Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

sede

Muita sede ao pote

MUITA SEDE AO POTE

Quem vai com muita sede ao pote

Com muita ânsia e gula em busca de saciedade

Acaba por derrubá-lo e morrer de sede

Se se demora demais perde-se o pote para outro sedento

Bom mesmo é ir devagar

Gole por gole, um pouquinho de cada vez

Antecipando o prazer da satisfação

Saciando aos poucos o desejo que se apresenta

Vale para todo tipo de sede

De água, de vinho, de amor ou de carinho

Física, profissional, financeira ou emocional

Se não se busca pelo pote d’água morre-se de sede

Se se quebra o pote perde-se o conteúdo

Morrendo de sede à beira do rio…

Tudo é uma questão do tamanho da sede

E da sabedoria na hora de satisfazê-la…

Tá com sede?

Alda M S Santos

Alma sedenta

ALMA SEDENTA

Basta um mínimo de água

Pode ser num copo, numa torneira

Em ondas revoltas do mar, contornando pedras numa cachoeira

Num pequeno riacho, caindo do céu ou escorrendo dos olhos

Para matar a sede, a saudade de um lugar

Para se refrescar, fazer uma tempestade ou se afogar …

A quantidade necessária a cada um

Ou o uso que dela se faz é individual

Pode ser apenas enxugando os olhos molhados

Refrescando os pés descalços, relaxados

Abrindo os braços para se encharcar

Mergulhando fundo até não mais voltar

Ou até obter abastecimento satisfatório da alma sedenta…

Alda M S Santos

Sede de quê?

SEDE DE QUÊ?

Sedentos estamos todos

A água disponível não é a ideal

Parada, corrente, concentrada, com ou sem sabor.

Inúmeras opções de cores e odores.

E precisamos apenas da velha e boa H2O:

Insípida, incolor e inodora.

Mas perfeita no que lhe cabe: saciar a sede!

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: