TEM IDADE

Abraço sempre restaura energia

Traz carinho verdadeiro, calor que acalma

Se vier acompanhado de

“Fico com muitas saudades de você todo dia”,

É capaz de trazer alento, alegria

E percebemos que a saudade é sentimento que já nasce desde as fraldas

Não tem idade!

E com ela viveremos a vida toda

Mas sempre irá doer,

Sempre dará vontade de chorar,

Ainda que a gente sorria…

Alda M S Santos

Quarto vazio

QUARTO VAZIO

Um quarto vazio a mais na casa

Um espaço “desocupado” na alma

Daqueles desocupados que ocupam muito espaço

E que parecem estar mais cheios que os demais.

Um quarto vazio a mais na casa

Um quarto vazio dentro de mim

Olho para ele, fecho a porta, prefiro não ver.

Dói menos.

Olho novamente, sou atraída,

Abro a porta, entro, sento na cama,

Relembro, sorrio, é bom, saudades…

E choro. Dói também.

Qualquer espaço vazio é muito ocupado

Preenchido por inúmeras lembranças.

Tatuadas na alma da gente

No quarto vazio dentro de nosso coração.

Alda M S Santos

Bagagem de mão

BAGAGEM DE MÃO

Na viagem para dentro de nós mesmos

A saudade vai na bagagem de mão

Livre e fácil acesso

Junto ao chocolate e um batom

Enquanto estes alimentam e embelezam o corpo

Aquela “satisfaz” e encanta a alma! 

Alda M S Santos

Quando a saudade bater 

QUANDO A SAUDADE BATER

Quando a saudade bater, não se deixe abater!

Busque consolo naquela foto bonita e de sorriso feliz.

Quando a saudade bater, 

Busque abrigo nas lembranças de uma boa prosa.

Quando a saudade bater,

Busque acolhimento na memória daquele abraço quente e macio.

Quando a saudade bater, 

Busque aquela refeição saborosa que partilharam

Quando a saudade bater,

Busque ouvir a música que os marcou. 

Quando a saudade bater, faça tudo isso…

Mas quando a saudade bater,

Pra não se abater,

Bom mesmo é ouvir a voz, sentir o cheiro,

Admirar o sorriso, abraçar apertado, tocar as mãos,

Conversar muito, afastar qualquer mal estar, 

Sorrir junto, estar junto…

Há coisas que só a presença 

É capaz de resolver…

Vamos lá?

Alda M S Santos

Saudade dolorida

SAUDADE DOLORIDA

Saudade dolorida, tão redundante!

Acaso existe saudade que não doa?

Há saudade energizante, saudade paralisante,

Saudade que tem pretensões de alegrar,

Suspiros, nostalgias, lágrimas…

Saudade do que não houve,

Tantas vezes nítida, outras nebulosa…

Mas saudade que não cause dores, não há!

Remetem a algo que não mais temos…

A algo que gostaríamos de resgatar.

A pior delas é a saudade de nós mesmos,

Aqueles que fomos outrora e não mais somos,

Não mais nos identificamos em nosso modo de ser,

De fazer, de agir, de querer, de se querer…

Olho em meus olhos, exploro-os, busco-me,

Saudades de mim…

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: