Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

recolhimento

Autoproteção

AUTOPROTEÇÃO

Somos uma “máquina” inteligente

Cuja essência é a autoproteção

A preservação da vida

A saúde física e mental

À nossa revelia ela age, reage

Luta ou se recolhe 

Quando entendemos isso,

Paramos de lutar conosco mesmos,

E deixamos nossa inteligência

Emocional, racional ou “irracional” agir,

Lavar corpo, mente e alma.

Há tempo para tudo no nosso interior…

Observar isso leva-nos ao autoconhecimento,

Leva-nos à vida plena!

Alda M S Santos

Dias ruins?

DIAS RUINS?
Há dias que definimos como dias de sol: céu azul, nuvens branquinhas, temperatura agradável.
Normalmente, convidam à alegria, aos sorrisos, amigos, passeios, interação.
Há também os dias nublados, com chuvinha insistente, meio frios.
Convidam ao recolhimento, reflexão, introspecção, cama e edredom.
Mas não é regra!
Com sol ou chuva, independente do tempo lá fora, ele pode estar nublado dentro da gente.
Aquela sensação ruim, nó na garganta, vontade de chorar por tudo e por nada.
Qualquer coisa corriqueira parece chata, desanimadora.
Uma palavra menos dócil ou uma atitude mais compreensiva, de carinho, bastam para abrir as comportas.
Há quem identifique como TPM, uns como conflitos existenciais, outros de apenas um dia ruim.
Seja qual deles for, melhor mesmo é chorar. Lágrima presa afoga, sufoca, envenena, mata.
Uma amiga costumava dizer que, quando tinha vontade, chorava mesmo, e alto, como criança. Só assim se sentia melhor.
Somos feitos de sorrisos e lágrimas. Devemos respeitar nossas necessidades. Ambos têm razão de ser
Busquemos as que possam proporcionar mais sorrisos, mesmo com sombras no olhar.
Alda M S Santos

De volta para o útero

 DE VOLTA PARA O ÚTERO

Vontade enorme de me enroscar em mim mesma

Ficar quietinha, respirar suavemente, pensar em nada

Preocupações e sensações zero, apenas o “inexistir”.

Colocar-me em modo voo, gastar pouca energia

Não atender a ninguém, nem a mim mesma.

Tudo nos ajustes “inativos”, “não perturbe”.

Voltar para o útero, encolhidinha,

Ambiente aquecido, solitário,

Dentro d’água, sons amortecidos.

Alimentada, nua, nem respirar precisa…

Apenas um carinho suave vez ou outra,

E nada podendo me fazer mal ou causar dores.

Faço X nessa opção!

Alda M S Santos
 

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: