Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Categoria

ameaças

Quando falta o ar…

QUANDO FALTA O AR…

Entre tantas as coisas a nos faltar
Se for matéria já nem tem em nós lugar
Se for um sentimento bom para apaziguar
Buscamos sedentos para nos emocionar

Há tanta coisa que pode nos faltar
Acostumados já estamos a lidar
Até por alguns momentos ficamos sem ar
Quando a emoção vem nos subjugar

Mas só assim ele é bom se faltar
Pois representa expectativa de alegria
E não quando a vida foge, agonia

Na maior fonte de oxigênio do mundo
Falta o ar, falta vida, cuidado, proteção
Que Deus nos abençoe, nos estenda a mão

Alda M S Santos

Falso negativo ou positivo?

FALSO NEGATIVO OU POSITIVO?

O mundo agora está desse jeito
Há positivo, há negativo
Mas temos também além disso
Falso positivo, falso negativo
Como lidar com tudo isso?
Não dá mesmo para saber…
Ou negativo é que deveria ser?
Sei lá, preciso isso esclarecer
Se positivo ou se negativo
Vida obscura, parece castigo
Como devo ao certo proceder?
Pois se é falso positivo
Um negativo pode ser
Mas quando é falso negativo
Aí é positivo… quero nem ver!
Saudade do tempo em que sabia definir
Em cores, ou em preto e branco
Quando positivo era bom, negativo era ruim
E nao ficava à espera do porvir
Para saber como agir e seguir
No falso ou verdadeiro, negativo ou positivo
Há que se reagir, que loucura!
Você há de convir!

Alda M S Santos

Que não doa tanto ser gente

QUE NÃO DOA TANTO SER GENTE

Algo errado, muito errado, desumano

Que acaba por acionar angústias e tristezas represadas em nós

Nossas comportas também se rompem

Sensação de não pertencimento a esse lugar

Desvalorização da vida, dos sentimentos, das conquistas

Vidas hierarquizadas, sem critério algum

Saudades de outros tempos, de outras pessoas

De uma época em que sabíamos valer algo

Talvez nem valêssemos, mas não percebíamos assim

A ignorância dos fatos é, muitas vezes, uma bênção

Pessoas lançadas umas contra as outras

Por questões políticas, religiosas, sociais, financeiras

Não se sabe mais ao certo o que é importante

Uma barragem se rompe lá e estoura algo aqui dentro da gente

Saudades…

Saudades de um tempo bom

Em que não éramos apenas números

Uma imagem embaçada na memória, um retrato na estante

Ou do que éramos noutro tempo

Quando não matávamos tudo, até sentimentos

Esse tempo existiu mesmo?

Quero um mundo novo, mais humano

Quero um lugar novo, onde não doa tanto ser gente

Quero ir embora daqui

Quero reencontrar a esperança e a capacidade de sonhar

E afastar o pesadelo da realidade…

Alda M S Santos

Infiltrações

INFILTRAÇÕES
Trincas nas paredes, rachaduras nas calçadas
Buracos no asfalto, aberturas nos canteiros
Fendas nos quintais, fissuras nos jardins
Permitem a entrada gradativa de água 
Possibilitam infiltrações e o lento, nocivo
E quase imperceptível ceder do terreno
Abalam as estruturas, derrubam edifícios
Jogam ao chão monumentos, grandes construções
Como as rachaduras em nossa emoção
Aquelas pequeninas, que quase ninguém vê
Uma decepção aqui, uma indiferença ali, um descaso acolá
Frestas que nem nós notamos
Vão deixando entrar elementos perigosos
Que abalam nossas estruturas
Derretem a liga que nos sustenta
Urge tapar essas gretas: na rua, nos quintais, nos lares, em nós
Deixar apenas a abertura suave das persianas e dos sorrisos
Por onde entra ou sai a luz do sol e do amor
Que nos aquece, nos mantém inteiros, de pé
E de braços abertos para a vida!
Alda M S Santos

A morte como solução

A MORTE COMO SOLUÇÃO

Num mundo de pessoas cansadas, perfeitas e egocêntricas

Prevalece a lei do menor esforço

Deu problema, criou problema, será um problema

Para que tratamento, perda de tempo

Para que investir emoções, recursos financeiros, educação, saúde

Resolve logo: mata!

Corta o mal pela raiz, ou já árvore frondosa

Que nasceu torta, cresceu torta

Mata!

E justifica essa morte como proteção à outra vida

Uma que vale mais que aquela que é suprimida, preterida

Resta saber quem define qual vida vale mais

Nesse ritmo, a morte seria solução para tudo

Não é uma vida desejada: mata!

Atravessou seu caminho: mata!

Não é uma vida do “bem”, comete crimes, mata!

Não é uma vida como a nossa: mata!

Não é uma vida saudável: mata!

É uma vida que nos afronta: mata!

Mata! Mata! Mata!

Aborta, mata crianças e velhos, gays e viciados

Doentes físicos e mentais, qualquer um que cause ônus

Barbárie total! Retrocesso! Antigo Testamento ou Apocalipse?

Pena de morte para todo aquele que é diferente!

Quem irá segurar essa avalanche ladeira abaixo?

Todo holocausto começou com uma “pequena morte” ignorada ou justificada…

Alda M S Santos

Ensaio de guerra

ENSAIO DE GUERRA

Nada “melhor” que um ensaio de guerra para percebermos o que tínhamos

E, por cegueira temporária, não enxergávamos

Bastou parar caminhões, faltar combustível

Para faltar tudo aquilo que pensávamos “não ter”

Brasileiros, ao menos boa parte deles,

Vive na carência material, de saúde, educação, transporte, segurança …

Mas o medo de vir a minar o básico dos básicos

Levou os cidadãos à corrida para estocar alimentos, água, a economizar

Temos muita corrupção e roubalheira, submissão, inércia e letargia

Mas também temos, bem ou mal, alimentos, água, moradia, transporte…

Sem levar em conta os oportunistas e aproveitadores

Que olham do alto e se enxergam como únicos numa multidão de famintos

E, além do jeitinho malandro de sobreviver, temos bom humor para enfrentar o caos

Criatividade para buscar o que precisamos

Tudo isso nos fez focar no que ainda temos

Não apenas no que nos falta…

Crises despertam o que temos de mais animal e irracional em nós: o instinto de sobrevivência

Atiçam nossas características mais fortes, boas ou ruins

O grande paradoxo é que é com elas que acordamos e lutamos

E também nos matamos…

Alda M S Santos

Feminicídio: quando o amor adoece e mata

FEMINICÍDIO: QUANDO O AMOR ADOECE E MATA

Amor adoece, morre, tem fim

Ou se morrer nunca foi amor?

Mais sério ainda: amor adoece, mata, se mata?

Crimes passionais, feminicídios ou simplesmente falta de amor?

Tudo que tem vida pode adoecer, morrer.

Nessa perspectiva, amor nasceria, cresceria, multiplicaria, definharia e morreria.

Mas amor precisa de um habitat para viver, um coração para o acolher.

Necessita de um ninho quentinho e aconchegante para ser protegido e alimentado.

Para crescer e gerar bons frutos precisa de uma alma receptiva.

E se esse habitat não for apropriado, se estiver doente,

Ele infecta o amor, o adoece, ameaça, violenta

Agride, mutila, mata, se mata…

Não é o amor que morre ou mata!

Somos nós, como habitat, doentes, que o matamos ou morremos…

Amor não é doença, não é patologia!

Amor é medicação, é vacina, é cura!

E se não houver em nós força, fé e bondade suficientes,

O efeito pode não ser o esperado e morrermos na tentativa,

Ou matarmos!

Amor é saúde, é proteção, é cuidado de si e do outro,

Amor é vida!

Feminicídio é o mais alto grau da doença do amor: a posse!

E como toda doença, apresenta sinais e sintomas para ser combatido a tempo.

Cuidemos da saúde de nossos corações, de nossa alma,

Cuidemos da saúde de nosso amor!

Alda M S Santos

#feminicidio

Fake news, fake peoples

FAKE NEWS, FAKE PEOPLES

Querem nos “treinar” para identificar facilmente as maléficas fake news!

Melhor seria se pudéssemos identificar melhor as fake peoples.

Como as fake news, que utilizam certos artifícios para parecerem verdadeiras,

As fake peoples também têm inúmeros artifícios para cativarem fãs e conquistarem seguidores.

Uma “estampa” atrativa, mas à base de tecidos podres,

Uma capa colorida e bonita, mas de conteúdo duvidoso,

Um sorriso “sedutor”, mas que não chega aos olhos,

Palavras treinadas e ensaiadas para parecerem o anjo salvador que caiu do céu,

Prestabilidade excessiva e “afinidades” forjadas para ludibriar pessoas de boa fé…

E, com certeza, essas pessoas falsas são as maiores criadoras das fake news.

Quando soubermos identificá-las, usando nosso faro, intuição

Nosso sexto sentido, ficando imunes a elas,

Melhor identificaríamos as fake news!

Ou seja, mais importante que identificar notícias falsas, num mundo quase sempre falso

Onde ser autêntico é quase ser um ET,

É identificar olhares, sorrisos, expressões, palavras e atitudes falsas…

Alda M S Santos

#fakenews

Uma nova chance

UMA NOVA CHANCE

Uma vida ameaçada, uma vida em risco

Uma arma de fogo, um olhar de sangue, triste, mau

Lágrimas, desespero, pedidos de clemência

E tudo ficou escuro…

Quanto tempo? Não se sabe…

Um ano se foi…a lembrança fica

A vida foi poupada- por quem, por quê?

Por quem a ameaçou, sim

Por Deus, com certeza!

Para entender seu amor e constante proteção!

O escuro ainda retorna, incomoda, dói

Uma nova chance foi dada

E precisa ser aproveitada!

Quantas vezes temos a vida poupada sem percebermos

Quantas novas chances foram-nos dadas e não aproveitadas

Quantos anjos Deus já nos enviou e nos salvaram de perigos iminentes apenas por amor

Quantos “anjos” agem de longe por nós, para nós, machucam-se, sem sequer notarmos?

Que o escuro que ainda aparece e amedronta

Seja apenas para fazer a luz ser mais brilhante…

Que o amor e bondade vençam sempre!

Em todos os corações…🙏😇

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: