Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

lutas

Anjos que choram

ANJOS QUE CHORAM

Absorvendo nossas quedas e dores

Anjos se machucam, anjos choram

Choram quando veem que insistimos no caminho errado

Choram quando nos ferimos

Choram quando ferimos os outros

Choram quando não conseguem nos ajudar

Choram quando choramos…

E o mundo chora com eles

Aqueles que estão por aí

Insistentes, persistentes, corajosos

Que se machucam, se ferem, se doem, se doam

Por aqueles que protegem nas dores

Que acolhem no sofrimento, na fragilidade

Se olharmos bem, se apurarmos nossos ouvidos

Seremos capazes de ouvir o choro dos anjos

De ver seu sofrimento atrás de sorrisos

Suas lágrimas silenciosas nas batalhas por nós

Por lutar por seres humanos melhores

Por um mundo melhor,

Anjos choram…

Quem são nossos anjos?

Alda M S Santos

Utopia ou paz?

UTOPIA OU PAZ?

Não é no dia em que tivermos vencido

Todas as nossas guerras internas

Enfrentado todos os nossos monstros

Que teremos alcançado a paz

Isso é utopia!

Teremos paz quando finalmente

Aprendermos a conviver com elas

Sem nos ferirmos de morte

Sem machucarmos nossos amigos

Sem matar nossos “inimigos”

Apenas aprendendo a neutralizá-los em nós

Até dançando com eles, independente de seu tamanho

Permitindo que nossos “amigos” apareçam mais

Dando aval para nosso verdadeiro eu ter primazia

Isso é paz!

Alda M S Santos

Nas batalhas

NAS BATALHAS

Batalha pelo pão que alimenta o corpo

Batalha pelas águas claras que hidratam o ser

Batalha pelo chão firme sob os pés

Batalha pelo céu azul que possibilita voos livres

Batalha pelo abraço gostoso que une os seres afins

Batalha pelos bons relacionamentos que enriquecem o viver

Batalha pelo amor recíproco que alimenta a alma

Batalha para sentir-se membro dessa nau

Batalha para ter onde repousar corpo, mente e coração

E viver um sonho real

De amor e compaixão…

Nas constantes batalhas para nos firmar como gente

Devemos nos cuidar para não perdermos nossa humanidade

Nas batalhas da vida precisamos, às vezes, nos render

Pedir uma trégua, talvez até nos sentir meio presos

Para poder sermos verdadeiramente livres e vitoriosos

E seguir em paz quando chegar o momento de voltar para casa

Alda M S Santos

Bandeira branca

BANDEIRA BRANCA

Se houver paz dentro

Não há guerra cá fora que interfira

Que mude esse status

Mas se dentro for batalha atrás de batalha

A paz exterior pouco terá efeito

Levante a bandeira branca dentro de si

Peça uma trégua a sua alma

E deixe a guerra cá fora entender

Que a paz que todos almejamos

Nasce primeiro em cada um de nós

Em cada coração disposto a amar, perdoar

Acreditar, e seguir em frente…

Alda M S Santos

Duelando

DUELANDO

De frente, de costas, de perto ou de longe

Confrontos visando resolver desagravos diversos

Armados: armas brancas, de fogo, palavras, cérebro, coração

E os digladiadores “modernos” continuam a duelar

Quem tombará primeiro?

Quem vence afinal?

Duelos de cunho físico ou emocional

Quem tem o gatilho mais rápido

Ou o chicote mais certeiro?

Qual a arma mais potente?

Qual a palavra mais poderosa?

Qual o prêmio desse entrave, dessa disputa?

Quem são afinal os adversários, quais as desavenças?

Num combate corpo a corpo, mente a mente, alma a alma

Vence aquele que se entrega

Aquele que usa a arma mais poderosa: o coração

Ainda que esteja fora do corpo, ele não nos deixa na mão

Ele sabe até onde pode ir sem matar, sem morrer…

Alda M S Santos

Por que rosa?

POR QUE ROSA?

Ele é rosa, o outubro é rosa

Todos os meses deveriam ser rosa

Rosa é coisa de mulherzinha, também de mulherão

Rosa é coisa de mulher, associado ao feminino, é força e fragilidade

Rosa cor, rosa flor, rosa amor, rosa de superação da dor

Somos rosa não apenas pela delicadeza

Somos rosa pela força que se agiganta quando preciso

Que brota do fundo, cresce e se alastra como roseiral

Somos jardim de rosas em luta pela saúde feminina

Rosa que conscientiza a fazer o autoexame dos seios

Rosa que nos leva a lutar pelo direito à saúde pública, a exames de imagem

Rosa que nos lembra da prevenção do câncer de mama

Rosa que nos faz guerreiras ao extirpar um tumor

Rosa que nos fortalece a encarar de peito aberto essa batalha pela vida

Rosa que nos leva a sensibilizar companheiros da importância do apoio familiar

Rosa que nos faz sentir sempre belas, queridas e desejadas

Rosas amadas, ainda que nos falte temporariamente uma parte bem feminina

Que tem o poder de alimentar outras pequenas vidas

Mas que nos lembra que somos femininas por muitas outras razões

Principalmente o amor, a bondade e a coragem

Nada chega ou se vai sem deixar algo importante

E o câncer de mama tem esse poder

Despertar a força adormecida em cada rosa desse lindo roseiral

O outubro é rosa, somos todas rosa

Somos rosas pela vida!

Cuidar desse jardim é responsabilidade de todos!

Alda M S Santos

#outubrorosa

Essa força estranha

ESSA FORÇA ESTRANHA

De onde vem essa força?

A força que faz tantos carregarem um peso

Muitas vezes maior que o próprio?

De onde vem essa força

Que faz sorrir, onde tantos derramam rios de lágrimas?

De onde vem essa força

Que nasce, cresce, se espalha e se renova

E a tantos contagia, surpreende?

De onde vem essa força

Que brota em terrenos aparentemente áridos e inférteis?

De onde vem essa força

Que cresce nos vazios alheios que preenche

De onde vem essa força estranha

Se não de dentro de nós mesmos?

É sempre lá que a força está,

Sempre!

Pode estar em repouso, mas existe

Pode ser leve como uma esperança, voar, flutuar

Apenas precisa de algo que a acione

Em alguns é um sorriso, um abraço, uma família

Um trabalho prazeroso, uma mão que se estende

Uma amizade sincera, um amor incondicional

Talvez até uma grande decepção ou tristeza

Palavras de fé e estímulo, um olhar amoroso

Até mesmo por ter alguém que deles necessitem

Atividades de amor, solidariedade e compaixão, Deus…

A força está em cada um de nós

Cada qual tem algo especial que a faz mirrar ou crescer

De onde vem sua força?

Alda M S Santos

Um dia de cada vez…

UM DIA DE CADA VEZ

Quando a felicidade estiver muito próxima da tristeza

Quando a força exigida para manter-se de pé

Estiver fragilizando ainda mais as pernas

Melhor deixar-se “cair”, reconhecer-se frágil

Talvez até impotente naquele momento

Sentar-se à beira da estrada, descansar de tantas dores e cobranças

Dos outros, de si mesmo, principalmente

Abastecer-se de fé e coragem, reconhecer-se humano

E quando a força for chegando aos poucos, se renovando

Levantar, voltar a seguir, um passo de cada vez, degrau por degrau

Lembrando do aprendizado que ficou para não cair ou derrubar novamente

Construindo pacientemente um novo caminho para si

Nem tão longo, nem tão difícil ou penoso

Abrindo os olhos para a luz que se apresenta à frente

Enxergando e vencendo apenas um dia de cada vez…

Alda M S Santos

Nocaute

NOCAUTE

A vida vai bater, muitas vezes bem forte

Golpes diretos, cruzados, ganchos certeiros

“Vence” quem tiver o coração mais leve

Você vai se machucar, se ferir, ferir os outros

Sentir-se atordoado, talvez perder a noção do certo e errado

Vai querer revidar pancadas, usar golpes baixos

Aguente firme, equilibre-se, desvie de alguns diretos

Proteja-se!

Fortaleça sua musculatura, absorva alguns “socos”

Transforme-os em energia para prosseguir

Se cair, respire fundo, beba água

Ajeite o protetor bucal, o protetor emocional

Levante-se!

Evite revidar golpes duros

Eles sempre retornam mais fortes

Risco de nocaute…

Os golpes mais traumáticos virão de onde você menos esperar

Te lançarão na corda, te derrubarão na lona

A vontade de ali ficar será grande…

Mas…levante-se!

Sofra o que tiver de sofrer, cure as feridas

Dê-se um tempo de “luto”, de repouso

Aprenda, prossiga!

Cuidado com golpes já conhecidos

Não golpeie com aquilo que sabe o quanto machuca

Se tiver que revidar, que seja a bondade e o amor

No mais, golpe nenhum merece revide

No ringue da vida quando alguém vai à nocaute

Na verdade mais de um perde

Ninguém ganha!

Será que fomos prevenidos antes de vir para esse ringue?

3,2,1…levante-se!

Alda M S Santos

Eu versus eu

EU VERSUS EU

As grandes batalhas da vida

Não são aquelas lutadas lá fora

As maiores batalhas do existir

São aquelas travadas no front de nosso interior

As vezes em que não eliminamos nossos monstros

Por medo, covardia ou compaixão

As vezes em que não neutralizamos um mal

Dando tempo para ele crescer e se fortalecer

E voltar a nos atingir em cheio

As vezes em que nos escondemos atrás de barricadas

Sabendo bem qual era nosso calcanhar de Aquiles

As vezes em que demos munição para “adversários” já conhecidos

E não usamos as armas que sabemos que seriam as mais potentes

Não importa se o oponente é um mal físico, mental, psicológico ou emocional

Uma doença crônica, um diabetes, uma dificuldade com números ou de expressão de sentimentos

Problemas de autoestima, ciúme, confiança ou bondade excessiva

Ou aquela pessoa a quem “damos” o poder de nos irritar ou fragilizar

E ficamos expostos nas trincheiras, de peito aberto

Ferida aberta, reaberta, sangrando

Nosso oponente sempre está em nós mesmos

Só nós podemos deixá-lo nos atingir

Só nós podemos enfrentá-lo

Uma batalha já é perdida ou ganha em nosso interior

Aqui fora é só um detalhe a mais

Muitos campos abertos aos quais nos expomos sem necessidade

Viemos para essa “guerra” para vencer nossos próprios “inimigos”

Sermos melhores a cada dia

Evitando sermos atingidos por fogo “amigo”

Ou atingindo adversários imaginários

Como sabemos se estamos vencendo?

Quando estamos bem conosco mesmos, em paz física e emocionalmente

E com aqueles que nos cercam

É sinal que estamos vencendo

Mas essa é uma batalha que só termina quando somos chamados de volta para casa

Para nosso território de origem…

Como estamos nos saindo em nossas guerras particulares?

Alda M S Santos

O bom soldado

O BOM SOLDADO

“O bom soldado não deixa seus feridos para trás”

Independente se está ou não em risco

Se se preocupar apenas com a própria integridade física

Ainda que com vários danos emocionais comuns nas “guerras”

Se seguir em frente sem socorrer aquele ferido que lutou a mesma batalha

Deixando-o à própria sorte, visando salvar apenas a própria pele

Atitude essa que denota falta de caráter, de hombridade

Ausência de humanidade, compaixão e amor

Quem abandona um ferido em “guerra”

Não é apto para as batalhas da vida

Não terá forças emocionais para seguir em frente

Sentirá sempre na alma o peso daquele ferido que poderia ter carregado nos ombros

Nunca será um “vitorioso” de verdade

Estamos todos numa “guerra fria”

Soldados vários lutando por espaço, por pão, por água, por diversão

Por emprego, por amizade, por amor…

Nessa disputa, um que se perde, um que é deixado para trás

Afeta toda a humanidade contida em cada um de nós…

Somos todos soldados de um grande exército escolhidos para estar aqui

Desviando dos obstáculos, caminhando nessas trincheiras, curando feridas

O que diremos quando formos questionados onde está aquele irmão que deixamos para trás

Machucado por nós, pelo “inimigo”, ou por si mesmos

E sequer percebemos que estava ferido tão perto de nós?

Sairemos todos vitoriosos quando percebermos que, ao abandonar seus feridos

Um exército não chega mais rápido e mais honradamente em casa…

Alda M S Santos

Ensaio de guerra

ENSAIO DE GUERRA

Nada “melhor” que um ensaio de guerra para percebermos o que tínhamos

E, por cegueira temporária, não enxergávamos

Bastou parar caminhões, faltar combustível

Para faltar tudo aquilo que pensávamos “não ter”

Brasileiros, ao menos boa parte deles,

Vive na carência material, de saúde, educação, transporte, segurança …

Mas o medo de vir a minar o básico dos básicos

Levou os cidadãos à corrida para estocar alimentos, água, a economizar

Temos muita corrupção e roubalheira, submissão, inércia e letargia

Mas também temos, bem ou mal, alimentos, água, moradia, transporte…

Sem levar em conta os oportunistas e aproveitadores

Que olham do alto e se enxergam como únicos numa multidão de famintos

E, além do jeitinho malandro de sobreviver, temos bom humor para enfrentar o caos

Criatividade para buscar o que precisamos

Tudo isso nos fez focar no que ainda temos

Não apenas no que nos falta…

Crises despertam o que temos de mais animal e irracional em nós: o instinto de sobrevivência

Atiçam nossas características mais fortes, boas ou ruins

O grande paradoxo é que é com elas que acordamos e lutamos

E também nos matamos…

Alda M S Santos

Fardos nossos

FARDOS NOSSOS

Muito ouvimos que Deus não nos dá fardo maior que nossas costas

Doenças do corpo e da alma, desamor, injustiças, violência

Assaltos, estupros, sequestros, amigos que lavam as mãos

Inimigos disfarçados de amigos, perdas

Falta de fé, de coragem, de lucidez…

Acreditamos e lutamos para carregar cada fardo que recebemos

Até ajudamos os outros a carregar seus fardos

Deus certamente conta também com as costas amigas que dividem o peso conosco

Amigos, amores, familiares…

Que nos ajudam nas encostas e ladeiras íngremes

Nas tempestades mais fortes, nas noites escuras como breu

Onde pesadelos nos assombram, monstros nos perseguem

E a força parece faltar, as pernas tremem, as lágrimas escorrem sem cessar

Quando queremos e pedimos que o mundo gire muito rápido

E nos lance para fora da galáxia…

Ninguém pode sentir o peso do fardo do outro

Calcular a dimensão da dor alheia

Ou a profundidade da ferida e do quanto ela sangra…

Mas pode ajudar, estender a mão, aceitar ajuda…

Ser o “anjo” na vida do outro é tornar leves dois fardos

O deles e o nosso!

É preciso pés no chão, fé no coração

Essa humildade Deus espera de nós!

Com ela temos mais chances de ser felizes…

Eu creio!

Alda M S Santos

Catapulta

CATAPULTA

Não é preciso nem um extremo nem outro

Não preciso sorrir todo o tempo, tampouco chorar

Posso ter energia bastante para lutar

Mas posso querer hibernar por uns tempos

A alegria pode ser rara, a tristeza também

Mas não preciso nem um extremo e nem outro

Não quero viver na zona de confronto todo o tempo

Mas a zona de conforto também não é satisfatória

O amor não necessita ser daqueles de contos de fadas

Mas também não precisa ser de conto policial

Não preciso nem um extremo e nem outro

O trabalho pode ser intenso e prazeroso

Mas a inércia também pode fazer parte, ser necessária

Ou posso optar por deixar-me levar pela letargia

Vez ou outra preciso me desligar de tudo

Antes que tudo se desligue de mim

Não é preciso nem um extremo nem outro

Mas se chegar a qualquer dos extremos

Que eu possa me encontrar em qualquer um deles

E ser catapultada de volta ao prumo!

Alda M S Santos

Um dia de cada vez: só por hoje!

UM DIA DE CADA VEZ: SÓ POR HOJE!

A máxima dos grupos de ajuda

Das pessoas que sofrem qualquer mal

Quer seja mal físico, emocional, dependência química, vícios, é:

Um Dia De Cada Vez.

Só por hoje!

Só por hoje vou ser forte!

Só por hoje vou resistir!

Só por hoje não vou querer!

Só por hoje terei coragem!

Só por hoje não terei saudade!

Só por hoje não vou sentir medo!

Só por hoje não vou sofrer!

Amanhã será novo dia e novamente: só por hoje.

Assim fica mais fácil vencer qualquer dor, tristeza, sofrimento, saudade…

Pensar em lutar contra algo para sempre é tempo demais!

E se houver recaídas, tudo parte novamente daí.

Humanos erram, caem, levantam e seguem…

Humanos acreditam, mesmo sofrendo!

Por isso, quase sempre vencem…

Alda M S Santos

Amigos e inimigos

AMIGOS E INIMIGOS

Podemos ser nossos maiores inimigos, 

Pois conhecemos melhor que ninguém nossas fragilidades

E, muitas vezes, as entregamos de bandeja ao adversário.

Também podemos ser nossos melhores amigos,

Visto que só nós mesmos podemos acionar nossas forças capazes de combatê-las.

Resta saber de que lado vamos lutar:

Contra ou a favor! 

E isso não é tão simples quanto possa parecer,

Vivemos nos jogando de cara na lona, qualquer que seja nossa categoria! 

1, 2, 3… E levantando…

Será nocaute dessa vez? 

Alda M S Santos

Próximo do nocaute

PRÓXIMO DO NOCAUTE

Ver, mesmo de olhos cerrados,

Sentir, mesmo com o coração fechado,

Dizer, mesmo sem palavras,

Ouvir, mesmo os gritos ou sussurros dos silêncios, 

Acreditar, mesmo que tudo pareça ruir,

Abraçar, ainda que os braços pesem,

Sorrir, mesmo entre lágrimas, 

Lutar, mesmo próximo do nocaute,

Beijar, mesmo com lábios ressequidos pela distância, 

Prosseguir, mesmo com a sensação de andar para trás,

Viver, mesmo que a vida pareça pertencer a todos, menos a nós mesmos. 

Alda M S Santos

A corrente que mata gente

A CORRENTE QUE MATA GENTE
“A corrente que mata gente, quem tem medo sai da frente!”
Adorava essa brincadeira de criança!
Além da diversão, elas sempre nos deixam uma lição.
Na rua, um número grande de crianças,
Unidas lado a lado com os braços passados pelos ombros do outro.
Seguiam a rua cantando:
“A corrente que mata gente, quem tem medo sai da frente!”
Quem viesse em sentido contrário tinha três opções:
Juntar-se à corrente, que seguia cantando e mais forte,
“A corrente que mata gente, quem tem medo sai da frente!”
Voltar e fugir dela o mais rápido possível,
Formar uma nova corrente para enfrentá-la de igual para igual.
Enfrentar a corrente sozinho não era uma opção, era kamikaze demais.
Crescemos, mas a “brincadeira” continua.
“A corrente que mata gente, quem tem medo sai da frente!”
Ficam algumas questões importantes no ar.
Diante das correntes que “matam gente” que se formam por aí:
Nós as abraçamos? Concordamos com elas?
Lutamos sozinhos? Fugimos?
Formamos corrente contrária?
A lição da infância que fica é:
A brincadeira fica mais interessante quando não há apenas uma corrente.
Quando há pelo que, por que e por quem lutar!
“A corrente que mata gente, quem tem medo sai da frente!”
Ela está aí e sabe que temos força! Vamos esperar ser esmagados?
Alda M S Santos
Foto Google.

Nosso país precisa de mães

NOSSO PAÍS PRECISA DE MÃES

Nosso país precisa de lições maternas:

Nos lares, nas escolas, nas igrejas, nos (des)governos.

Seu direito termina onde começa o do outro.

Respeite os mais velhos e experientes.

Levantar a voz é perder a razão.

Se não é seu, deixe onde está.

Guarde o que usar, lave o que sujar, feche o que abrir, apague o que acender.

Procure acertar, se errar, desculpe-se e aprenda a lição.

Ajude os mais fracos, não se mostre superior quando for mais forte.

Seja confiável, mas não confie em todos.

Pegou emprestado, devolva, deu, tá dado.

Mantenha distância de estranhos.

Não prejudique ninguém e procure caminhar pra frente.

Será que nossos governantes tiveram mães? 

Como parece que não receberam as mesmas lições, vale lembrar mais duas:

Lute por seus direitos.

Não procure briga, mas também não apanhe, saiba se defender! 

Nosso povo precisa dessas duas momento. 

Alda M S Santos

GREVES E PARALISAÇÕES DE PROFESSORES: DE NOVO?

GREVES E PARALISAÇÕES DE PROFESSORES: DE NOVO?
Sou professora, pedagoga, há 27 anos. Aposentei-me agora em fevereiro, 27 anos de contribuição no magistério e 4 anos na iniciativa privada.
Ouço muito: “que sorte a sua, tão nova, mais ninguém conseguirá tal façanha antes de morrer”.
A Reforma Previdenciária a ser votada é desumana e cruel, ilógica e irracional, todos sabemos.
Porém, as mesmas pessoas que me parabenizam, dizem: “professores em greve, de novo”?
Foram incontáveis as vezes em que participei de paralisações ou manifestações ao longo de minha carreira. Independentemente se o governo era de direita ou esquerda, partido A ou B. Entrou lá, a situação é outra. O discurso muda radicalmente.
Muitos ganhos trabalhistas da categoria, ou garantia de direitos conquistados foi à custa de muita luta.
O que temos hoje aí é muito insatisfatório. Temos muito a crescer ainda em matéria de educação.
Agora, a Reforma Previdenciária vem para atingir a todos num golpe mortal e inigualável na história. Retrocesso.
O pior é que sabemos que a verdade não é ausência de recursos. É má administração e desvio dos mesmos.
Contas em paraísos fiscais, se desmanteladas, provavelmente pagariam por uns bons anos os inativos do país.
A luta pela dignidade no trabalho, de docentes e discentes, é antiga. Menina ainda, lembro-me de minha mãe nas manifestações, depois fui eu, agora uma nova categoria, de alunos meus, hoje trabalhadores, cidadãos conscientes, aí na frente de batalha.
Uma nova consciência está surgindo. Uma mãe de aluno falou um dia desses: “vocês têm que lutar mesmo, por vocês, por nós todos. Na iniciativa privada a greve é mais complicada. Lutem por todos nós, por nossos filhos”!
Quando o calo que aperta é dentro de nossos sapatos, aceitamos qualquer outro calçado que se apresente e sinalize algum conforto.
A greve não é de uma categoria. É de todo um povo!
A luta é de todos nós!
Alda M S Santos

Abrir mão

ABRIR MÃO
Desde pequenos, somos ensinados a lutar pelo que queremos
Mas pouco nos ensinam a abrir mão, a desistir, a deixar pra lá.
Nossa natureza é, quase sempre, lutadora, guerreira.
Porém, isso não elimina a necessidade de aprendermos a abrir mão.
Em retrospecto, podemos calcular quantas vezes, ao longo da vida,
Tivemos que lutar bravamente após várias quedas ou quase nocautes,
E outras, em que fomos obrigados pelas circunstâncias a abrir mão do que queríamos.
Sabemos que recuar, dar um passo atrás, pode ser um modo de reabastecer as energias.
Dar uma trégua, reavaliar estratégias ou planos de combate faz parte de toda luta.
Guerreiros natos afirmam que é preciso perder uma batalha para ganhar a guerra.
Ou que em toda luta alguns soldados acabam por ser sacrificados.
Porém, atrás de uma barricada segura, precisamos saber quais combates vale a luta.
Muitas estratégias boas vão para o brejo por causa de táticas mal aplicadas ou de soldados mal preparados.
Saber a hora de desistir é tão importante quanto a hora de prosseguir.
Abrir mão de uma conquista de território, de espaço ou de qualquer bem precioso,
Exige muita perspicácia, intuição, treino, sabedoria e abnegação.
Voltar para o quartel, para a base de controle, pode ser a diferença entre a vida e a morte.
Duas questões se fazem necessárias: Pelo que temos lutado? Do que temos abrido mão?
A primeira delas deve ter um número maior de itens.
A segunda não deve causar tanta dor, sob pena de voltar pra linha de combate.
Alda M S Santos

Coragem

CORAGEM

Sabe aquela história de que “desistir foi meu maior ato de coragem”? 

Pode parecer balela, desculpa esfarrapada, coisa de covardes, mas não é.

Muitas desistências são, sim, falta de vontade, de coragem ou persistência. 

Porém, quase toda desistência de algo implica que outra opção foi feita. Por n motivos.

Pode ser que o abrir mão de algo, aparentemente precioso, tenha ocorrido para benefício próprio, para proteger algo ou alguém amado, para o bem familiar ou coletivo…

Quer seja uma escolha profissional, pessoal, familiar, amorosa, não importa. 

Ao escolhermos trilhar o caminho A, sabemos que abrimos mão dos caminhos B e C. Ainda que eles permaneçam em nossas memórias por tempo indeterminado. 

Algumas bifurcações são muito estreitas e de decisão sofrida. 

Tantas vezes são escolhas difíceis, quase sempre dolorosas. 

Como temos apenas vaga ideia do porvir, decidimos com base no hoje, e só o tempo dirá se foi o caminho mais acertado.

Alguns caminhos não têm volta, mas de muitos deles é possível retornar e recomeçar, se se perceber que não foi a escolha mais acertada. 

Afinal, nossa vida não vem com GPS. E mesmo que viesse, poderíamos ser direcionados para caminhos errados.

Quando ouvirmos alguém dizer “desistir foi meu maior ato de coragem”, “abri mão por amor”, “optei em prol de alguém”, é melhor acreditar e se solidarizar. 

Ninguém está a salvo desse ato de coragem!

Alda M S Santos

Não fui convocado! 

NÃO FUI CONVOCADO!

Vida injusta, acusamos nós!

Não nos convidou para o baile, 

Fomos esquecidos

Não nos chamou para o passeio

Fomos preteridos

Não nos escolheu para o amor

Fomos marginalizados

Não nos convocou para o jogo da final 

Fomos descartados

Quantas vezes reclamamos?

Difícil entender uma recusa.

O não pode ser sim

O sim pode ser não.

Convocação pode ser vida, vitória!

Pode também ser morte, fim de jogo…

Entender nossos limites

Lutar pelo que vale a pena

Não se aborrecer pelo que não temos controle

Fazem toda a diferença em nosso viver. 

As águas do rio encontram obstáculos, mas nunca param, seguem em frente.

Cedo ou tarde, compreendemos. 

Alda M S Santos

Somos muitos

SOMOS MUITOS

Somos muitos de nós por aqui

Para quando a energia de um se apagar

Acendermos a do outro

Somos muitos por aqui

Para quando nossas lágrimas jorrarem como rio caudaloso 

Os braços do outro nos ajudarem a nadar

Para quando nossa fé enfraquecer

Nosso irmão poder dizer: estou contigo

Somos muitos de nós por aqui

Não para uma disputa desenfreada

Tampouco para matar ou morrer

Somos muitos por aqui para montarmos nossa base aliada

Somos um time, uma equipe, uma tropa

Nosso objetivo é ser feliz, fazer feliz

Não alcança o objetivo quem deixa um companheiro caído para trás. 

Nossa batalha se fortalece e se ganha no amor e na união

 Deus é nosso general maior 

O comandante dessa tropa

E Ele não está fechado no quartel

Está conosco na linha de frente.

Pode ser esse companheiro caído ao nosso lado que estende a mão.

Depois de socorrê-lo, podemos seguir em frente! 

Marchando! 

Alda M S Santos

Atropelados pela vida

ATROPELADOS PELA VIDA
Tantas vezes somos atropelados pela vida. Caídos, outros “veículos” ainda passam por cima, caçoam, “filmam”, chutam cachorro morto. Quando tudo que queremos é um jornal para nos cobrir!
É, a vida pode ser cruel, às vezes. Imunidade baixa, todos os nossos monstros internos ganham força. Por isso parece que tudo vem ao mesmo tempo: desemprego, desilusão amorosa, brigas familiares, saúde frágil, caixa em baixa, amigos ausentes…
Pensamos em desistir… Entregar os pontos, jogar a toalha, aceitar o game over.
Tudo torna-se seco, cinza, sem vida! Fechamo-nos para o mundo.
Aí aparecem as almas caridosas com os velhos conselhos: vai passar, sacode a poeira, levante-se, chorar não vai adiantar…
E nossa vontade é gritar: pare, deixe-me com minha dor! Eu quero chorar, quero me entregar, quero ficar afundado nesse sofá por quanto tempo me aprouver!
Esse momento de “luto” é importante. Nele processamos o que perdemos, o que restou, o que devemos buscar. Fazemos nosso balanço interno antes de reabrir as portas para o público.
E nossa força, aos poucos, ressurge. E vai crescendo.
De onde vem essa força? O que a aciona? Quem dispara esse gatilho?
Cada um é cada um, mas vamos aprendendo técnicas para lidar com o sofrimento. Cada qual busca a sua: família, leituras, passeios, atividade física, chocolate, músicas, orações…
Duas ajudas são fundamentais e universais.
Primeiro: os amigos, aqueles mesmos, os dos velhos conselhos. Não sejamos tão duros com eles, não fazem por mal, do seu jeito, querem apenas ajudar.
Segundo: Deus. Ele é um só e olha por todos, independente do tamanho do nosso problema. Se nos incomoda, se pedirmos, Ele nos ajuda e nos atende.
Quando estivermos derrubados no meio da estrada, mesmo que seja difícil, tentemos lembrar disso. Pode diminuir o período de luto e irrigar a força. Ela brotará mais rapidamente.
Alda M S Santos

Trajetórias

TRAJETÓRIAS

O destino é o mesmo,

Mas são tantas as trajetórias…

Longas, curvas, cheias de atalhos,

Alegrias, lágrimas, dores, saudades.

Muitos obstáculos, emoções, lutas…

Pequenas vitórias, enormes tropeços, grandes amores…

Valiosas lições, aprendizados ricos

Nas nossas, especialmente nas trajetórias dos outros…

Muitos milagres, bênçãos sem fim.

Tantas vezes estamos nas trajetórias alheias!

Podemos ser o amor, o sorriso, a lágrima

A alegria, o obstáculo

A lição ou a maior emoção.

Que saibamos deixar marcas eternas e positivas nos corações daqueles que tocarmos!

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: