Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Categoria

Carinho que cura

Você pode

VOCÊ PODE!

Sempre há algo a se fazer
Para tornar melhor a vida de alguém
Assim tão pobre que nada possa oferecer
Nesse mundo não há ninguém

Você pode uma fome saciar
Ou um alguém, em trapos rotos, vestir
Pode também pés machucados calçar
Ou um corpo nas noites frias cobrir

Se você não puder dessas coisas dispor
Não desanime, não se entristeça
Abra os braços, levante a cabeça
Ofereça sorrisos, abraços, tempo
Você pode fazer a diferença

E se tudo isso vier a falhar
Ainda pode o amor doar
Sendo verdadeiro em todo lugar…
Você pode!

Alda M S Santos

Com as mãos

COM AS MÃOS

Há quem faça tudo com as mãos

Elas são extensão de sua emoção

Tá triste, encolhe as mãos

Tá feliz, fala com as mãos

Tá com raiva, sacode e xinga com as mãos

Tá emotivo, alisa as mãos

Tá tenso, aperta as mãos

Tá de qualquer modo, largado

As mãos se jogam de lado

Tá saudoso, abraça com as mãos

Conversa com alguém, as mãos são complemento

Se é alguém querido,

As mãos se tocam todo o tempo

Se quer levar carinho, matar saudades

As mãos se cruzam e ficam juntinhas

Mãos cumprimentam, dão adeus

Postas, oram a Deus

Pode ser específico de algumas personalidades

Mas, mãos que se dão são prenúncio

De uma relação baseada no afeto

Mãos se doam, se dão, acolhem o irmão

Pelas mãos das pessoas

Dá para alguém saber o que se passa

Na alma de outro alguém…

Alda M S Santos

Beijos de todo tipo

BEIJOS DE TODO TIPO

São tantos e de todos os tipos

Aqueles de carinho de um pai ou de uma mãe

Os dados na bochecha de um amigo/irmão

Os que se dá na mão, por cavalheirismo

Os que se dá na testa, por proteção

Os que são de amor, alegria e confiança de uma criança

Os que se estala no rosto em agradecimento

Os que são dois em cumprimento

Há ainda os que se dá como selinho nos lábios

Se o cumprimento for mais íntimo

Há os que são beijos acompanhados de abraços na pontinha dos pés de amor/amigo

Ou os que são mais longos, apaixonados, em entrega e promessa de algo mais

Há aqueles de tesão em que abraços, braços e corpos acompanham

E há os de amor, cumplicidade, suaves e ternos que carregam uma vida consigo…

Há beijos de todo tipo…

Gosto de todos, desde que sejam verdadeiros!

Alda M S Santos

Você pode!

VOCÊ PODE!

Sempre há algo a se fazer

Para tornar melhor a vida de alguém

Assim tão pobre que nada possa oferecer

Nesse mundo não há ninguém

Você pode uma fome saciar

Ou um alguém, em trapos rotos, vestir

Pode também pés machucados calçar

Ou um corpo nas noites frias cobrir

Se você não puder dessas coisas dispor

Não desanime, não se entristeça

Abra os braços, levante a cabeça

Ofereça sorrisos, abraços, tempo

Você pode fazer a diferença

E se tudo isso vier a falhar

Ainda pode o amor doar

Sendo verdadeiro em todo lugar…

Você pode!

Alda M S Santos

Prazer instantâneo

PRAZER INSTANTÂNEO

Despertar um sorriso no olhar

Por mais discreto que seja

É tarefa prazerosa demais

Um sorriso lá, outro cá

E a tristeza não tem lugar…

Tantas vezes é preciso tão pouco

Para fazer alguém feliz, para sentir-se feliz

Nesse mundo tão louco

Onde quase nada de bom se ouve, se diz

Há coisas cuja reciprocidade é instantânea

Carinhos, beijos, abraços e sorrisos

Quando simples e verdadeiros

Na alma têm efeito bumerangue

Vão e voltam de maneira simultânea

Delicioso prazer momentâneo de caráter duradouro…

Alda M S Santos

#carinhologos

Muletas e braços

MULETAS E BRAÇOS

Ora braços, ora muletas

Esse é o rodízio, essa é a alternância da vida

Quem está acostumado a ser apenas braços

Terá dificuldades quando precisar se tornar muletas

E a recíproca também é válida

Braços se apóiam, precisam da segurança da muleta

Para manterem firme o corpo todo

Precisam confiar no apoio que recebem para se entregar

Para não tombar…

Muletas precisam ser fortes e aguentar o peso

Suportar com firmeza o corpo que recai sobre elas

Enquanto forem necessárias!

E a vida segue sempre em frente

Ora braços, ora muletas

Ora caminhos, ora caminhantes

Ora fragilidade, ora força

Ora ombros, ora cabecinha…

Alda M S Santos

Economia à base de porcaria

ECONOMIA À BASE DE PORCARIA

“Você só fica me gastando”- dizia meio brava e escondendo um sorriso

A idosa que eu apertava e enchia de beijos…

Penso assim: vida é para se gastar, “nada de economia à base de porcaria”

Estamos aqui para usar o que temos, o que conquistamos

Não devemos economizar nada para um depois incerto

Gastamos muito tempo adquirindo coisas

Perdendo bons sentimentos e pessoas

Economizando na demonstração de afeto e carinho

Em palavras doces, em declarações de amor, em cuidados

Para não “estragar” o outro, não deixá-lo mal acostumado

Para não sofrer ou fazer sofrer…

E chega um ponto em que tudo que importa

É o quanto de amor que doamos

O uso que fizemos do amor que conquistamos

O bom aproveitamento do amor que recebemos…

Amor não se economiza, se gasta

E quanto mais se gasta, mais se tem!

Alda M S Santos

Há-braços, abraços…

HÁ-BRAÇOS, ABRAÇOS…

Sinceridade que desarma, carinho que surpreende

Afeto que toca, sorriso que encanta

Há braços, abraços…

Quentes, longos, pipoca

Na pontinha dos pés, perfumados

Encolhidinhos no peito, de ladinho

Receosos, no colo, sensuais,

Apertadinhos, ou que não querem largar…

Acompanhados de doces palavras, silenciosos,

Qualquer que seja ele, necessário!

Há braços, abraços

Marcantes, inesquecíveis, saudosos…

Que possamos oferecê-los

Que saibamos recebê-los!

Alda M S Santos

Amparo

AMPARO

Em retrospectiva, vislumbramos momentos

Estágios e situações da vida que enfrentamos

E não acreditamos que algumas coisas foram reais

De onde tiramos força e coragem para superar cada revés

Vencemos medos, risco de morte, ameaças, doenças,

Angústias, perdas, decepções, mudanças, saudades,

Ou ao menos estamos aprendendo devagarzinho a conviver…

Como conseguimos? Simples! Deus!

Fé e esperança! Enfrentamento! Não nos escondendo, mesmo sofrendo.

Ainda que a gente não tenha percebido nas ocasiões

Deus nos permite viver somente o que nos fará aprender e crescer.

Se Ele nos submete a algo, ele nos ajuda e nos ampara

Como um pai que coloca rodinhas na bicicleta dos filhos

Depois tira uma, a outra, segura a bicicleta e, finalmente, o deixa ir

Mas seu olhar sempre cuidadoso acompanha e ampara o filho

Saber disso nos dá forças para não estacionar, prosseguir

Mesmo que a gente ainda se aventure demais por aí,

Leve alguns tombos nos mesmos lugares de antes

Nas curvas, se esfole, sofra, chore…

Mas só compreendemos mais tarde

“Para ver a ilha como um todo é preciso estar minimamente fora dela”

Alda M S Santos

Ausências

AUSÊNCIAS

A gente percebe que não é autossuficiente

Quando começa a sofrer de ausências

Ausências de gente do bem conosco

Percebemos que somos essenciais uns aos outros

Quando começamos a “exigir” presenças

Presenças do amor e da alegria

Do carinho, do sorriso, da atenção

Aquelas que quando se vão fazem falta, a gente chora

Mas que sorri ao lembrar da marca que deixou

Por menor que tenha sido o convívio…

Alda M S Santos

#carinhologos

#carinhologossolidarios

Nosso papel, nossa escolha

NOSSO PAPEL, NOSSA ESCOLHA!

Eram seis homens idosos numa mesa a jogar cartas

Num clube tradicional e caro da cidade

Observamos e comentamos sobre a vida tranquila

Diversão num clube numa terça-feira de manhã

Olharam para nós de longe, talvez estranhando

Aquelas pessoas vestidas de palhaço numa terça-feira

Distribuindo abraços grátis, um sorriso, palavras doces.

Concluímos que eram aposentados, vida ganha…

E seguimos nossa atividade ali.

Ao sair, dirigindo o carro com cinco palhaços

Num semáforo adiante, outro idoso vinha trôpego

Camisa torcida e mal abotoada vendendo balas de goma

Passou por nós, olhou, sorrimos, sorriu

Ganhou um cartão de coração, um Feliz Natal e nosso carinho

Não conheço nem aqueles idosos e nem esse

Não sei o que determinou que uns estariam lá no clube

E que outros estariam a vender balas no semáforo

Berço? Escolhas? Trabalho? Dedicação? Sorte? Fé?

Sei que a nós não cabe julgar! Uns não são melhores que os outros!

Levar a todos aquilo que pudermos oferecer, sem preconceitos

Esse é nosso papel, nossa escolha!

Alda M S Santos

#carinhologos

Amor que fica

AMOR QUE FICA

Costumam me alertar: não se apegue demais

Você se envolve muito e depois sofre!

Num momento as pessoas estão bem, noutro podem não estar mais…

Um abraço carinhoso, um toque delicado

Um sorriso sincero e sofrido

O prazer num bom bate papo…

Atenção, companhia, amor desinteressado

E não sabemos quando podem ser os últimos…

Rapidamente são levados de nós pela doença, por males diversos

Pelas circunstâncias das quais não temos controle.

Eles têm me ensinado muito!

Independente de como a gente ou o outro esteja

Não dá pra ter medo de demonstrar amor e carinho

Receio de se entregar e se envolver.

Não sabemos quando aquele abraço, aquele olhar, 

Aquele toque, palavra, sorriso ou lágrima

 Podem ser um adeus!

E isso vale para convívios em qualquer idade ou estado de saúde

A única certeza que temos é a do hoje!

Amemos uns aos outros! Não amar também é sofrer

Só devemos nos afastar de quem amamos,

Quando nossa presença puder causar mais mal do que bem.

A saudade é a dor do amor que fica gravado na alma!

Alda M S Santos 

#carinhologos

O quanto dói o que mais dói?

O QUANTO DÓI O QUE MAIS DÓI?

Dor de dente, cólicas renais, parto, coluna,

Enxaquecas, ressacas, crises de abstinência, nervo ciático,

Luto, amor, saudade, solidão, compaixão, ingratidão…

São tantas a doer!

Dores são bem democráticas

Quase sempre distribuídas a todos

O grau de cada uma e o que fazemos delas

É o que nos difere uns dos outros.

Tantas pessoas sorridentes por aí

Com dores que uns julgam pouca coisa

E outros sequer pensariam em suportar.

Qual a dor que mais dói?

Aquela que sabemos que também dói no outro,

Ou a que sabemos suportar sozinhos?

A dor que mais dói é certamente a que sentimos no momento.

O quanto cada dor dói, só quem a sente é capaz de dizer.

Nunca subestimar a dor ou sofrimento do outro,

Não potencializar a nossa, tampouco fingir que não existe,

São bons modos de encarar esse mal comum a todos.

Uma injeção de amor também seria o ideal!

Alda M S Santos

Amor 365 mg

AMOR- 365 mg
Apresentação: diversas formas humanas ou animais.
Via de administração: oral, nasal, auditiva, visual, tópica, mental.
Uso adulto e pediátrico: a partir da concepção.
Composição: amor em estado bruto, solúvel em sorrisos, saliva, braços, abraços e fluidos corporais.
Ações esperadas: : alívio dos sintomas associados à tristeza, isolamento, depressão, mau humor, apatia. Age bem entre seres de sexos e idades diferentes ou semelhantes.
Indicações: para o bem estar físico e emocional de todo ser vivo.
Interações medicamentosas: reage bem com quaisquer outros medicamentos, neutralizando ou sendo inerte a alguns e potencializando outros.
Super-dosagem: não há risco, pois o que se acumula é logo diluído, distribuído a outros, não havendo estocagem no organismo.
Posologia: uso contínuo e máximo pelas diversas vias de administração, independente da massa corpórea.
Crianças: todo o tempo
Adultos: sempre
Idosos: ininterruptamente
Reações adversas: euforia, sorrisos largos, cara de bobo, sensação de flutuar, aumento da frequência cardíaca, pulso acelerado, cabelos e pele brilhantes, imaginação solta, sono tranquilo, borboletas no estômago, pernas bambas, entre outras.
Interrupção do uso: pode causar crises de abstinência de leves a severas, corrigidas com
a retomada da medicação.
Uso durante a gravidez ou amamentação: benefícios potencializados para a mãe e o bebê.
Contraindicações: não foram verificadas.
Cuidados na administração: em casos de medos, traumas, fobias e depressão deve ser administrado em doses gradativas para evitar choques.
Precauções: o uso associado ao trabalho e operação de máquinas e veículos pode causar de leve a média distração.
Advertências: o uso causa extrema dependência e autoconfiança.
Usando corretamente e não desaparecendo os sintomas, certamente você está usando medicamento falsificado. Mude de laboratório!
Reg: Alda M S Santos-030517

Num abraço tudo se resolve

NUM ABRAÇO TUDO SE RESOLVE
Abraços: muitas vezes tidos como o último recurso
Utilizados apenas quando as palavras foram ineficazes,
Excessivas, insensíveis ou inadequadas,
Acabam por serem subestimados.
Se fossem usados com mais frequência,
Evitariam muitos momentos desgastantes,
Pois quase tudo se resolve
Quando duas almas se tocam
No calor de um abraço sincero.
Alda M S Santos

Atadura

ATADURA

Não importa se o problema é:

Tontura, amargura, casca dura,

Assadura, lonjura, chatura, má postura,

Feiura, loucura ou cabeça-dura

A atadura que cura é uma só, criatura:

O AMOR: sem frescura!

Alda M S Santos

De que adianta?

DE QUE ADIANTA?
De que adianta uma linda voz
Se quando é preciso, ela se cala?
De que adianta um belo sorriso, se apenas se abre para alguns,
E tantos necessitados são excluídos?
De que adianta tamanha inteligência,
Se não sabe agir ao sabor da emoção?
De que adianta tanta beleza, se não é possível mergulhar mais fundo,
Sob pena de “bater a cabeça” em rasa profundidade?
De que adianta tanta “cultura”,
Se as palavras mais doces não fazem parte de seu vocabulário?
De que adianta braços fortes e ombros largos,
Se não servem de abrigo ou de colo a quem precisa?
De que adianta o amor preso dentro de si,
Se ele é uma flor que precisa do sol
Que existe no outro,
Para crescer, se abrir e encantar?
De que adianta?
Alda M S Santos

Nunca se esgota

NUNCA SE ESGOTA

Melhores são aqueles amigos,

Novos ou antigos,

Com os quais nunca nos esgotamos

Sempre há algo a fazer, a dizer

A contar, a pedir, a doar, a confidenciar…

Risos, sorrisos, gargalhadas,

Abraços, beijos, café e queijo.

E aquela saudade e desejo constante

De estar sempre juntos,

Mesmo havendo lágrimas, atritos e pendengas,

Cada encontro é sempre único, especial,

Pois possui a liga mais forte do mundo: o amor.

Alda M S Santos

Valor

VALOR

Nossa vida passa a ter

Muito mais valor

Quando o sorriso dos outros

Depende dela.
Alda M S Santos

Ovos de Páscoa

OVOS DE PÁSCOA

Dentro da sacola enorme, uma caixa grande

Dentro da caixa, água com açafrão, chá e vinagre,

Mergulhados na água, cascas inteiras de ovos, sem o conteúdo.

Depois de andar 2km, com muito cuidado,

Tudo isso do colo pro chão no metrô lotado.

Ao final, serão ovos coloridos recheados de brigadeiro.

Uma pequena “arte” para alegrar a Páscoa no Lar dos Idosos.

Se interceptada, pode ser acusada de “bruxaria” ou terrorismo…

Imaginar a alegria deles vale qualquer “esforço”.

Alda M S Santos

E quando tudo parecia perdido

E QUANDO TUDO PARECIA PERDIDO
E quando tudo parecia desabar
Surge aquela presença querida, que ilumina
Aquele sorriso entre lágrimas que diz:
“Tenho nada não, mas estou aqui”.
E quando tudo parecia escuro, frio
Surge aquele abraço amigo, apertado
Forte, que enlaça o corpo todo, que aquece a alma.
E quando tudo parecia perdido
Surgem amigos, que ouvem, que se solidarizam,
Que riem, que choram, que se calam,
Que, sobretudo, falam, e percebemos que Ele nos fala.
É quando tudo parece perdido que Ele mais nos aparece
E nos mostra uma constelação de estrelas e possibilidades
Aí percebemos tudo de maravilhoso que temos.
Alda M S Santos
Foto Everaldo Alvarenga

De volta para o útero

 DE VOLTA PARA O ÚTERO

Vontade enorme de me enroscar em mim mesma

Ficar quietinha, respirar suavemente, pensar em nada

Preocupações e sensações zero, apenas o “inexistir”.

Colocar-me em modo voo, gastar pouca energia

Não atender a ninguém, nem a mim mesma.

Tudo nos ajustes “inativos”, “não perturbe”.

Voltar para o útero, encolhidinha,

Ambiente aquecido, solitário,

Dentro d’água, sons amortecidos.

Alimentada, nua, nem respirar precisa…

Apenas um carinho suave vez ou outra,

E nada podendo me fazer mal ou causar dores.

Faço X nessa opção!

Alda M S Santos
 

Seu olhar é triste

SEU OLHAR É TRISTE

Numa homenagem às mulheres num lar para idosos,

Ao colocar a faixa de Miss Guerreira numa senhora, abraçá-la e beijar suas faces, ela segurou minhas mãos, carinhosamente, e me olhou nos olhos. Sentei-me ao seu lado.

Ela era muito linda e bem arrumada. Sorriso doce e cativante.

– Você é linda, brinca e parece feliz!- apertou minhas mãos.

-Obrigada!-respondi encabulada.

– Parece uma anja. Mas tem o olhar triste! 

-É? Mas não sou triste!- sorri meu sorriso de palhacinha.

– É preciso ser observadora para perceber. Há uma sombra triste no seu olhar. Falta-lhe algo!

Fiquei embaraçada ao ser analisada assim.

– Talvez! -respondi para não deixá-la sem graça. Ela completou:

– Não se preocupe! Poucos notariam. E ninguém tem tudo mesmo! 

Fiz mais uns carinhos nela, conversamos e fui cantar mais umas músicas.

Ela estava sempre me observando como alguém a dizer:

– Não se preocupe! Só eu notei.

Fiquei a me perguntar se já havia ouvido isso de alguém algum dia.

Será que tenho mesmo essa sombra sinalizadora de falta? 

Cada dia aprendo mais com esses idosos! 

Alda M S Santos

Lobotomia 

LOBOTOMIA

“Por que a gente fica velha e lembra só de coisas que machucam o peito da gente?” -Perguntou-me uma idosa, lágrimas a escorrer no rosto enrugado, olhos cheios de histórias! 

Pessoas jovens também, querida! Precisamos levar a mente a pensar nas coisas boas que todos temos, respondi. 

“Mas até coisas boas ferem o coração, porque não existem mais”. 

Sei que não é fácil, mas a mente é flexível, precisamos levá-la para bons lugares. Curtir a saudade boa. Interagir com as companheiras, participar mais, digo.

“Quero não, perdi o gosto, estou aqui esperando pra morrer e sozinha. Queria fazer aquela operação que apaga o cérebro da gente, como chama mesmo”.?

Lobotomia?

“Essa mesmo! Aí a gente não sofre, apaga o que dói!”

Eu a abracei e brinquei: gosta de abraço? Não gosta de cantar? Vamos cantar? Se fizer lobotomia irá esquecer os abraços, as músicas! 

Ela riu e disse: “vou tentar lembrar do que é bom! Quando você volta? 

Quantos de nós não temos vontade de “apagar” em nós o que nos machuca?

O risco é apagar o que há de bom também!  

Melhor mesmo é conviver com nossas dores, nossos amores, nossas amizades, nossos atropelos.

E tentar produzir mais sorrisos que lágrimas, equilibrando a balança. 

Alda M S Santos

Outro olhar

OUTRO OLHAR

Outro dia li que devemos ver as coisas que não nos agradam sob uma nova perspectiva.

Sempre deveríamos tentar um ângulo novo, outro olhar, uma nova possibilidade.

Tentei aplicar esse “conselho” ao que via naquele momento.

Um ser humano jazia no asfalto, virava e se ajeitava, fazia-o de cama.

Passei, olhei, pensei: “tristeza viver assim, dói na gente”.

Uma avenida perigosa, carros, motos, ônibus e caminhões para todo lado.

Pessoas passavam apressadas, como eu.

Retornei, quis tentar um novo olhar.

Deve ser uma possibilidade para eu fazer algo, pensei.

Bem assim na minha frente! E não é a primeira vez!

Pensei no meu marido a dizer para não me meter, tomar cuidado, que tudo é perigoso!

Cheguei mais perto, devagar. Abaixei-me, chamei, cutuquei.

Ele se virou, se ajeitou, como se estivesse sobre seus travesseiros macios.

Chamei outra vez. Ele abriu os olhos, mas não parecia me ver.

Perguntei se precisava de algo. Claro que precisava!

Mas a gente fica meio impotente, sem saber o que dizer.

Ele riu meio sem entender e tentou se levantar.

Perguntei se queria que o ajudasse a ir para casa, onde morava.

“Por aí! Pode me pagar uma branquinha, branquinha?”

Riu da própria associação e repetia: uma branquinha, branquinha!

Falei: “Pago um prato de comida, te ajudo a ir pra casa, mas pinga não pago.”

“Então, não quero nada, branquinha! Me deixa dormir quieto aqui!”

Resmungando enrolado se ajeitou de novo em sua “cama”.

Segui meu caminho meio inconformada.

Ouvi ainda umas pessoas dizerem: “é bêbado, deixa para lá, moça!”

Mas venci meu medo e tentei ver com outro olhar.

Um dia dá certo! Pra mim e pra eles.

Alda M S Santos

Sensibilidade à flor da pele

SENSIBILIDADE À FLOR DA PELE
Um garotinho chorava e andava atrás da mãe apressada no supermercado.
Pequeno, uns dois anos, no máximo. Passos ainda inseguros.
Uma menininha, pouco mais velha, aguardando o pai que estava na fila do açougue, onde eu me encontrava, cutucou o pai, apontou para a criança. O pai não notou. Fiquei observando. Adoro ver as atitudes infantis.
Olhou para o pai e saiu devagarzinho, sempre olhando para trás para conferir se o pai não iria impedir seu afastamento.
Chegou perto do garoto que chorava, fez-lhe um carinho limpando as lágrimas e o abraçou.
Não ouvi o que dizia. A menininha falou algo e estendeu o bichinho de pelúcia que carregava.
O garotinho o segurou, deu aquela suspirada funda e parou de chorar. A menininha voltou saltitante para perto do pai.
Pouco depois, vem a mãe com o garotinho no colo e fala para o pai: “acho que é da sua filha”!
A menininha mais do que depressa: “é porque ele estava triste”!
Todos ao redor se emudeceram! Sorrisos amarelos, até meio envergonhados.
Será que pensaram no quanto também precisavam de um ursinho de pelúcia?
Quem sabe refletiram em quantas vezes poderiam ter feito o mesmo por alguém?
Cá entre nós, quantos ursinhos de pelúcia mantemos guardadinhos dentro de nós?
Vale lembrar que carinhos foram feitos para circular.
Guardados perdem o efeito!
Amo “ursinhos de pelúcia”!
Dar ou receber.
Alda M S Santos

Por amor

POR AMOR

Morreu por amor… Deu a vida por amor.

Qualquer outro ato por amor pode parecer insignificante perante esse.

Claro, ele veio do Mestre do Amor, ninguém se igualaria, mesmo tendo sido feito à Sua imagem e semelhança.

Mas o que realmente somos capazes de fazer por amor? Sinceramente!

Pelos nossos filhos, pais e até por alguns familiares ou amigos é fácil imaginar.

Poderíamos até chegar ao ponto de dar nossas vidas.

Mas, simplificadamente, no nosso dia-a-dia, o que temos feito por amor?

Tolerância? É um ato de amor! Ah, mas nem sempre conseguimos!

Respeito aos diferentes? Tentamos! Mas eles são tão estranhos!

Atenção? Conversamos com muita gente! Mas algumas pessoas, as que mais precisam, nos metem medo!

Delicadezas? Um simples “bom dia”, ceder o lugar no transporte, aguardar um idoso no caixa eletrônico, pacientemente, dar a preferência no trânsito… Mas temos tanta pressa!

Um sorriso ou um abraço? Sim, bem, seletivamente. Afinal, não é todo mundo que é de confiança!

Disponibilidade? Temos! Para alguns, é claro. Não podemos resolver tudo.

Na maioria das vezes nos calamos ou nos omitimos em situações tão simples e corriqueiras.

São situações simples de amor! E nos fechamos em nosso silêncio e (des)conforto interno.

Quando indagados, respondemos convictos: “Por amor? Ah, por amor sou capaz de tudo!”

Enquanto aguardamos o momento de fazer “tudo” por amor, as oportunidades se esvaem pertinho de nós, todos os momentos…

Vamos lá! Por amor!

Alda M S Santos

Carinhólogos Solidários de BH 

http://www.carinhologos.com

 carinhologos@gmail.com

Abraços grátis? 

ABRAÇOS GRÁTIS?

Abraços grátis?- perguntamos com um sorriso de palhacinhas, ou mostramos nossos cartazes.

Assim começa nossa tarde de carinho na região hospitalar de BH com o grupo Carinhólogos Solidários.

– Grátis? Tem certeza?-dizem alguns.

– Claro! Há muito tempo precisava de um abraço!- respondem outros.

– Quem é que quer abraçar um preto velho como eu? -diz um senhor negro e de olhar sofrido.

– Abraço você e vejo meu irmão! Ele foi palhaço por vinte anos! – e chora de soluçar no meu abraço.

– Poderia ficar muito tempo num abraço. Estou muito sofrida!-diz a mãe com o filho internado.

– Abraço você e pego energia boa para levar para meu filho que está lá em cima. É um aviso de Deus que tudo ficará bem.- fala um pai preocupado.

Uns se recusam, outros nos procuram e se oferecem, uns demoram a se entregar ao abraço, outros não querem dele se soltar.

Contam suas histórias sofridas. Reconhecem o valor daquele abraço “enviado por Deus” e agradecem.

Há aqueles que estendem apenas a mão, olhares carentes de abraço, mas coração duro, machucado.

Histórias de dor e sofrimento nas recepções e portarias de hospitais. 

Porteiros, recepcionistas e funcionários recebem felizes, com gracejos e abraços o nosso grupo. 

Crianças e idosos são mais receptivos, mais emotivos. Adultos os recebem mais ressabiados.

Em cada um dos mais de 500 abraços de hoje, muito carinho e conforto foi levado.

Cada uma de nós recebeu aquilo tudo em dobro. 

Abraços grátis?

Claro! São os melhores!- resumiu um senhor todo feliz!

Alda M S Santos

Carinhólogos Solidários de BH- facebook

carinhologos@gmail.com

Instagram: http://www.carinhologos.com

Confusão interna, carinho externo

CONFUSÃO INTERNA, CARINHO EXTERNO

Ela acordou meio down. Um dia cheio a aguardava. Adorava dias cheios, mas nem isso a animava a sair da cama. 

Espreguiçou-se longamente e levantou. Escovou os dentes e nem quis se olhar no espelho. Seria assustador! A bagunça interna estaria em seus olhos.

Resolveu fazer o que toda mulher faz nessas ocasiões: cuidaria do exterior primeiro. Seria mais fácil. Aumentaria a autoconfiança e a atenção poderia ser total à bagunça interna.

Unhas, cabelos e pele tratados, partiu para a mente e o coração.

Conversou com amigos e familiares queridos. 

Leu um livro que gostava, escreveu um pouco.

Partiu a ajudar os outros…

Talvez quando terminasse, a bagunça nem seria mais tão importante! 

Alda M S Santos

Marsupiais

MARSUPIAIS

Outro dia, minha cadela matou uma gambá. Ela é uma vira-latas metida a caçadora. E muito linda!

Quando fui recolher o corpo da pobre gambá, vi que vários gambazinhos pelados entravam e saíam daquele corpo enrijecido.

Buscavam ali o que precisavam para continuar se desenvolvendo e vivendo: o conforto do marsúpio.

Nós somos, de certa forma, mamíferos marsupiais. 

A diferença é que nosso marsúpio nem sempre é aquela bolsa grudada ao corpo de nossa mãe. 

Porém, não saímos prontos da placenta para a vida. 

Vira e mexe buscamos o conforto de nossa mãe, pais e familiares. 

Não o desenvolvimento físico, mas emocional. 

E, ao longo da vida, adquirimos outros marsúpios: nos amigos, nos amores, nos filhos…

As crianças procuram sem receio. Por isso são mais felizes.

Nós, adultos, maduros, fortes, independentes, sabemos nos virar sozinhos. 

Ou tentamos nos convencer disso.

Mesmo que tudo que a gente queira é um “marsúpio” quentinho para nos escondermos lá dentro, sem tempo determinado, encolhidinhos, deixando nada pra fora. 

E só sair quando estivermos com carga total na bateria, em pleno desenvolvimento.

Sou marsúpio para muitos! 

Eu sei bem quais são meus marsúpios.

Tento buscá-los sempre.

Alda M S Santos

Processo de Cura

PROCESSO DE CURA

Todos sabemos o quanto dói uma ferida aberta

Um mal ativo, em fase crítica, aguda.

Todo cuidado é pouco para evitar uma patologia permanente.

Precisamos limpar, fazer curativos, trocá-los

Usar cicatrizantes, anti-inflamatórios, antibióticos…

Nessa fase vai doer muito, sangrar.

Não podemos ser masoquistas e ficar cutucando.

Serão necessários técnica e perícia ao tocar.

Depois seca, cicatriza, fica uma marca e apenas uma lembrança.

Porém, se não se passar por esse processo de cura,

O mal pode se tornar crônico e sofrermos com ele a vida toda.

Com os males emocionais dá-se o mesmo.

Ferida aberta na alma não se mexe, se trata.

Com medicamentos ora suaves, ora fortes, 

Com amor, com carinho, com perseverança.

Com amigos, com família, com fé.

Leve o tempo que levar,

As cicatrizes deixadas nos lembrarão que superamos.

Pode ser que se torne um mal crônico

Daqueles que tenhamos que aprender a conviver

Como uma hipertensão ou uma saudade

Que exige tratamento de controle a vida toda.

Vez ou outra se tornam ativos, agudos e exigem de nós força

E medidas à altura.

Assim são os males crônicos.

Assim é a vida…

Alda M S Santos

Palavras

PALAVRAS

Palavras têm poder, quer sejam as proferidas, quer sejam as ouvidas. 

Elas podem nos impulsionar ou nos retrair. 

Ser belas e singelas como o toque de um beija-flor ou assustadoras como um trovão. 

Despertar sorrisos ou lágrimas. 

Já que não temos controle sobre todas elas, concentremos nas que podemos controlar: as que proferimos. 

Proferindo apenas palavras positivas, belas e benéficas para nós e para nosso próximo, com o tempo conseguiremos ignorar por completo as negativas que ouvirmos.

Alda M S Santos 

Nosso Jardim

NOSSO JARDIM
Quando não conseguir enxergar a beleza ao seu redor, procure-a, primeiro, em seu interior.
Ainda que não a sinta, não a veja.
Entre, sente-se em seu jardim íntimo, retire as folhas secas, afofe a terra, mude algumas flores de lugar, pode alguns galhos, retire as ervas daninhas, regue, acaricie… Reaproveite a terra, misture-a com as folhas velhas que virarão húmus.
Quase nada se perde em nosso jardim íntimo!
Abra espaço para pássaros, beija-flores e joaninhas.
Não se preocupe com as lagartas, elas logo serão lindas borboletas!
Ame! O jardim de sua alma é miniatura do jardim do mundo!
Quando seu jardim secreto estiver bem cuidado, você abrirá espaço para os encantos dos outros e conseguirá admirar o grande jardim da Criação que o cerca!
Alda M S Santos
Bom diaaa!

Carinho em abundância

CARINHO EM ABUNDÂNCIA
Seja qual for o ser vivo, precisa!
Pedindo ou não, necessita!
Se não tiver, definha, seca, perde o brilho, morre…
Carinho é cíclico. Efeito bumerangue.
Quem dá, recebe.
Quanto mais duro, mais resistente, mais precisa!
Quanto mais doce, mais sensível, mais amoroso, mais doa…
Em forma de sorriso, de toque suave,
Palavras amenas, olhares, abraços e beijos…
E assim, recheamos essa vida de amor, alegria e paz!
Alda M S Santos

Nos semáforos da vida

Basta sair de casa e rodar poucos quilômetros para no primeiro semáforo observá-los. O sinal fecha, os carros param, e eles vêm correndo. Colocam no retrovisor do carro uma tira de 5 paçocas. “Vai uma paçoquinha aí, moça? Só R$2,50.” O olhar tímido, às vezes desafiador. Não passa de oito anos. Pequeno, magro, expressão sofrida para uma criança. Em poucos segundos volta rapidamente recolhendo o dinheiro da venda, ou as paçocas, e sai correndo antes que o sinal abra. 

Pouco à frente, no próximo semáforo, tempo mais longo, vem um senhor lentamente. Pipocas e garrafas d’água nas mãos. Cabeça branca, andar arrastado, não sei precisar a idade, talvez 70, semblante sério, carregado. Chega e oferece seus produtos. Sorri ao ouvir as músicas da década de 70 que ouço. O olhar carrega-se de saudade. “Bons tempos”, ele diz. Concordo e completo, “está sempre aqui”. “Sim, desde que me aposentei, pouco dinheiro, filhos desempregados, família grande, netos. É preciso ajudar.” Despede-se e vai pro próximo carro. 

Sigo meu caminho para o trabalho ouvindo minhas músicas e refletindo. Que mundo é esse em que crianças que deveriam estar na escola ou jogando bola na rua estão vendendo paçocas no sinal? Que mundo é esse em que um senhor de 70 anos, aposentado que já fez tanto pela sociedade, que poderia estar lendo para os netos, brincando de cavalinho, curtindo um sítio, ainda se dispõe a ser ambulante de semáforos nas ruas quentes e barulhentas?

Que futuro estamos promovendo para nossas crianças? Que descanso estamos permitindo aos nossos velhos? Ao olharmos esses dois extremos devemos cuidar para o desânimo não tomar conta de nós. O senhor da pipoca pode ter sido um garoto da paçoca! Há alternativas? O que podemos fazer para que ao menos o garoto da paçoca torne-se, daqui a alguns anos, o senhor que estará lendo para os netos, brincando de cavalinho e cultivando flores num sítio?

Decido-me a continuar fazendo com amor e dedicação a parte que me cabe. A educação ainda é o melhor caminho, nossa melhor chance. Assim, vou ainda mais animada receber meus pequenos alunos. E que Deus nos abençoe! 

Alda M S Santos

Valorizando a vida

Setembro Amarelo: quantos indivíduos sabem o que isso quer dizer?

Temos visto divulgados na mídia casos de suicídio que nos alarmam e impressionam. Pais de família que matam esposa e filhos e se matam em seguida, jovens que têm “tudo” e, do nada, tiram a própria vida. Tantas vezes, para nós “normais”, por motivos banais. Os dados são alarmantes. Apenas no Brasil são 32 suicídios por dia, segundo dados do CVV(Centro de Valorização da Vida). Mais que mortes por câncer ou Aids.  

A morte por suicídio tem sido estigmatizada, como foram as mortes por sífilis e Aids. Evita-se falar do assunto. Considera-se fraqueza moral, não doença.

O Setembro Amarelo vem como uma campanha de alerta para salvar as pessoas dessa morte anunciada. 

Ninguém se mata de uma hora para a outra. Essa ideia vem germinando na mente dos indivíduos, crescendo, sendo alimentada, amadurecendo por uns tempos. Podemos ter ao nosso lado, todos os dias, uma bomba relógio, prestes a explodir, e sequer percebermos. 

Num mundo em que parece que temos tudo à mão, acesso às informações, educação, lazer, saúde, recursos materiais, físicos, tecnológicos e terapêuticos, nos falta o principal: o recurso humano. 

Com tantas facilidades conquistadas seria de se esperar que a vida fosse mais valorizada. Mas o tiro tem saído pela culatra. Conquistar e manter certos bens e direitos tem criado dois grandes problemas. Primeiro, é um terreno propício para germinar muitas doenças mentais que levam ao suicídio, como depressão, bipolaridade e dependências químicas. Segundo, cria seres alienados, com viseiras, que olham só para frente e não veem o olhar do ser humano ao seu lado que grita por socorro. Quando vê, ignora, não quer se envolver, não tem tempo, paciência ou habilidade, ou ainda reclama: ” fulano só anda emburrado e de mau humor”. São exatamente esses que ficam mais abismados com tantos casos de suicídio. 

O Setembro Amarelo vem pra cutucar mesmo, provocar, induzir os doentes a buscar ajuda e os saudáveis a oferecê-la. Sem pretensão de querer prever o futuro, uma hora podemos ajudar, noutra podemos precisar de ajuda. Precisamos aprender a identificá-los e ajudá-los. 

Vamos preservar a vida: a nossa, a dos outros. 

Alda M S Santos

Carinho Que Cura

Nunca me canso de observar, admirar, me encantar e aprender com as crianças. Ninguém ensina aos outros melhor que elas. 

Se querem amor, carinho, atenção sabem pedir, sabem doar, sem limites, sem vergonhas, sem pudores! 

Nunca devemos negar ou recusar amor e carinho. A vida precisa, exige, cobra! Seja qual for o ser vivo!

Desde o ventre o bebê se acalma ao receber o contato carinhoso da mãe, a voz que acalenta, a música que tranquiliza. Ao nascermos, só o colo quente e aconchegante do adulto nos consola. 

Se temos dor, fome, frio, qualquer desconforto, nos acalmamos com um abraço.

E vamos crescendo assim. Pedindo, recebendo, doando carinho e amor. Tudo muito naturalmente. 

Em alguma parte do caminho vamos perdendo essa naturalidade, desaprendendo o que nascemos sabendo. Um abraço nos custa, um sorriso “arranca” pedaço, uma palavra doce perde-se no corre-corre diário, beijo só se for preliminar sexual. 

A verdade é que perdemos muito ao nos tornarmos adultos. Sabemos o quanto um ato de carinho nos faz bem, nos cura, nos fortalece e anima, porém, não somos mais crianças. O que os outros vão pensar, não é mesmo? 

Será apenas coincidência as crianças serem mais felizes que nós, que “sabemos tudo”? 

Há tempo ainda! Podemos começar! Já abraçou alguém hoje?

Alda M S Santos 

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: