AH, SAUDADES, HÁ SAUDADES…

Saudades que fixam o olhar no infinito

Querendo trazer de volta algo tão bonito

Ah, saudades, há saudades…

Saudades que olham ao longe

Mas na verdade enxergam mesmo é dentro de si

Vasculham em seu interior

Mexe, remexe, revive, tempos que não voltam mais

Faz e refaz, apaga e reescreve

Saudade é a vida passada a limpo

É a versão final de algo que já deixou de ser

Rascunhos fora, saudade é a parte bonita

Aquela que foi sorriso, foi amor

Saudade é a prova de que houve vida

Saudade é testemunho vivo de algo que adormeceu para o mundo

Mas permanece bem acordado dentro da gente…

Ah, saudades… há saudades!

Alda M S Santos