Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Categoria

abandono

A alma chora e agradece

A ALMA CHORA E AGRADECE
Fadigado o corpo luta para sobreviver à lama
Esgotada a alma chora
Chora por aqueles que se foram
Chora pelo descaso, pela insignificância da vida
Chora por si mesma…
Ao redor tudo é destruição
Quanto ouro vale uma vida?
Mais especificamente, quantas vidas são necessárias
Para pagar pela mineração?
Fundão, Feijão, decepção, repetição
Não foi aprendida a lição?
E a alma estremece, quase desiste, chora
E se entrega, agradecida, nos braços daquele que a acolhe
Uma alma que entende outra alma
Corações em sintonia, dor, alegria
E a alma chora, agradece…
Alda M S Santos

Araras urbanas

ARARAS URBANAS

Variadas peças, cores e tamanhos

Expostas numa grande arara urbana

Feita das grades sobre muros no centro da cidade

O cliente chega, pega, olha, até experimenta

Não há atendentes, não há provadores

Há alguns expectadores

Algumas peças seminovas

Outras um pouco surradas

Menos surradas que os clientes que por elas procuram

Não há marcas, sequer se preocupam com isso

O que precisam é que sirva

Não há sacolas, não embalam

Vestem umas sobre as outras

Não estocam nada, não guardam nada também

A marca que vejo ali é só uma: compaixão

Aliada à solidariedade e amor

Não há caixa, não há preços

Um cartaz diz apenas: DOAÇÃO

O cliente pega o que lhe serve

E vai embora…

Mas não vai para sua casa

Fica por ali mesmo, nesse espaço que tem sido seu lar…

Quando precisa de algo “novo”

Recorre novamente às araras urbanas

Você tem algo para doar

Para essas araras alimentar?

Alda M S Santos

SOS CORAÇÃO

SOS CORAÇÃO

O sol está alto no céu

E aquilo ali é uma cama

E está “feita” onde todos transitam

Cobertores embolados, papelões rasgados

Alguns ainda dormem

Sujos, barbados, vestidos da cor das ruas

Às vezes uma sacola com “tudo” o que têm na vida

Serve a eles de travesseiro

Guardam outras poucas peças de roupas

Talvez um pente ou uma escova de dentes

Um espelho quebrado, será?

Uma fotografia de outros tempos

Mas aquilo é uma cama!

Ali no meio do caminho

Exposta a todas as intempéries

Logo vai escurecer e esfriar, é inverno

Como pode um ser humano viver assim?

Dependentes da generosidade alheia

Será que levam ao pé da letra a passagem bíblica (Mt 6, 25-34)

Das aves do céu e dos lírios do campo

Que Deus alimenta, veste e cuida sempre?

Ou já em nada mais creem?

São muitas as histórias

São imigrantes que vieram e não encontraram emprego

Usuários de entorpecentes perdidos de si mesmos

Pessoas brigadas com familiares

Doentes da mente, do corpo, da alma…

Mas são pessoas!

E nós que temos também nossa cama

Nosso lar, nossas coisas, nossas conquistas

Até que ponto podemos ser considerados humanos

Se nada disso nos sensibilizar

Não nos fizer agir para isso tudo amenizar?

A humanidade pede socorro

SOS CORAÇÃO!

Alda M S Santos

Choro por nós

CHORO POR NÓS

Eu choro por todos nós

Choro pela humanidade que se desumaniza

Que promove mais discórdia que concórdia

Que destrói o meio em que vive

Que transforma vida em morte

Eu choro por todos nós

Choro por pessoas que sofrem

Por pessoas que nada fazem para amenizar o sofrimento alheio

Que se acreditam superiores

Eu choro por todos nós

Choro pela humanidade que tanto tem

Que ignora o que falta ao semelhante

Mas que prefere reclamar

Opta por brigar pelo que não tem

Escolhe invejar o que é do outro

Eu choro por todos nós

Choro pela humanidade tão manipulada

Que, por opção, ignorância ou alheamento,

Escolhe o ódio pensando buscar o amor

Eu choro por todos nós

Choro por toda humanidade

Particularmente por quem tem o poder de fazer a diferença para o bem

E escolhe danificar a vida de tantos

Ou mesmo de um alguém

Eu choro…

Chorando, vou buscando um caminho diferente…

Alda M S Santos

#carinhologos

À Beira de um colapso

À BEIRA DE UM COLAPSO

A BEIRA dos rios

A BEIRA da devastação

A BEIRA da exclusão social

A BEIRA de um povo sempre tão sofrido

A BEIRA que agora sofre a revolta da natureza

A BEIRA negra, pobre, tantas vezes esquecida

A BEIRA da exploração, do tanto faz

A BEIRA africana, à beira-mar

BEIRA, Moçambique, à beira de um colapso

BEIRA, inundada, destruída, pede socorro!

Alda M S Santos

#somostodosmoçambique

fotos Google

E as lágrimas secaram…

E AS LÁGRIMAS SECARAM…

Sentada num canto ela dizia que já sofreu demais

Tanto chorou, e chorou, que hoje,

Por maior que fosse a dor, não tinha o alívio das lágrimas

Secaram todas, afirmava

Décadas e décadas vividas, evidenciadas em cada ruga

No corpo frágil que parecia muito leve

Para carregar tamanho peso…

Que será que carrega a pesar tanto?

Algo que fez, que deixou de fazer, ou permitiu que fizessem consigo?

Males que causou aos outros, a si mesma, arrependimentos,

Sonhos que não viveu, impediu que outros vivessem

Caminhos que não trilhou, portas que arrombou

Lições que não aprendeu ou não ensinou

Ou saudades, alegrias perdidas, não mais vividas?

Observo os mais velhos, e considero a sabedoria da natureza

Ao ir limitando a memória dos idosos

Um modo de poupar energia

E aliviar um pouco o sofrimento daquilo que não tem mais jeito,

Pois lágrimas e sorrisos, ambos podem fazer bem ou mal

Dependendo do modo que se olhe para eles,

E da expectativa que se tenha pela frente…

Alda M S Santos

Toque de amor

TOQUE DE AMOR

Uma geme na cama, dormindo ou acordada

A outra, de frente para o corredor, sempre observa quem se aproxima

A primeira tem feridas nas pernas, artroses múltiplas

A outra, após AVC, não fala mais, não é alfabetizada

Comunica-se com gestos e com o olhar

Há ainda outra que canta e gosta de dançar, apesar das limitações

Todas moram num lar para idosos

São bem cuidadas, medicadas, alimentadas

Uma agradece baixinho, reduzindo os gemidos,

O abraço, o beijo, o carinho que recebe

A outra fala de amor com os olhos

Recebe e retribui os abraços

Devolve os carinhos no rosto delicadamente

Todos lá não só gostam do toque, do carinho, da atenção

Mas precisam dele para viver

Só notamos verdadeiramente a falta que o calor humano faz

Quando nos defrontamos com quem mais carece dele …

O toque carinhoso de outra pessoa

É o que nos faz sentir humanos, vivos…

Alda M S Santos

#carinhologos

Planeta Azul

PLANETA AZUL

Entre vegetais, minerais, animais

Astros e estrelas

Água, terra, ar, fogo, coração

Um gigante repleto de seres (des)animados solto no espaço

Nosso planeta azul não é mais tão azul assim

E somos a parte pensante por aqui

Somos a parte coração

Aquela capaz de amar, construir e destruir

A si mesmo e aos seus semelhantes

Só não sei afirmar ainda

Se essa é a notícia boa ou ruim

Para nós e para o planeta…

Alda M S Santos

Artistas

ARTISTAS

Uma dupla de amigos “artistas”

Senhor Edilson, 75 anos, morador do Lar Frei Otto

Eu, uma professora “desenhista” e voluntária no lar

Eu desenho, ele colore…

A cada visita temos essa troca de carinho

Nós dois ficamos felizes…

Até a árvore que caiu lá fora e deixou o lar sem energia

Impedindo a distração com a TV não importou tanto

O tempo passa rápido quando fazemos o que gostamos

Aquilo que nos faz bem tem efeito cascata

O que fica de bom em cada um de nós

Transborda para todos a nossa volta…

Até a próxima, amigo Didi!

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: