Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Categoria

dores

Foi assim…

FOI ASSIM…

Eu tinha tanto medo que sequer me mexia

O peito gritava em silêncio

As lágrimas escorriam ininterruptas

Tinha cuidado para elas não fazerem barulho

E chamar a atenção daquele que me prendeu ali

Recolhi-me em mim mesma e rezei

Pedi a Deus para me tirar dali bem rápido

Pois a ansiedade me consumia, apavorava

Se possível que me levasse para minha vida de antes

Ou logo para perto Dele, se merecesse

Não tinha medo de morrer

Tinha medo de deixar sozinhos aqueles que amava

Que sofreriam com minha ausência

Minha cabeça sangrava, meu corpo doía apertado ali

Com hematomas e violência sofrida

Minha mente tentava manter-se alerta a qualquer barulho

Meu coração parecia a ponto de explodir,

Minha alma morria aos poucos por dentro

E o carro sacolejava…

Perdi a consciência e acordei com o porta-malas sendo aberto

Fui retirada dali vestida de nuvem, flutuando

Levada pelas mãos por aquele que me sequestrou, também vestido de nuvem

Anjo, tornado demônio, anjo de novo “Fui convocado para te buscar” – ele justificou sorrindo em resposta ao meu olhar questionador

Num espaço paradisíaco e inimaginável

Vi todos aqueles que amei me esperando “Só faltava você”! E vieram flutuando me abraçar…

Chorei, sorri, morri, vivi…

Foi assim…

Alda M S Santos

Feridas abertas

FERIDAS ABERTAS

Aquela ferida profunda no dedo

Machucou fundo, doeu, sangrou muito

Ora fratura, atinge nervos importantes

Limpamos, higienizamos, medicamos, repousamos

Isolamos como podemos do ambiente externo

Por vezes são necessárias suturas, enfaixamento para fechamento e cura

E ausência de limitação de movimentos e cicatrizes grandes posteriores

Mas tudo parece atingi-la em primeiro lugar

O dedo ferido “chama” para si todo atrito

Encosta em tudo que atiça novamente a ferida

E, frágil, sequelado, sangra novamente…

Algo em nós que foi machucado ou ferido

Sempre será frágil, sempre terá marcas profundas

Sempre necessitará de cuidados especiais e controle

Sempre será atingido por coisas aparentemente banais

Vale para feridas da carne, do coração, da mente ou da alma…

Alda M S Santos

Instrumentos do bem

INSTRUMENTOS DO BEM

Numa reunião aberta de AA, junto de minha mãe,

Comemorando os 44 anos de tal grupo da irmandade,

Diante de muitos depoimentos de superação

Fui refletindo no quanto Deus nos usa a todo momento uns para os outros.

Ali havia um grupo de leigos, mas que tinha um mal em comum: a dependência alcoólica.

O fundador do AA precisou passar por esse mal para poder entender e ajudar desde então…

Tantos outros casos de ajuda!

Pessoas que perdem entes queridos em acidentes, para drogas ou situações violentas,

E criam grupos de ajuda.

Uma boa parte das pessoas que foram abusadas “caça” os abusadores.

Quantos grupos sem fins lucrativos criados a partir da dor de um ser humano?

Com o objetivo único de superar, ajudando a superação dos outros?

Isso é questão de caráter, de essência, de bondade da alma.

Quem foi abandonado, torturado, traído, abusado ou maltratado de qualquer forma,

Jamais gostaria de ver aquele tipo de sofrimento no outro!

E o que puder fazer para impedir isso, não medirá esforços.

Claro que há outros que não conseguem retirar lição do sofrimento,

E resolvem suas angústias e medos causando em outros o mesmo mal…

Felizmente, não são todos…

Mas a certeza de ter feito todo o possível, às vezes, é o bastante para a paz de espírito de cada um de nós …

Deixemos Deus nos usar, ser instrumentos do bem !

Alda M S Santos

A dor mais doída

A DOR MAIS DOÍDA

A dor mais doída é certamente a que sentimos no momento

Podemos até com certa sensibilidade imaginar a dor do outro

Mas, se nunca a sentimos, não dá para mensurar com precisão

Porém, penso ser unanimidade:

A dor mais doída é aquela que remédio não cura

Uma ida à farmácia e uma cesta de medicamentos não amenizam

Para as dores do corpo há remédio: agudas ou crônicas

Mas para as dores da emoção, da alma, do coração

Não há ida à drogaria que cure!

Aquela mágoa com o outro que aperta o coração

Aquela decepção que inunda olhos e alma

Aquela culpa ou frustração que minam a autoconfiança

A saudade daqueles que se foram sem volta

As dores mais doídas dentro da gente ninguém mensura

As dores mais doídas são as da tristeza e mágoa

Escurecem os olhos, apagam o sorriso, afastam-nos de nós mesmos

A ida à farmácia deve ser substituída por um passeio longo dentro de nós, todos os recantos…

E acreditar que encontraremos um caminho claro e bonito

E seguir…

“A tristeza é como um rio

Se estancada, ela aprofunda.(Pe Fábio de Melo)

Alda M S Santos

Templos

TEMPLOS

Escolas são templos, hospitais são templos,

Igrejas são templos!

Hospitais curam os doentes do corpo,

Escolas curam os “doentes” do conhecimento,

Igrejas, independente de qual seja, curam os doentes da alma

Uma igreja recusar acolher um pecador

Seria o mesmo que uma escola fechar as portas ao analfabeto

Ou um hospital não atender uma vítima baleada

Detentores do conhecimento não precisam de escolas,

Saudáveis não necessitam de hospitais

Igrejas não são casas de santos!

Igrejas, todas elas, devem abrigar pecadores e sofredores da alma.

Templos servem para nos fazer melhores do que somos,

Desenvolver o maior templo de todos: nós mesmos

O templo do amor!

Vamos acolher a quem precisa

Seja qual for o templo!

Alda M S Santos

Angústia

ANGÚSTIA

Peito apertado, vontade de ficar apenas deitado

Ou sair de cena, desligar por uns tempos, hibernar

Sensação de angústia, vontade de chorar…

Quantas vezes nos sentimos assim

Sem sequer saber exatamente quais os reais motivos, as razões?

Os modos de lidar conhecidos não funcionam

Ler, escrever, assistir filme, dormir, ouvir música…

Quando conversar com alguém, rezar, ajudar os outros, pouco auxiliam.

Tudo parece fora de lugar, desconectado!

Lá fora parece tão grande, mas não nos cabe

Cá dentro está apertado e nos machuca…

Queremos apenas um cantinho na nossa medida

Que tenha chuva e tenha sol,

Que tenha lágrimas, mas também tenha sorrisos

Que tenha Deus, prazer de viver

Que tenha quem nos ame,

Que tenha quem amamos

Que a gente se encontre de novo nessa nau…

Alda M S Santos

Dor da ausência

DOR DA AUSÊNCIA

Ela queria um novo CD do meu aniversário

Gosta muito de cantar, tocar, voz linda, muito afinada

É deficiente visual, percepção auditiva muito apurada

“Sabe, tia Alda, cantar manda a tristeza embora, alegra a alma”!

Isso mesmo, tem toda razão!- digo admirada.

“Quando a gente tem a dor da ausência, da saudade, cantar cura!”

E a gente ainda pensa que criança não sabe o que diz!

Nem precisa ser afinadinho, não, basta cantar!

Se quiser chorar, chore! Não tem problema, lava tudo!

Muita umidade a gente corrige com humildade

Mudando de posição, girando, pedindo ajuda…

Alda M S Santos

À beira do abismo

À BEIRA DO ABISMO

Todos podem, por vezes, sentirem-se à beira do abismo

Andando na corda bamba

Sob o fio da navalha

Pisando em ovos…

Qualquer pisada em falso

Um momento de distração

Uma brisa mais forte

E tudo vai para o brejo

Cai-se para o fundo do abismo,

A corda se parte, a navalha corta

Os ovos se quebram…

Nem sempre é adrenalina, quase nunca é divertido

Desgaste que vai cansando,

Levando ao recolhimento, à introspecção,

E tantos caem no escuro da depressão!

Quantos pertinho de nós podem estar assim?

Saberíamos se fôssemos nós a ficar assim?

Alda M S Santos

O quanto dói o que mais dói?

O QUANTO DÓI O QUE MAIS DÓI?

Dor de dente, cólicas renais, parto, coluna,

Enxaquecas, ressacas, crises de abstinência, nervo ciático,

Luto, amor, saudade, solidão, compaixão, ingratidão…

São tantas a doer!

Dores são bem democráticas

Quase sempre distribuídas a todos

O grau de cada uma e o que fazemos delas

É o que nos difere uns dos outros.

Tantas pessoas sorridentes por aí

Com dores que uns julgam pouca coisa

E outros sequer pensariam em suportar.

Qual a dor que mais dói?

Aquela que sabemos que também dói no outro,

Ou a que sabemos suportar sozinhos?

A dor que mais dói é certamente a que sentimos no momento.

O quanto cada dor dói, só quem a sente é capaz de dizer.

Nunca subestimar a dor ou sofrimento do outro,

Não potencializar a nossa, tampouco fingir que não existe,

São bons modos de encarar esse mal comum a todos.

Uma injeção de amor também seria o ideal!

Alda M S Santos

Quando tudo dói

QUANDO TUDO DÓI

Há dias em que tudo dói

Até cabelos e ossos

Partes que dizem ser desprovidas de sensibilidade

Por não terem terminações nervosas

Mas quando sentimos dores que não identificamos,

Tudo parece doer!

Normalmente são dores que vêm lá de dentro

Alguma questão mal resolvida dentro de nós.

Qual o remédio? Qual a cura?

Silêncio e oração, família e amigos,

Independente da ordem em que apareçam para nós,

Ou que tenhamos que buscá-las!

Simplesmente, precisamos…

Alda M S Santos

Remédio ruim é que cura!

REMÉDIO RUIM É QUE CURA!

Remédio ruim é que cura, diziam nossos avós

Numa tentativa meio besta de nos fazer tomar certas poções.

E era cada coisa amarga e intragável,

Quase pior que o próprio mal que visava combater.

Bem ou mal, acabávamos mesmo curados!

Resta saber se pelo malfadado chá ou se pelo tempo transcorrido.

Mas disso tudo ficou uma lição:

Remédio ruim cura, sim!

Desde unha encravada, passando por gripe forte, dor de dente, mau olhado, até dor de cotovelo!

Mas se ele vier acompanhado de uma canja de galinha,

Uma cama quentinha, um cafuné e muitos cuidados de amor,

O convalescente fica pronto pra outra rapidinho!

Alda M S Santos

Cicatrizes reabertas

CICATRIZES REABERTAS

Cicatrizes aparentes costumam ser grosseiras, ásperas, rígidas

Cicatrizes escondidas são mais finas e delicadas

Ambas demonstram força e fragilidade

Fragilidade por ter se machucado,

Força por ter sobrevivido

Mas ambas deixam o indivíduo com medo do risco,

Sem coragem de andar “descalço”

Cicatriz reaberta demora mais a fechar,

Cicatriz reaberta é a dor de hoje potencializada,

Pela dor de ontem no hoje,

Pelo medo do hoje no amanhã!

Alda M S Santos

Pra parar de doer

PRA PARAR DE DOER

-Papai, quero ser grande e forte como você para os machucados não doerem!

-Não, filho, os machucados doem, a gente apenas finge que não dói e não chora à toa!

-Então quero ser forte como a delicadeza da mamãe.

-É? Por quê? Ela chora! 

– Ela disse que chora para parar de doer. Quero assim! 

Alda M S Santos

Coma Induzido

COMA INDUZIDO

Procedimento: Indução de um coma atemporal

Indicação: Proteção de circuitos importantes

Retorno à consciência de dentro pra fora

Quando for capaz de processar estímulos externos sem dor,

Quando a alma estiver em paz consigo mesma.

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: