Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

pesadelos

A importância que te dou

A IMPORTÂNCIA QUE TE DOU

Dou importância demais a você

Teria dito novamente a psicóloga

Por isso não sai dos meus sonhos

Dos meus pesadelos, para ser mais exata

Entra sem pedir licença, invade

Amedronta, assusta, aterroriza

Sou eu que preciso definir qual espaço você ocupará na minha vida

Muito, pouco ou nenhum!

O que não se resolveu na consciência

Tenta-se resolver na inconsciência

Você me assaltou, roubou, assustou, machucou, feriu

Causou medos e traumas, mas vencemos, ambos

Estou viva e você ficou sem uma dívida a mais a pagar

Então, fiquemos assim: não precisa mais me assustar

Você não tem participação especial na minha história

Ou, se teve, pela realidade dolorida da situação, passou

Não te desejo mal, apenas que encontre seu caminho

E que não precise mais assaltar ninguém…

E que Deus nos proteja a todos!

Alda M S Santos

Foi assim…

Loucos e sãos

LOUCOS E SÃOS

Saiu do ensaio e subiu a rua de volta para casa

Um carro escuro a seguiu, ela correu, gritou

Mas a voz não saía, os pés não se moviam

O carro parou e duas mãos fortes a jogaram lá dentro

Uma sensação de reviver aquele pesadelo passado retornou

Olhou para aquele rosto (des)conhecido que a ameaçava com o olhar

De onde o conhecia, mesmo?-ela refletia.

“Que vai fazer comigo?”- perguntou estranhamente calma, lágrimas rolando

“Não vou te matar, apenas fazer você ser esquecida, sair do meu caminho”

“Mas quem vai para o Hospital de Barbacena não volta”- parecia adivinhar o que ele queria

Ele expressou aquele sorriso malvado

“Isso mesmo, “anjinha”, você não atrapalhará mais a minha vida”

Uma camisa de força parecia frouxa

Mas o aperto vinha de dentro, sufocava

Viu uma foto no painel do carro, dois jovens sorridentes

Sabia que os conhecia, onde estariam?

Será que enlouquecera mesmo?

Estava toda encharcada de suor e lágrimas que escorriam e nem sentia

O carro parou na entrada de um presídio que era “Barbacena”

Foi retirada do carro, levada para dentro, lugar gelado e sombrio

Aquele lugar ela sabia ter visitado antes numa ilha, os doentes ficavam ali de quarentena quando chegavam de Portugal

Ali a receberam com carinho excessivo, estranhou, parecia falso

Nas paredes, leu algo que soou como piada “Deus é Fiel, Jesus Vive”

“Sim”, ela pensou, “certamente vive, mas não nesse lugar”…

Olhou para fora, o carro daquele (des)conhecido que amara fora embora

Uma nova vida “começava”, o peito apertava muito, doía, o ar faltou

Desmaiou…

Alda M S Santos

Ruínas do presídio de Lazareto Ilha Grande(fotos)

Nos braços de Morfeu

NOS BRAÇOS DE MORFEU

Deitou-se à beira mar num fim de tarde de outono

O Sol se punha belo e multicor no horizonte

As ondas vinham leves e mornas sob seus pés, puxando a areia

Um céu de azul profundo, gaivotas a voar

As crianças brincavam felizes, despreocupadas

Olhos querendo fechar, embalados pelos sons e cheiro de maresia inebriantes

Não posso dormir- pensou! Perigoso!

Entregou-se aos braços de Morfeu, sem perceber

Noite alta, despertou sem ar, quase se afogando

Queria nadar de volta à praia, tudo escuro como breu, nada via

Sensação claustrofóbica terrível

Água por todos os lados em círculos, pedia ajuda, ninguém ouvia

Nadava e sentia-se afundar, ouvia barulhos de gente

Procurava por seus entes queridos, gritava e a voz não saía

Chamava por seus amigos e familiares e…nada, ninguém a socorria

Sentia-se afundar, olhos ardendo do sal do mar e das lágrimas

As forças minavam, faltava oxigênio, pensou em Deus…

Os olhos se abriram, clarearam, a areia da praia apareceu, nadou de volta

Esgotada, entregue, chorou, agradeceu…

Alda M S Santos

Sonhos…

SONHOS…

Sonhos…tão nossos, só nossos…

Sonhos “presos” no âmbito do in(consciente)

Estão protegidos em sua irrealidade

Trancados atrás das telas frias da impossibilidade

A partir do momento que ousam ser compartilhados

Cruzam uma fronteira perigosa e audaciosa

Passam a correr dois riscos:

Tornar-se reais, ainda que diferentes do sonhado

Transformando-se em realidades lindas, leves e doces como voo de beija-flor

Ou morrerem, em pesadelos escabrosos, sufocados pela grossa nuvem de poeira do mundo real

De um modo ou de outro deixam de ser sonhos

Daí tantos humanos cautelosos preferirem manter sonhos como sonhos

Guardadinhos na mente, na alma, no coração, protegidos…

Alda M S Santos

Fugia…

FUGIA…

Ela apertava fundo o acelerador, fugia

Rodovia escura e muito curva, chovia

Um ou outro farol em sentido contrário, sequer percebia

Nas lágrimas que sem cessar, refletiam

Escapara mais uma vez, vida salva, coração acelerado

Mas o medo persistia…

E fugia!

Para onde? Não sabia!

Queria fugir para qualquer lugar

Onde o medo não imperasse

Onde a dor não reinasse

Mas sabia…

A única fuga que permite reencontro consigo

Capaz de matar ou neutralizar qualquer monstro

É a fuga consciente para dentro de si mesma

Onde pudesse novamente se fortalecer, se reencontrar

Respirar, viver, agradecer

Ficar livre de pesadelos e ter apenas bons sonhos

Ainda que irreais…

Seria utopia?

Alda M S Santos

Na madrugada

NA MADRUGADA

Ausência de luz, a cidade descansa

Sombras escuras se agigantam nas luzes artificiais

Shshshshsh, silêncio total

Crianças, jovens, famílias inteiras adormecidas

Os males, o medo, parecem muito maiores na madrugada…

Escondidos durante o dia, disfarçados na luz, de luz

Buscam os desprevenidos…

À noite parecem ganhar força

Sorrateiros, entram em lares, nas pessoas, nos corações

Se escondem, disfarçam, crescem, assustam

Invadem, arrombam, pilham, roubam,

Bens materiais, a família, a paz, o sossego, a vida…

Distraídos, por descuido ou enganados,

Muitas vezes cedemos a chave

Sonhos, pesadelos e realidades se misturam

E nossos anjos têm muito mais trabalho para nos salvar

Inclusive de nós mesmos

De nossa “escuridão” interior…

Mostrando que a luz é mais forte

E brilha imperiosa como o sol da manhã

Para aqueles que a querem ver…

Alda M S Santos

Terapia e florais

TERAPIA E FLORAIS

Meio a contragosto ela observava os peixinhos, respiração acelerada

Aguardando um terapeuta que ouviu mais que falou:

“Você precisa se permitir vivenciar isso, sofrer, chorar”

“Tente não resolver tudo sozinha”

“Você não precisa ser forte todo o tempo”

“Entenda que isso não é real, que passou, que você está bem”

“Segundo Freud, sonhos e pesadelos são modos de se trabalhar no inconsciente o que incomoda no consciente”

“O tempo irá diminuir a intensidade dos pesadelos se trabalhar isso em você”

Ela saiu de lá com uma receita de florais

Para amenizar ansiedade, culpas, medos, traumas, melhorar a qualidade do sono

E um pouco incrédula da eficácia

Mas disposta a tentar amenizar pesadelos massacrantes…

Ocupar corpo e mente e afastar qualquer mal…

Alda M S Santos

E a vida segue…

E A VIDA SEGUE…

Dia: sol, luz, insegurança, amor, coragem, expectativas,

Vida que segue…na leveza ou peso do que somos

Noite: escuridão, medos, perseguições, ameaças, desconfianças, acusações…

Morte que tudo interrompe…na leveza ou peso do que carregamos

Sonhos e pesadelos…

Tudo cinzento e cruel!

Alegrias que fortalecem

No brilho do amor e amizade

Lágrimas que lavam a alma

Força que renasce da coragem e fé

E a vida segue…

Na linha tênue que a separa da morte!

Alda M S Santos

Adormecido

ADORMECIDO

Quando algo começa a adormecer dentro da gente

Surge alguma coisa para nos despertar da “letargia”

Um homem qualquer de capuz na rua

Uma mulher assassinada ao oferecer carona na rodovia

Uma notícia qualquer de violência e atrocidades

Um pesadelo sobre assaltos, estupros e morte.

Coisas que fazem reviver sensações de terror.

Mais tempo ainda torna-se necessário para adormecer

E fazer a sensação ruim ser jogada fora

Ou empurrada para o fundo e nunca mais sair…

Alda M S Santos

No travesseiro

NO TRAVESSEIRO

Estacionamos nossa mente ao colocar a cabeça no travesseiro.

Será mesmo?

A quantas anda nossa mente nesse momento tão nosso?

Revive o dia que passou? Alegra-se, lamenta?

Planeja o dia seguinte com esperança e fé?

Dá umas voltas no passado? Sente saudades, quer retornar?

Quem entra, quem sai, quem fica nela?

Temos controle? Conseguimos mudar o canal,

Selecionar momentos, pessoas, sentimentos que queremos?

Ou ela é bandoleira e fica onde quer, livre,

Até se desligar por superaquecimento ou exaustão?

Alda M S Santos

Lágrimas não fazem barulho

LÁGRIMAS NÃO FAZEM BARULHO

Tudo estava muito escuro, respirar era difícil

Tanto pelo exíguo espaço quanto pelo medo

Cheiro de álcool, cigarro, barulhos ao longe

Curvas perigosas, risadas mais ainda

Vou me encolhendo, abraçando os joelhos,

Tentando passar despercebida.

Lágrimas não fazem barulho, exceto dentro da gente.

Uma oração que não consegue ser verbalizada

Um pedido de socorro que não sai, por mais que se tente.

E as lágrimas aumentam… A velocidade diminui.

O porta-malas se abre, duas imagens conhecidas me encaram,

Maldosas, cruéis, dispostas a tudo.

Tentam me levar dali, fico imóvel.

Fecho os olhos, tento gritar, a voz não sai

Aguardo o inevitável.

Silêncio total!

Devagar e amedrontada, abro os olhos

A oração apenas pensada, o pedido mudo de socorro

Foram atendidos, não havia mais ninguém ali.

Chorei convulsivamente num agradecimento também mudo,

E, chorando, acordei…

Na certeza de que mais uma vez, entre tantas, fora salva!

Alda M S Santos

Era apenas um pesadelo?

ERA APENAS UM PESADELO?

“Você não tem medo, você já é grande”!

Falam-nos nossas pequenas crianças

Que em nós buscam auxílio para seus medos

Do escuro, dos monstros debaixo da cama, do lobo mau

Dos animais peçonhentos, das pessoas estranhas,

De perderem o amor dos pais, de serem esquecidas na escola…

Mas enganam-se muito ao pensar que não temos medo!

Quiséramos não tê-los!

E nossos medos são muito reais!

E nem sempre buscamos ajuda!

Medos de ordem física ou emocional, social ou financeira.

Elas não sabem, mas também temos nossos escuros,

Nossos lobos maus, nossos estranhos peçonhentos,

Também tememos perder alguém,

E temos também nossos monstros,

Tanto dentro quanto fora de nós,

E são também assustadores, quase invencíveis.

Queríamos que se afastassem ao acendermos a luz,

Ao chamarmos um super-herói,

Ou ao recebermos um abraço de “era apenas um pesadelo, estou aqui”.

Alda M S Santos

Sonhos e pesadelos

SONHOS E PESADELOS

Se os sonhos e pesadelos existem para resolvermos algo no inconsciente

Que o consciente não dá conta de resolver

Sou uma pessoa muito mal resolvida, de consciente problemático.

Se por outro lado, existem para acelerar algumas soluções

Eu não deveria ter qualquer pendência!

Entre sonhos espetaculares e dignos de se tornarem reais,

E pesadelos escabrosos, de tirar o sono e deixar uma sensação ruim o dia todo,

Transitando da consciência à inconsciência, do real ao imaginário,

Pintando o rosto, sorrindo ou chorando,

Feliz ou sofrendo,

Vou vivendo…

Alda M S Santos

Na madrugada

NA MADRUGADA

Na madrugada, todos dormem!

Silêncio, escuridão, solidão, 

Descanso, sono, sonhos…

Mentes que revivem, que criam,

Inconscientes que processam, que trabalham,

Situações-problemas a resolver, traumas a superar,

Medos a enfrentar, dores a curar, 

Amigos tornando-se inaceitáveis inimigos.

Desafetos a amenizar, afetos a valorizar,

Dúvidas a esclarecer.

Pesadelos: a mente que trabalha solitária…

Logo, algo de lindo irá brotar! 

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: